Locais

Sintra

by Olivia Sousa

Conteúdo

Sobre a cidade de Sintra

Sintra não é apenas uma cidade pitoresca que merece uma história à parte, mas uma das pérolas mais valiosas no colar dos destinos turísticos mais visitados em Portugal. O facto de Sintra estar incluída na lista do Património Mundial da UNESCO fala por si: é famosa pela sua rica história, pelos seus magníficos palácios, pelos seus elegantes jardins e pela sua bela natureza.

Sintra situa-se na encosta norte das colinas arborizadas do maciço da Serra de Sintra, a apenas 12 km do mar e a 30 km a noroeste da capital portuguesa, Lisboa. Outrora uma acolhedora residência de verão da família real e da elite de toda a Europa, a cidade é agora um popular centro turístico.

Nas encostas, entre as densas florestas, escondem-se palácios antigos, moradias luxuosas e quintas exóticas com vistas panorâmicas deslumbrantes. Os proprietários das ricas residências tentaram superar-se uns aos outros e, por isso, Sintra é hoje uma camada de diferentes culturas, uma combinação de diferentes estilos de arquitetura e a coexistência de tradições multinacionais.

A principal atração de Sintra é a sua arquitetura única. Combina o gótico, o romântico, o mourisco e muitos outros estilos. A sua principal atração é a sua arquitetura única: O Palácio da Pena, a Quinta da Regaleira, o Palácio Nacional de Sintra e Monserrate, o Castelo dos Mouros, bem como numerosos parques e o selvagem Cabo da Roca, que marca o ponto mais ocidental da Evoropa continental.

Divisão administrativa

Administrativamente, Sintra está dividida em 20 frégées (freguesias). No entanto, os habitantes locais dividem a cidade entre o centro histórico (Vila de Sintra), o bairro de São Pedro, onde se realizam os mercados e feiras dominicais, e a zona da estação, denominada Estefânia.

Assim, o concelho de Sintra inclui as seguintes freguesias:

  1. Algeirão-Main Martins
  2. Almargen do Bispo
  3. Agualva
  4. Belas
  5. Casal de Cambra
  6. Casen
  7. Queluz
  8. Colares
  9. Monte Abraão
  10. Massamá
  11. Mira Sintra
  12. Montelavar
  13. Peru Pinheiro
  14. Rio de Moro
  15. Santa Maria i São Miguel
  16. São João das Lampashes
  17. São Marcos
  18. São Martinho
  19. São Pedro de Penaferrin
  20. Terrujen

População de Sintra

Quanto à composição étnica, a grande maioria dos habitantes de Sintra são portugueses, seguidos dos espanhóis. Para além disso, uma percentagem significativa da população da cidade é hoje constituída por naturais do Magrebe - árabes e africanos. Cerca de 20% dos actuais habitantes de Sintra nasceram fora do país.

Em termos de idade, Sintra é bastante jovem quando comparada com outras cidades europeias. A faixa etária predominante situa-se entre os 30 e os 39 anos. As religiões mais comuns são o catolicismo, o islamismo e o judaísmo. Os habitantes de Sintra são sociáveis, ansiosos por ajudar os turistas e prontos a contar muitas histórias fantásticas sobre as atracções locais.

Localização geográfica

Sintra situa-se numa serra a cerca de 28 km (ou 17 milhas) a noroeste de Lisboa e a cerca de 9 km (ou 5,6 milhas) da costa atlântica a oeste. Sintra faz fronteira com:

  • a norte - com o concelho de Mafra;
  • a leste - com os concelhos de Lores e Odivalas
  • a sudeste - com o concelho da Amadora;
  • a sul - com os concelhos de Oeiras e Cascais;
  • a oeste, é banhada pelas águas do Oceano Atlântico.

Ponto mais ocidental da Europa, o Cabo da Roca pertence a Sintra.

Coordenadas geográficas exactas: latitude e longitude - 38.8028687, -9.3816589.

Tempo e clima em Sintra

Apesar do facto de Sintra se situar quase ao lado de Lisboa, o clima nesta cidade é um pouco diferente. A proximidade do oceano e a proteção das serras proporcionam um clima ligeiramente fresco, ligeiramente ventoso e húmido, mesmo no meio de verões quentes. A temperatura máxima média no verão (julho-agosto) ronda os 25-28 °C, e a temperatura mínima média no inverno (dezembro-fevereiro) varia entre 8 e 12 °C. As temperaturas na primavera e no outono são geralmente confortáveis, na ordem dos 15-20°C.

Mês

Temperatura média mensal, ° C

Durante o dia

À noite

Janeiro

+12

+8

Fevereiro

+14

+9

Março

+17

+9

Abril

+19

+11

Maio

+21

+13

Junho

+24

+15

Julho

+28

+17

Agosto

+27

+17

Setembro

+26

+17

Outubro

+22

+14

Novembro

+17

+11

Dezembro

+13

+8

A maior parte da precipitação ocorre no inverno, com os meses de novembro e dezembro particularmente chuvosos. Os meses de verão são geralmente secos.

A humidade em Sintra pode ser elevada, especialmente no verão, quando pode atingir os 80-90%.

Sintra tem normalmente ventos moderados, embora possa haver fortes rajadas de vento de vez em quando, especialmente no inverno.

Ao planear uma viagem a Sintra, recomenda-se levar um casaco ou camisola leve para as noites frias e roupa exterior para o caso de chover.

A propósito, o microclima ameno e húmido da cidade contribui para o desenvolvimento de uma vegetação luxuriante, onde se podem encontrar plantas de espécies raras que não se encontram em mais nenhum lugar de Portugal. É um verdadeiro paraíso verde com um ar de montanha invulgarmente curativo.

Informações.

O concelho de Sintra situa-se na histórica província portuguesa da Estremadura. Pertence ao Patriarcado de Lisboa da Igreja Católica em Portugal.

O concelho tem uma área de 319,23 km².

A população do município é de 381.728 pessoas (em 2015).

O município tem como padroeira a Virgem Maria.

O feriado municipal é o dia 29 de junho.

O código postal é 2714.

O código da unidade administrativa local é 1111.

Sintra está situada no fuso horário da Europa Ocidental. Fuso horário: UTC±0:00, no verão UTC+1:00.

O código postal é 2714.

A moeda oficial é o EUR (euro).

História da fundação da cidade

A história de Sintra remonta a muitos séculos. Os achados arqueológicos indicam que o povoamento desta zona remonta ao Neolítico e ao Paleolítico. No entanto, a formação e desenvolvimento da cidade foi fortemente influenciada por diferentes culturas e períodos da história de Portugal.

A origem do nome Sintra

Não existem provas documentais inequívocas sobre a origem do nome Sintra, pelo que esta questão é ainda objeto de debate e investigação.

Uma das versões é que o nome Sintra (Seen-truh, /ˈsĩ.tɾɐ/) vem da mesma raiz da palavra inglesa "sun". A palavra "Sintra" está gravada num colar de ouro que data do século IX a.C.. Atualmente, encontra-se no Museu Britânico, em Londres.

Existe ainda uma versão de que o nome da cidade poderá ser de origem celta. Segundo esta versão, a palavra Sintra deriva da palavra celta Cynthia ou Lua, uma vez que a localização da cidade numa colina era considerada um local sagrado associado à lua.

Há ainda a possibilidade de o nome Sintra ter origem na palavra "suntria", que significa "corpo celeste brilhante".

Outras teorias apontam para a origem latina do nome. De acordo com uma dessas teorias, a palavra Sintra deriva da palavra latina Cintra ou Cynthia, que também indica uma ligação com a lua.

Outra versão sugere que o nome pode derivar da palavra latina serra, que significa "montanha" ou "cadeia de montanhas", reflectindo a caraterística geográfica da zona.

História de Sintra

No final da Idade do Bronze, encontrava-se no território do atual concelho de Sintra uma aldeia portuária de grande dimensão, com o nome atual, fundada pelos fenícios.

Conquista da cidade

Por volta de 50-30 a.C., Sintra foi conquistada pelos romanos. Apreciando a importância deste porto estratégico, os romanos concederam de imediato a Sintra o estatuto de municipium, ou seja, uma cidade habitada por pessoas livres com direitos de cidadania romana e governo próprio. Após o colapso do Império Romano, Sintra foi capturada e destruída pelos visigodos e, no século VIII, os árabes apoderaram-se do território.

Na viragem dos séculos IX e X, os guerreiros mouros construíram uma majestosa fortaleza numa alta colina da Península Ibérica, que sobreviveu até aos dias de hoje e é uma das mais importantes atracções turísticas. Os mouros deram um contributo especial para o desenvolvimento da cidade e, como resultado, a vila transformou-se numa cidade de sucesso.

Em 1147, Sintra foi reconquistada pelo primeiro rei português, D. Afonso Henriques. Por ordem deste, iniciou-se a construção da Sé Catedral de São Pedro dentro das muralhas desta fortaleza. Em 1154, a sua construção foi concluída e este ano passou a ser a data oficial da fundação de Sintra.

Desde então, a cidade começou a crescer e a desenvolver-se rapidamente e tornou-se um destino favorito dos monarcas portugueses.

Facto interessante: em 1493, o navio de Cristóvão Colombo, que navegava para Espanha mas se desviou da rota devido ao mau tempo, encontrou a salvação junto às falésias de Sintra.

Terramoto de Lisboa

Em 1 de novembro de 1755, a capital portuguesa, Lisboa, foi atingida por um terramoto de magnitude 9. As ondas do tsunami incendiaram a cidade, destruindo cerca de 15.000 edifícios e matando até 50.000 pessoas, tornando o terramoto de Lisboa um dos mais destrutivos da história da humanidade. As cidades e vilas costeiras de toda a província da Estremadura foram danificadas, e Sintra não foi exceção, mas as autoridades conseguiram eliminar rapidamente as consequências da catástrofe.

A cidade dos monarcas e da nobreza

No século XVIII, a zona tornou-se popular entre a aristocracia e a burguesia, que construíram luxuosos complexos palacianos e mansões em Sintra. Durante este período, foi construído o monumento mais famoso de Sintra, o Palácio da Pena, conhecido pela sua arquitetura romântica.

O século XIX foi uma época de prosperidade para a cidade. Devido ao clima favorável, não só os monarcas, que escolheram Sintra como residência de verão, mas também os representantes da nobreza portuguesa começaram a vir para cá. Nessa época, a cidade foi presenteada com ricas casas de campo e quintas, mansões cujo esplendor e elegância deram o mote para as futuras construções.

Atualmente, muitas delas são alugadas a turistas que se podem dar a esse luxo ou, divididas em quartos separados, servem de quartos de hotel.

Assim, Sintra é definitivamente uma das cidades mais românticas não só da Europa, mas também do mundo. É o local perfeito para celebrar o aniversário de casamento ou passar a lua de mel. Palácios requintados, jardins exóticos, parques com caminhos sinuosos tendo como pano de fundo árvores centenárias, casas com decoração intrincada, pequenos lagos com pontões e pontes - tudo isto serve de fonte de inspiração para celebrar momentos especiais.

Pontos turísticos de Sintra

Palácio da Pena

O Palácio da Pena, residência real de verão dos monarcas portugueses, é considerado o mais belo palácio de Sintra, o seu tesouro nacional e Património Mundial da UNESCO.

O palácio em si é uma verdadeira maravilha arquitetónica, rodeado por um parque exótico onde se pode passear sem parar. A sua área é superior a 80 hectares. Há lagos e cascatas artificiais, plantas exóticas trazidas de diferentes continentes.

História da criação

A fundação deste lugar mágico remonta ao século XII, altura em que existia uma capela dedicada a Nossa Senhora da Pena. No mesmo local, D. Manuel I mandou construir o Real Mosteiro de Nossa Senhora da Pena, que mais tarde passou para a Ordem de São Jerónimo.

O terramoto que assolou Lisboa em 1755, e que afectou cidades e vilas costeiras de toda a província da Estremadura, deixou o mosteiro quase em ruínas. Apesar disso, o mosteiro continuou as suas actividades, mas quase cem anos depois, em 1834, quando as ordens religiosas em Portugal praticamente deixaram de existir, foi abandonado. No entanto, no Parque da Pena ainda existem locais que remontam a essa época, como a Gruta dos Monges, onde os monges se retiravam para rezar.

História moderna do palácio

Em 1836, a Rainha D. Maria II casou-se com Fernando de Saxe-Coburgo-Gotha, príncipe da Casa de Saxe-Coburgo-Gotha, sobrinho do Duque Ernesto I de Coburgo e do Rei Leopoldo I da Bélgica. De acordo com o contrato de casamento, Fernando foi elevado à categoria de rei consorte.

Fascinado pela beleza de Sintra, decidiu comprar o mosteiro e os terrenos circundantes e construir um palácio de verão para a família real.

Em tempos, o rei D. Carlos I (1863-1908) e a rainha D. Amélia de Orleães (1865-1951) também viveram no palácio durante a época de verão.

Durante a construção do palácio, foi dada preferência a formas arquitectónicas e decorativas portuguesas no estilo Revivalista (aqui, estilos neo-gótico, neomanuelino, neo-islâmico e neo-renascentista), e foi decidido plantar um belo parque de estilo inglês com variedades de árvores e plantas exóticas à volta do palácio.

No interior do palácio, é possível ver salas luxuosamente decoradas, uma sala do trono, uma biblioteca, uma capela e outras salas que reflectem a riqueza e o luxo da vida real. As janelas do palácio oferecem vistas incríveis de Sintra e da paisagem circundante, incluindo florestas, montanhas e o oceano.

O Palácio da Pena como Património Mundial

O Palácio da Pena foi classificado como monumento nacional em 1910 e é o centro mais importante da paisagem cultural de Sintra, classificado pela UNESCO como Património Mundial desde 1995.

Em 2013, o Palácio Nacional da Pena passou a fazer parte da rede de residências reais europeias.

Atualmente, o Parque Nacional e o Palácio da Pena integram a Rota Europeia dos Jardins Históricos, que faz parte dos Roteiros Culturais do Conselho da Europa desde 2020.

O acesso ao palácio está disponível mediante o pagamento de uma taxa adicional.

O horário de abertura do Palácio da Pena pode variar consoante a época do ano.

Informações adicionais para os viajantes

Contactos:

Morada: Estrada da Pena, 2710-609 Sintra

Telefone: +351 21 923 73 00

Correio eletrónico: info@parquesdesintra.pt

Sítio Web: http://www.parquesdesintra.pt

Redes sociais: https://www.facebook.com/parquesdesintra

Horário de funcionamento:

Parque: 09:00 - 19:00

Último bilhete e entrada: 18:00

Palácio: 09:30 -18:30

Último bilhete: 17:30 | Última entrada: 18:00

Entradas no Parque e no Palácio:

Bilhete de adulto (dos 18 aos 64 anos) - 20 €.

Bilhete jovem (dos 6 aos 17 anos) - 18 €.

Bilhete para reformados (mais de 65 anos) - 18 €.

Bilhete de família (2 adultos + 2 crianças) - 65 €.

Ao comprar um bilhete online - 15% de desconto

Atenção: A entrada no Palácio é apenas por marcação!

Direcções:

Lisboa>Sintra: Comboio (CP) - Linha de Sintra

Estações de partida:

  • Estação do Oriente
  • Estação do Rossio
  • Estação de Entrecampos

Sintra (estação) > Pena:

Autocarro nº 434 (Scotturb)

Palácio Nacional de Sintra

O local onde bate o coração de Sintra, também conhecido como Palácio da Cidade de Sintra. Atualmente, é a residência real medieval mais bem preservada de Portugal, cobrindo a história do país desde os séculos X-XI.

O atual Palácio de Sintra é constituído por vários palácios reais. É um conjunto de edifícios que foram construídos, completados e adaptados ao longo dos séculos, e a data de fundação do palácio mais antigo é um mistério que permanece por resolver atualmente. Hoje, é um destino turístico popular, parte da paisagem cultural de Sintra e Património Mundial da UNESCO.

Período mouro

Embora não se saiba ao certo a data de construção do Palácio Nacional de Sintra, fontes históricas indicam que foi um dos dois castelos existentes na atual Sintra durante a época mourisca do Al-Andalus. A sua história começou com a conquista árabe da Península Ibérica, no século VIII. Outro edifício fundamental dessa época, o Castelo dos Mouros, situado numa alta colina com vista para a atual Sintra, continua a ser uma atração turística popular e uma ruína romântica do Portugal antigo.

A mais antiga menção ao Castelo de Sintra encontra-se nos escritos do geógrafo árabe Al-Bakr, que afirma que era a residência dos governantes islâmicos da Taifa de Lisboa. No entanto, já no século XII, o território foi conquistado por D. Afonso I, que capturou também o castelo.

A combinação dos estilos gótico, manuelino, mourisco e mudéjar no aspeto atual do palácio é, sobretudo, o resultado de decisões arquitectónicas tomadas no século XV e no início do século XVI.

Infelizmente, tudo o que foi construído durante o domínio mouro ou dos primeiros reis portugueses não pôde ser preservado, exceto a Capela Real do início do século XIV. Esta é a parte mais antiga do palácio que pode ser vista atualmente. As paredes estão decoradas com ornamentos quadrados que representam cenas do Espírito Santo a descer sob a forma de uma pomba. O teto de madeira é decorado em estilo mourisco e o chão é de azulejos.

Palácio de Sintra na Idade Média

A abundância de caça na região, o clima fresco nos meses de verão e a necessidade de abrigo durante os períodos de peste na capital tornaram o Paço de Sintra popular entre os monarcas e a nobreza.

Em 1287, o rei D. Diniz (reinou entre 1279 e 1325) concedeu a cidade de Sintra e o seu território à rainha Santa Isabel. A propriedade continuava a pertencer à coroa, mas a rainha era a beneficiária dos seus lucros económicos. Ao longo dos séculos, as rainhas portuguesas receberam Sintra e os seus palácios, tornando-se proprietárias de uma enorme herança. Isto permitiu-lhes manter um palácio com um grande número de pessoas, desde damas nobres e funcionários a criados e escravos, e viver no luxo.

Durante o reinado de D. João I (1356-1433), o palácio sofreu alterações bastante significativas nos seus acrescentos. A partir de 1415, começou a patrocinar ativamente a ampliação e modernização do palácio. Nessa altura, foram construídos a maior parte dos edifícios em torno do pátio central, incluindo o edifício da fachada principal com os seus arcos e bifórios manuelinos e mauricianos, bem como as famosas chaminés cónicas da cozinha real, que ainda hoje podem ser vistas de quase toda a cidade. Na mesma altura, surgiram verdadeiras obras-primas no interior do palácio: a Sala dos Cisnes, a Sala das Pegas, o pátio, entre outras.

Sala dos cisnes

A Sala dos Cisnes é de estilo manuelino, assim chamada devido às orgulhosas aves representadas no teto - cisnes, símbolos da casa do noivo de Filipe III de Borgonha.

30 cisnes com coroas douradas em molduras octogonais douradas adornam o teto de madeira da Sala dos Cisnes, o antigo Salão Nobre do Palácio Nacional de Sintra. Estes painéis são feitos com azulejos de cerâmica, um elemento caraterístico da cultura portuguesa.

Sobre o fundo da delicada porcelana, os cisnes têm um aspeto elegante e gracioso, criando a impressão de uma figura viva e em movimento. São representados em diferentes poses, demonstrando elegância e graciosidade. Os azulejos de cerâmica são também habilmente combinados com outros elementos decorativos feitos de pedra, madeira, pinturas e gesso, criando um conjunto harmonioso e sofisticado. Esta sala é uma das mais proeminentes e belas do palácio.

Entre as artes decorativas e aplicadas expostas, destaca-se um conjunto de deslumbrantes acessórios de porcelana chinesa em forma de animais, fabricados em finais do século XVIII, durante a dinastia Qing.

Sala dos cisnes, Palácio de Sintra

Sala dos cisnes

Foto da Internet
Sala das Quarenta

Em português, Sala das Pegas é a segunda sala do palácio de D. João I e D. Filipe de Lencaste. Era suposto ser a sala mais utilizada para as audiências reais. O único mobiliário disponível era o necessário para realçar a majestade do rei: um estrado ou tapete, uma cadeira e um dossel. No século XIX, as audiências reais perderam a sua importância e o salão passou a ser utilizado para banquetes.

Porque é que no teto e no friso estão pintadas pegas que seguram no bico o emblema "por bem"? Conta a lenda que D. João I foi apanhado pela sua rainha a beijar outra senhora. Para acabar com os mexericos, mandou decorar a sala com tantas pegas quantas as mulheres que havia na corte na altura - 136.

Para além das pegas, a sala está decorada com outras aves, plantas e motivos decorativos, pintados à mão por artistas da época, utilizando técnicas de fresco e de imitação de tapeçaria. Para além disso, a Sala das Pegas possui mobiliário antigo, lustres de cristal e outros pormenores que lhe conferem um encanto aristocrático.

Sala das Quarenta, Palácio de Sintra

Sala das Quarenta

Foto da Internet
Sala dos Brasões

Esta é a sala mais requintadamente decorada do palácio, que possui símbolos heráldicos de famílias nobres portuguesas e é a sala heráldica com maior expressão artística da Europa. Nas paredes da Sala dos Brasões encontram-se os brasões de várias famílias, famílias aristocráticas e indivíduos privilegiados. Estes brasões são feitos em cores e tons dourados e são frequentemente acompanhados por vários símbolos e elementos decorativos. Representam o património histórico e o estatuto social de quem os possuía. A sala está decorada em estilo manuelino e é uma das principais atracções turísticas do Palácio de Sintra.

Chaminés cónicas

A cozinha do palácio é enorme, e ainda mais impressionantes são as duas enormes chaminés cónicas, cada uma com cerca de 33 metros de altura, cujo tamanho e aspeto monumental são únicos na Europa e simbólicos do palácio e de Sintra. A cozinha foi concebida para cozinhar grandes quantidades de alimentos durante os banquetes reais. Entre os pratos originais, encontram-se enormes caldeirões de fritar, utensílios de cozinha em cobre e ferro, etc.

O Palácio de Sintra tem também uma página triste na história: trata-se do rei Athos VI, mentalmente instável, que foi deposto pelo seu irmão Pedro II. O rei rejeitado foi obrigado a viver no palácio, mas não o abandonou desde 1676 até à sua morte em 1683.

Após um forte terramoto em 1755, que danificou gravemente o edifício, o Palácio de Sintra foi reconstruído, mantendo a silhueta principal, que permanece inalterada até hoje.

Chaminés cónicas, Palácio de Sintra

Chaminés cónicas, Sintra

Foto da Internet

O moderno Palácio Nacional de Sintra

Em 1910, após a revolução, a utilização do Palácio de Sintra como residência real foi definitivamente interrompida, tendo sido a rainha D. Maria Pia, viúva do rei D. Luís, a última monarca a viver no palácio, de onde partiu para o exílio. No mesmo ano, o Palácio Nacional de Sintra foi declarado monumento nacional.

No final da década de 1930, o Palácio foi aberto ao público.

Nos anos 40, foi restaurado pelo arquiteto Raúl Linho, que tentou recuperar a sua antiga grandeza, acrescentando mobiliário antigo de outros palácios e restaurando o azulejo.

Nos últimos anos, o Paço de Sintra tornou-se num dos mais importantes centros culturais do centro da cidade de Sintra. Faz parte da paisagem cultural da cidade, que foi declarada Património Mundial pela UNESCO em 6 de dezembro de 1995.

Desde setembro de 2012, o palácio faz parte do património gerido pela Parques de Sintra, e em 2013 foi incluído na rede de Residências Reais Europeias.

Informações adicionais para viajantes

Contactos:

Endereço: Largo Rainha Dona Amélia, 2710-616 Sintra, Portugal

Telefone: +351 21 923 73 00

Correio eletrónico: info@parquesdesintra.pt

Sítio Web: http://www.parquesdesintra.pt

Horário de funcionamento:

Seg: 09:30 -18:00

Último bilhete: 18:00

Parque: 09:30 - 18:00

Último bilhete: 18:00

Taxa de entrada no Palácio:

Bilhete de adulto (dos 18 aos 64 anos) - 13 euros

Bilhete jovem (dos 6 aos 17 anos) - 10 €.

Bilhete para reformados (mais de 65 anos) - 10 €.

Bilhete de família (2 adultos + 2 crianças) - 35 €.

Ao comprar um bilhete online - 15% de desconto

*Entrada gratuita no parque

Direcções:

Lisboa>Sintra: Comboio (CP) - Linha de Sintra

Estações de partida:

  • Estação do Oriente
  • Estação do Rossio
  • Estação de Entrecampos

Sintra (estação) > Monserrate:

Autocarro nº 434/435 (Scotturb)

Palácio de Monserrate

O Palácio de Monserrate é um complexo de palácio e parque situado nos arredores de Sintra, num parque romântico de 33 hectares com mais de 3000 espécies de plantas dos cinco continentes do mundo.

A história do palácio e do parque estende-se por mais de cinco séculos, tendo a propriedade mudado de mãos várias vezes, com períodos de prosperidade seguidos de períodos de declínio. Atualmente

O Parque de Montserrat foi galardoado com o Prémio Europeu de Jardinagem na categoria "Melhor desenvolvimento de um parque ou jardim histórico".

Palácio de Monserrate, Sintra

Palácio de Monserrate

Foto da Internet

A história do parque

De acordo com a lenda mais antiga, no local da atual Montserrat, existia uma capela dedicada à Virgem Maria, construída por Athos I após a reconquista de Sintra. Segundo uma versão, sobre as suas ruínas foi construída, em 1540, no cimo do monte, uma outra capela dedicada a Nossa Senhora de Monserrate. Nessa altura, a propriedade pertencia ao Hospital Real de Todos os Santos de Lisboa.

Segundo outra versão, a história de Monserrate começa em 1540, quando o monge Gaspar Preto mandou construir uma ermida dedicada a Nossa Senhora de Monserrate, após uma viagem à Península Ibérica, durante a qual ficou impressionado com a visita à ermida de Monserrate, na Catalunha, perto de Barcelona.

Mais tarde, no século XVII, a moradia foi propriedade das famílias Mello e Castro, mas após o terramoto de Lisboa de 1755, a casa ficou inabitável e foi abandonada durante muito tempo.

Em 1789, um comerciante inglês chamado Gerard de Wisme alugou o edifício degradado e construiu uma casa neo-gótica sobre as ruínas. Mais tarde, em 1793, o escritor inglês William Beckford tornou-se o novo sublocatário de Monserrate e começou a projetar um jardim paisagístico.

Monserrate foi popularizado por Lord Byron, que visitou o local em 1809 e ficou impressionado com a beleza do sítio, mencionando-o na sua obra A Peregrinação de Childe Harold. Este facto atraiu a atenção de viajantes estrangeiros, entre os quais um rico comerciante inglês, Francis Cook. Este arrendou a propriedade e recebeu o título de primeiro visconde de Montserrat. Cooke ordenou a construção de um palácio que combinava o gótico, a influência indiana e as notas mouriscas, e foi bem sucedido. Os motivos exóticos e florais do interior estendem-se harmoniosamente ao exterior, que também foi renovado e transformado num dos mais belos jardins botânicos portugueses. A propósito, uma nascente brota dos mananciais naturais do campo de caça de Monserrate e percorre todo o território do complexo.

O Palácio de Monserrate na atualidade

Em 1949, a propriedade e as zonas de caça foram adquiridas pelo Estado português,

e, alguns anos mais tarde, o parque e o Palácio de Monserrate foram classificados como património de interesse público. Fazem parte da paisagem cultural de Sintra, classificada pela UNESCO como Património Mundial em 1995.

Em 2000, a gestão de Monserrate foi transferida para a Parques de Sintra, que conseguiu abrir o palácio ao público em 2010.

Uma das realizações mais valiosas foi a aquisição, em 2017, de um relevo em mármore renascentista atribuído a Gregorio di Lorenzo, com uma imagem escultórica da Virgem e do Menino. Esta obra de arte renascentista italiana regressou ao Palácio de Monserrate, depois de ter feito parte da valiosa coleção de Sir Francis Cook num passado distante.

Totem

Existe outro objeto interessante e extraordinário na propriedade de Montserrat, criado pela artista galesa Nancy Hemming. Trata-se de uma escultura de 7,5 metros de altura feita a partir do tronco de um eucalipto com cinquenta anos de idade, que deveria ser demolido devido a um fungo que decompõe a madeira. Desta forma, evitou-se o abate do eucalipto de grande longevidade, anteriormente declarado como objeto de especial valor natural na Serra de Sintra.

O totem representa uma águia, um escaravelho de cornos, um texugo, um mangusto, uma víbora de Lataste, um mocho, uma vespa, uma salamandra, uma coruja, uma borboleta aurignia, uma geneta e uma floresta relíquia de carvalho, medronheiro, azevinho e feto.

Assim, atualmente, o palácio foi completamente restaurado e recuperou o seu antigo luxo e sofisticação.

Totem, Palácio de Monserrate, Sintra

Totem, Palácio de Monserrate

Foto da Internet

Informações adicionais para os viajantes

Contactos:

Morada: 2710-405 Sintra, Portugal

Telefone: +351 21 923 73 00

Correio eletrónico: info@parquesdesintra.pt

Sítio Web: http://www.parquesdesintra.pt

Horário de funcionamento:

Parque: 09:00 - 19:00

Último bilhete: 17:30 | Última entrada: 18:00

Palácio: 09:30 -18:00

Último bilhete: 17:00 | Última entrada: 17:30

Entradas no Parque e no Palácio:

Bilhete de adulto (dos 18 aos 64 anos) - 12 €.

Bilhete jovem (dos 6 aos 17 anos) - 10 €.

Bilhete para reformados (mais de 65 anos) - 10 €.

Bilhete de família (2 adultos + 2 crianças) - 33 euros.

Ao comprar um bilhete online - 15% de desconto

Direcções:

Lisboa>Sintra: Comboio (CP) - Linha de Sintra

Estações de partida:

  • Estação do Oriente
  • Estação do Rossio
  • Estação de Entrecampos

Sintra (estação) > Monserrate:

Autocarro nº 1253 (Carris Metropolitano)

Autocarro nº 435 (Scotturb)

Quinta da Regaleira

A mística Quinta da Regaleira, juntamente com outros palácios, é considerada um dos principais pontos turísticos e atractivos de Sintra e está classificada como Património Mundial da UNESCO no âmbito da Paisagem Cultural de Sintra. A Quinta da Regaleira foi construída entre 1904 e 1910, durante os últimos anos da monarquia portuguesa.

Esta propriedade romântica e misteriosa, outrora propriedade da Viscondessa da Regaleira, foi mais tarde comprada pelo Dr. António Augusto Carvalho Monteiro. É por isso que o palácio é também conhecido como o Palácio do Milionário Monteiro. A maravilha arquitetónica foi projectada pelo italiano Luigi Manini, por capricho de um excêntrico ocultista português, no início do século passado. A propriedade tem um mausoléu rico em simbolismo místico e um labirinto sinuoso de túneis sob o parque, ao qual se pode aceder através de várias grutas e cavernas.

A principal atração da Quinta da Regaleira são os seus jardins e vistas. Estão repletos de passagens misteriosas, lagos, fontes, cascatas e estruturas simbólicas escondidas. Os locais mais famosos dos jardins são o Grande Lago, os Poços de Iniciação, o Labirinto e a Capela. Cada um destes elementos tem o seu próprio significado especial e simbolismo associado a ideias esotéricas e mistérios.

Palácio da Regaleira

O Palácio da Regaleira tem o mesmo nome de toda a quinta. O edifício tem um total de cinco pisos (quatro pisos e uma cave).

No rés do chão há uma sala de estar, uma sala de jantar, uma sala de bilhar, varandas e pequenas salas separadas por corredores. O segundo andar tem quartos e quartos de vestir. No terceiro andar encontra-se o escritório do Monteiro e os quartos das empregadas. No quarto andar encontra-se a sala de engomar e uma sala mais pequena com acesso ao terraço. Na cave encontram-se os quartos dos criados masculinos, uma cozinha com elevador para levar os alimentos para os pisos superiores e arrecadações para os alimentos.

A fachada do palácio é caracterizada por luxuosos pináculos góticos, gárgulas, capitéis e uma espantosa torre octogonal.

Poços de iniciação ou de dedicação

A parte mais espantosa da Quinta da Regaleira são, sem dúvida, os poços de iniciação, também chamados poços de iniciação ou torres invertidas. São dois poços que mais parecem torres subterrâneas com paredes revestidas de escadas. Estes poços nunca serviram como fontes de água, mas foram utilizados para fins cerimoniais, incluindo ritos de iniciação ao Tarot.

Dos dois poços, o maior contém uma escada em espiral de 27 metros com várias pequenas plataformas. A sua colocação, combinada com o número de escadas, está associada ao misticismo e sugere que aqui se realizavam rituais dos maçons e dos templários. O poço mais pequeno contém uma escada reta que liga entre si uma série de pisos em forma de anel. Os túneis ligam os poços entre si, bem como a várias grutas e outras atracções do parque.

Capela da Regaleira

Em frente à fachada principal do palácio encontra-se uma capela católica romana, cuja arquitetura é semelhante à do palácio. Apesar da sua dimensão relativamente pequena, a capela tem vários pisos.

O interior da capela está ricamente decorado com frescos, vitrais coloridos e molduras luxuosas. Os frescos retratam a vida de Teresa de Ávila e de Santo António, bem como de outras figuras religiosas. No chão, há imagens de um astrolábio (instrumento astronómico utilizado para determinar as coordenadas dos corpos celestes) dos descobrimentos portugueses e uma cruz da Ordem de Cristo rodeada de pentagramas.

Parque, túneis e corpos de água

O parque densamente arborizado, com vegetação exótica, muitos caminhos e carreiros, merece uma atenção especial. Numerosas árvores estão ordenadamente dispostas nas partes baixas da propriedade, mas permanecem um pouco selvagens nas partes altas, reflectindo a crença do antigo Monteiro no primitivismo.

A água está presente em vários locais, incluindo dois lagos artificiais e várias fontes que Monteiro acrescentou à composição do parque. Um dos mais interessantes e extravagantes é o aquário, construído como se fosse natural num grande rochedo. Foi em tempos considerado a mais importante atração natural da Regaleira. No entanto, o aquário já não está a ser utilizado e encontra-se em mau estado de conservação.

O parque contém ainda um extenso e misterioso sistema de túneis com vários pontos de entrada, nomeadamente: grutas, uma capela, o Lago da Cascata e a Gruta de Leda, situada sob a Torre da Regaleira.

Para referência:

A Quinta da Regaleira fica apenas a meia hora a pé da estação de comboios de Sintra e a pouco mais de uma hora de Lisboa, pelo que pode planear uma viagem de um dia a partir da capital.

Os bilhetes para visitar a Quinta da Regaleira podem ser comprados à entrada ou reservados com antecedência no sítio Web.

Os bilhetes para a Quinta da Regaleira dão acesso aos jardins e ao palácio.

Os bilhetes não podem ser reservados e são válidos para uma entrada durante 120 dias a partir da data de compra.

Os preços dos bilhetes para as diferentes faixas etárias podem ser consultados AQUI.

Existem vários descontos nas entradas para crianças, idosos e outros, que podem ser consultados no sítio da Quinta da Regaleira.

Horário de funcionamento: janeiro a março das 10:00 às 18:30.

Informações adicionais para viajantes

Contactos:

Morada: Quinta da Regaleira, 9, 2710-567 Sintra, Portugal

Tel: (+351) 219 106 650

Correio eletrónico: geral@cultursintra.pt

Sítio Web: www.regaleira.pt

Redes:

facebook.com/cultursintra

instagram.com/culturesintra

youtube.com/culturesintra

twitter.com /culturesintra

Castelo dos Mouros

O Castelo dos Mouros é considerado uma das primeiras e mais antigas fortificações portuguesas. O castelo medieval foi construído no topo de uma colina na freguesia de Santa Maria e São Miguel, no concelho de Sintra, a cerca de 25 km a noroeste de Lisboa. Atualmente, está classificado como monumento nacional, fazendo parte da paisagem cultural de Sintra, Património Mundial da UNESCO.

História de Castelo dos Mouros

Fontes históricas indicam que os mouros construíram o castelo por volta dos séculos IX e X. A antiga fortaleza moura de origem muçulmana tinha uma posição estratégica fundamental para a proteção do território local e do acesso marítimo à cidade de Lisboa. Os artefactos aí encontrados indicam a existência de um povoado entre e em redor das muralhas, a que se chama Bairro Islâmico.

Ao longo do tempo, a fortaleza passou várias vezes de cavaleiros muçulmanos para cavaleiros cristãos e vice-versa. Em 1147, após a ocupação de Lisboa por D. Afonso I, os mouros entregaram o castelo aos cristãos sem resistência.

O rei confiou a proteção do castelo a 30 habitantes, concedendo-lhes privilégios num foral assinado pelo monarca em 1154. Concedendo direitos especiais aos habitantes de Sintra, o foral convidava os colonos a instalarem-se no castelo, garantindo a segurança e o desenvolvimento da região. Durante o reinado de Sanshu I, o castelo foi renovado e no seu interior foi construída a Igreja de São Pedro.

De um modo geral, tudo no castelo foi pensado para sobreviver com êxito a cercos prolongados. Em particular, foi construído um enorme tanque de água potável, que foi preservado até aos dias de hoje. Além disso, ainda hoje se pode ver uma secção maciça da espessa muralha de fortificação que foi preservada à entrada do castelo.

No século XV, a maioria dos habitantes desceu para o local onde se situa a atual cidade de Sintra. No século XVI, o castelo perdeu a sua importância estratégica e foi abandonado, os seus últimos habitantes eram judeus que foram expulsos pelo rei D. Manuel I e o edifício foi completamente abandonado.

Em 1830, o castelo já estava destruído, e D. Fernando II começou a restaurá-lo ao estilo do romantismo medieval. Reforçou as muralhas, plantou árvores, criou recantos bem cuidados e conservou a capela.

Aliás, em 1979, os serviços competentes portugueses iniciaram escavações arqueológicas na Capela de São Pedro, que revelaram a existência de sepulturas medievais datadas do século XIII.

Características do posto avançado

O castelo está dividido em duas partes por muralhas, com um perímetro total de 450 metros. As muralhas do norte seguem uma crista natural, criando uma defesa natural contra os atacantes. As torres, que originalmente tinham dois pisos, têm agora um aspeto modificado, sem muitas das divisões internas ou telhados típicos da época. No entanto, a sua disposição parece coincidir com a estrutura representada nas gravuras de Duarte de Armas.

Em redor do perímetro do castelo, existem várias casamatas e abóbadas que remontam à conquista árabe, muitas delas cobertas de vegetação.

Informações adicionais para os viajantes

Contactos:

Morada: 2710-405 Sintra, Portugal

Telefone: +351 21 923 73 00

Correio eletrónico: info@parquesdesintra.pt

Sítio Web: http://www.parquesdesintra.pt

Redes sociais: https://www.facebook.com/parquesdesintra

Horário de funcionamento:

Castelo: 09:30 - 18:00

Último bilhete e entrada: 17: 30

Taxa de entrada para o castelo:

Bilhete de adulto (dos 18 aos 64 anos) - 12 €.

Bilhete jovem (dos 6 aos 17 anos) - 10 €.

Bilhete para reformados (mais de 65 anos) - 10 €.

Bilhete de família (2 adultos + 2 crianças) - 33 €.

Direcções:

Lisboa>Sintra: Comboio (CP) - Linha de Sintra

Estações de partida:

  • Estação do Oriente
  • Estação do Rossio
  • Estação de Entrecampos

Sintra (estação) > Castelo dos Mouros:

Autocarro nº 434 (Scotturb)

Palácio de Seteais

O Palácio de Seteais é um palácio neoclássico situado em Sintra, na Riviera Portuguesa. Atualmente, o edifício funciona como um hotel de luxo Tivoli Palácio de Seteais, mas a estrutura é um monumento histórico nacional e está incluída na lista da UNESCO da paisagem cultural de Sintra. Toda a arquitetura original foi preservada e é possível passear livremente no território.

Palácio de Seteais, Sintra

Palácio de Seteais

Foto da Internet

História e origem do nome

De acordo com uma versão, o nome provém da tradição portuguesa de gritar "ai" na estrada, onde o eco é repetido até sete vezes. Segundo outra versão, um antigo manuscrito de autor anónimo, conservado na biblioteca de Sintra, refere que a origem da palavra Setais vem da zona de Centeais, onde se cultivava o centeio (port. Centeio).

Assim, o Palácio de Setais foi construído entre 1783 e 1787 para o cônsul holandês Daniel Hildemester, em terrenos cedidos pelo Marquês de Pombal.

Durante o verão, Hildemester alugou durante algum tempo alojamento no palácio do Marquês de Pombal, tendo mais tarde decidido construir a sua própria mansão junto à propriedade do seu amigo, o cônsul britânico Gerard de Wisme, não muito longe do Palácio de Monserrate.

Alguns anos após a morte do cônsul, a sua viúva vendeu o palácio.

Posteriormente, o edifício foi ampliado e transformado num edifício simétrico em forma de U, e a casa do cônsul passou a ser uma das suas alas. Os jardins do palácio foram redesenhados de acordo com as tendências românticas.

Em 1802, em honra da visita do Rei D. João VI de Portugal e da Rainha D. Carlota Joaquina de Espanha ao Palácio de Seteais, foi erguido o requintado Arco do Triunfo, que liga as alas antiga e nova do palácio. O arco monumental, decorado com estátuas de bronze do casal real e uma inscrição comemorativa em latim, é da autoria do arquiteto Francisco Leal Garcia.

Depois de vários proprietários, o palácio foi adquirido pelo governo português em 1946. O Palácio de Seteais é um belo exemplo de arquitetura neoclássica situado no centro histórico de Sintra. Convertido num hotel de luxo desde 1954, oferece conforto e sofisticação, preservando a tradição e mantendo o encanto do século XVIII.

Para mais informações

Contactos:

Morada: Rua Barbosa do Bocage, 8, 2710-517 Sintra, Portugal

Telefone: +351 21 923 3200

Como chegar lá:

O autocarro turístico 434 pára perto do palácio (horários aqui).

Chalet da Condessa d'Edla

A história romântica do chalet da Condessa d'Edla

Elise Friederike Hensler, cantora de ópera e grande amante da arte e da literatura, conquistou o coração de D. Fernando II depois de este ter perdido a sua primeira mulher, a rainha D. Maria II.

O casamento realizou-se depois de D. Fernando ter pedido ao seu primo, o Duque Ernesto II de Saxe-Coburgo-Gotha, um título para a sua futura esposa - Condessa d'Edla. Inicialmente, o casal viveu no Palácio da Pena, que pertencia a D. Fernando II. E como ambos gostavam de botânica, ampliaram significativamente o parque e plantaram inúmeras plantas exóticas de todo o mundo.

E num dos recantos do parque, os amantes decidiram construir um chalet alpino, que a própria Condessa projectou. Tanto o chalet como o jardim que o rodeia são extremamente românticos e privados.

Em 1999, o Chalet da Condessa d'Edla foi danificado por um incêndio e reabriu ao público em 2011, após quatro anos de obras de restauro.

Em 2013, o projeto foi distinguido com o Prémio da União Europeia para o Património Cultural - Europa Nostra, na categoria de Conservação.

Chalet da Condessa d'Edla, Sintra

Chalet da Condessa d'Edla

Foto da Internet

Informações adicionais para os viajantes

Contactos:

Morada: Estrada da Pena, 2610-609 Sintra, Portugal

Telefone: +351 21 923 73 00

Correio eletrónico: info@parquesdesintra.pt

Sítio Web: http://www.parquesdesintra.pt

Redes sociais: https://www.facebook.com/parquesdesintra

Horário de funcionamento:

Seg: 09:00 - 17:30

Último bilhete e entrada: 17:00

A entrada está fechada das 12:00 às 14:00.

Taxa de entrada:

O preço do bilhete está incluído no preço do bilhete para visitar o parque e o Palácio da Pena.

Como chegar:

Lisboa>Sintra: Comboio (CP) - Linha de Sintra.

Estações de partida:

  • Estação do Oriente
  • Estação do Rossio
  • Estação de Entrecampos

Sintra (estação) > Pena (onde se situa o Chalet):

Autocarro nº 434 (Scotturb)

Mosteiro dos Capuchinhos

O Convento de Santa Cruz da Serra de Sintra é um mosteiro franciscano fundado em 1560 por D. Álvaro de Castro, que assim cumpriu o voto de seu pai, D. João de Castro, vice-rei da Índia. O mosteiro é também conhecido como Mosteiro dos Capuchinhos ou Mosteiro da Cortiça, dada a utilização generalizada deste material para isolamento e decoração de interiores.

A história da fundação

Reza a lenda que, enquanto caçava veados na Serra de Sintra, o vice-rei da Índia, D. João de Castro, perdeu-se e adormeceu de cansaço debaixo de uma pedra. Num sonho, teve a visão da necessidade de construir uma igreja cristã neste local.

Já moribundo, em 1548, e antes de poder cumprir o seu voto, confiou este dever ao seu filho. Assim, o mosteiro franciscano foi fundado em 1560 por D. Álvaro de Castro, conselheiro de Estado de Sebastião I de Portugal e administrador da Fazenda.

Na altura da sua existência, viviam apenas oito monges, sendo o mais famoso o monge Honório, que, segundo a lenda, viveu cerca de 100 anos, apesar de ter passado as últimas três décadas da sua vida em penitência numa pequena gruta a pão e água. Durante cerca de 250 anos, o mosteiro permaneceu um local de culto e peregrinação, habitado por monges franciscanos, que eram considerados "homens santos" pela população local.

Em 1834, as ordens monásticas praticamente desapareceram em todo o país, e o Convento de Santa Cruz não foi exceção. Mais tarde, Francis Cook, o primeiro Visconde de Monserrate, comprou o Mosteiro dos Capuchinhos.

O monumento arquitetónico só foi adquirido pelo Estado português em 1949, quando a destruição do mosteiro se tornava cada vez mais notória e difícil de travar.

Desde 2000, o edifício está sob a alçada da Parques de Sintra, Monte da Lua, SA, uma empresa que se preocupa com a preservação do património histórico português.

Em 2013, a empresa iniciou um amplo processo de conservação, restauro e requalificação deste monumento.

Características do Mosteiro de Santa Cruz

"De todos os meus reinos, dou muito valor a dois sítios: O Escorial por ser tão luxuoso e o Mosteiro de Santa Cruz por ser tão pobre...", disse Filipe I de Portugal, ao visitar o mosteiro em 1581.

De facto, o Mosteiro dos Capuchinhos distingue-se pela sua austeridade e modéstia.

O conjunto de edifícios tem uma área relativamente pequena, e várias das suas salas têm portas de cortiça mais baixas do que a altura de uma pessoa, para a encorajar a inclinar-se ou mesmo a entrar de joelhos. O edifício tem um mínimo de elementos decorativos. No antigo refeitório, os franciscanos comiam sentados no chão. Ainda se conserva uma grande laje de pedra que servia de mesa, proposta pelo Cardeal D. Henrique.

O edifício encarna a filosofia e os ideais da Ordem de São Francisco de Assis: a procura da perfeição espiritual através do isolamento do mundo e a rejeição dos prazeres da vida terrena.

Informações adicionais para os viajantes

Contactos:

Endereço: Estrada dos Capuchos / EN 247-3 2705-177 Colares, Portugal

Telefone: +351 21 923 73 00

Correio eletrónico: info@parquesdesintra.pt

Sítio Web: http://www.parquesdesintra.pt

Redes sociais: https://www.facebook.com/parquesdesintra

Horário de funcionamento:

Seg: 09:00 - 17:30

Último bilhete e entrada: 17:00

Taxa de entrada:

Bilhete de adulto (18 a 64 anos) - 11 €.

Bilhete jovem (dos 6 aos 17 anos) - 9 euros.

Bilhete para reformados (mais de 65 anos) - 9 euros.

Bilhete de família (2 adultos + 2 crianças) - 29 €.

Ao comprar um bilhete online - 15% de desconto

Direcções:

Lisboa>Sintra: Comboio (CP) - Linha de Sintra

Estações de partida:

  • Estação do Oriente
  • Estação do Rossio
  • Estação de Entrecampos

Sintra (estação) > Convento dos Capuchos:

Autocarro nº 1253 (Carris Metropolitano)

(a distância do mosteiro a pé é de aproximadamente 40 minutos).

Palácio de Bister

Situada no coração de Sintra, a Casa Biester foi aberta ao público em 2022, após algumas obras de restauro.

Situada na Estrada da Pena, perto da Quinta da Regaleira, em Sintra, esta luxuosa mansão foi projectada pelo arquiteto José Luís Monteiro e é mesmo considerada "uma das suas melhores obras" pela Direção Geral do Património Cultural.

O palácio está rodeado pelo majestoso Parque Bicester, um verdadeiro paraíso de espécies arbóreas raras e exóticas, magistralmente projetado pelo pintor paisagista francês François Nogre. São muitos os espaços verdes e cursos de água, bem como dois excelentes miradouros de onde se avista o Castelo dos Mouros ou se desfruta de uma deslumbrante vista sobre o mar. O parque tem muitas espécies de plantas exóticas, como camélias da China e do Japão, faias verdes e vermelhas da Europa Central, acácias da Austrália e abetos da América do Norte.

Palácio de Bister, Sintra

Palácio de Bister

Foto da Internet

Informações adicionais para os viajantes

Contactos:

Endereço: Av. Almeida Garrett, 1A. Almeida Garrett, 1A

2710-567 Sintra

Telefone: +351 21 870 88 00

Correio eletrónico: info@biester.pt

Website: www.biester.pt

Horário de funcionamento:

De abril a setembro: das 10:00 às 20:00

De outubro a março: das 10:00 às 18:30

Encerrado a 1 de janeiro e a 25 de dezembro.

Taxa de entrada no Palácio:

Crianças (até aos 5 anos) - grátis

Jovens (6-17 anos) - 7 euros.

Adultos (18-65 anos) - 12 euros.

Bilhete para reformados (66-79 anos) - 7 euros.

Bilhete para reformados (+ 80 anos) - gratuito

Bilhete de família (máx. 5 pessoas) - 32 euros.

Passe anual - 40 euros.

Guia/imprensa - gratuito

Palácio Nacional de Queluz

O Palácio Nacional de Queluz é um palácio de verão e um complexo de parques em estilo rococó, uma antiga residência de campo dos reis portugueses. Está localizado na cidade de Queluz, concelho de Sintra, a cerca de 10 km da atual Lisboa.

O Palácio Nacional de Queluz fascina pela sua grandeza e riqueza de pormenores arquitectónicos. Estreitamente associado a três gerações de reis portugueses, o palácio reflecte a evolução dos gostos e estilos da época, incluindo o barroco, o rococó e o neoclassicismo. Está aberto ao público desde 1940.

História do Palácio Nacional de Queluz

A história do palácio remonta a 1747, quando o príncipe português D. João I ordenou a construção de uma residência para si e para a sua mulher, a princesa D. Maria. No início da construção, o arquiteto português Mateus Vicente de Oliveira foi o responsável. Em 1755, devido ao terrível terramoto de Lisboa, todos os trabalhos em Kelusha foram suspensos. Quando a construção foi retomada em 1758, o francês Jean-Baptiste Robillon, que trabalhava em Portugal desde 1749, tornou-se o diretor do projeto.

"A Escadaria do Leão", um belo exemplo do estilo, foi concluída em 1779. O pintor do Rei, Jean-Baptiste Pilman, participou na decoração da Sala do Trono, da Sala da Música e da Sala dos Embaixadores.

De um modo geral, o palácio foi residência dos reis portugueses e palco de grandes acontecimentos da corte durante os séculos XVIII e XIX. Foi palco de reuniões, bailes e espectáculos que reflectiam o luxo e a riqueza da corte real portuguesa.

O conjunto queluziano na atualidade

Hoje, o Palácio e Jardins de Queluz é um edifício majestoso com uma rica coleção de arte, mobiliário e elementos decorativos. Ainda hoje, um dos pavilhões do palácio é utilizado para alojar chefes de governo estrangeiros que efectuam visitas de Estado a Portugal.

O enorme parque inclui um jardim japonês, numerosas fontes, ruelas e canteiros de flores.

O jardim tem estátuas trazidas pelo rei de Itália e de Inglaterra. Em frente à entrada principal encontra-se a Fonte Grande. No centro da sua composição escultórica encontra-se Neptuno.

O Palácio e os Jardins Nacionais de Kelush são Património Mundial da UNESCO e são considerados uma das mais famosas atracções turísticas do país.

Informações adicionais para os viajantes

Contactos:

Endereço: Largo Palácio de Queluz, 2745-191 Queluz, Portugal

Telefone: +351 21 923 73 00

Correio eletrónico: info@parquesdesintra.pt

Sítio Web: http://www.parquesdesintra.pt

Horário de funcionamento:

Seg: 09:00 -18:00

Último bilhete: 17.30

Parque: 09:30 - 18:30

Último bilhete: 17:30

Taxa de entrada no Palácio:

Bilhete de adulto (dos 18 aos 64 anos) - 13 euros

Bilhete jovem (dos 6 aos 17 anos) - 10 €.

Bilhete para reformados (mais de 65 anos) - 10 €.

Bilhete de família (2 adultos + 2 crianças) - 35 €.

Ao comprar um bilhete online - 15% de desconto

*Entrada gratuita no parque

Direcções:

Lisboa>Celousse

De autocarro (Carris Metropolitano)

  • Autocarro 1717: Lisboa (Colégio Militar, metro) - Tercena via Amadora Este (metro). Paragem - Queluz (4 Caminhos), a cerca de 15 minutos a pé do palácio;

De comboio (CP) - Linha de Sintra

Saída nas estações de Queluz-Belas ou Monte Abraão, a distância do palácio é de aproximadamente 1 quilómetro.

Estações de partida:

  • Estação do Oriente
  • Estação do Rossio
  • Estação de Entrecampos

Sintra > Queluz

De comboio (CP) - linha de Sintra, saída nas estações de Monte Abraão ou Queluz-Belas (distância do palácio é de cerca de 1 quilómetro)

Amadora > Queluz Belas

De autocarro (Carris Metropolitano)

  • Autocarro nº 1513: Amadora (hospital) via Queluz. Paragem - Queluz (Palácio)
  • Autocarro nº 1601: Amadora Este (metro) via Carcavelos (praia). Paragem - Queluz (4 Caminhos), a cerca de 15 minutos a pé do Palácio

Oeiras>Queluz

De autocarro (Carris Metropolitano)

  • Apanhar o autocarro nº 1530: Oeiras (Estação do Norte). Paragem - Queluz (4 Caminhos), a pé do palácio cerca de 15 minutos

Carcavelos > Queluz

De autocarro (Carris Metropolitano)

  • Autocarro nº 1602: Carcavelhos (Praia). Paragem - Queluz (4 Caminhos), a cerca de 15 minutos a pé do Palácio

O Cabo da Roca é o guardião do Oceano Atlântico

O Cabo da Roca é um rochedo que marca o ponto mais ocidental da Europa continental. A altura do rochedo atinge 140 metros acima do Oceano Atlântico. As coordenadas do cabo, 38°47' de latitude norte e 9°30' de longitude oeste, estão gravadas numa estela de pedra no Cabo da Roca.

Na antiguidade, era designado pelos romanos como Promontorium Magnum e, mais tarde, durante a época dos Descobrimentos, era conhecido como Cabo de Lisboa.

O cabo está situado no Parque Nacional de Sintra Cascais e fica a cerca de 40 quilómetros a oeste de Lisboa.

Farol do Cabo da Roca

O cabo alberga um farol, que é considerado um dos mais antigos da Europa e serve para orientar os navios. Faz parte de um grupo de seis faróis que foram mandados construir de acordo com o Estatuto Pombalino em 1758. O farol começou a funcionar em 1772 e é atualmente o segundo mais antigo da costa portuguesa.

Junto ao farol encontra-se uma cruz com uma homenagem a Luís de Camões com os dizeres: "Aqui, quase ao cimo da cabeça, de toda a Europa, está o reino da Lusitânia, onde a terra acaba e o mar começa, e onde Phoebus desce ao Oceano." (Os Lusíadas, Canto III, Luís de Camões).

Existe também um centro de informação onde os visitantes podem aprender mais sobre a história do local e o seu significado, bem como uma estação de correios, um restaurante e uma loja de recordações onde se pode comprar um certificado de visita ao Cabo da Roca.

O Cabo da Roca atrai também os amantes da natureza, pois a região é rica em biodiversidade. Aqui pode encontrar espécies raras de plantas e animais que se adaptaram com sucesso às condições rochosas.

Como chegar:

Lisboa>Sintra

Estações de partida:

  • Estação do Oriente
  • Estação do Rossio
  • Estação de Entrecampos

Sintra (estação) > Cabo da Roca:

Autocarro nº 1253 (Carris Metropolitano)

Cascais(terminal) > Portelf de Sintra(via Azóia e Almoçageme)

Autocarro nº 1624 (Carris Metropolitano)

Azenhas do Mar

Azenhas do Mar é uma encantadora vila costeira situada na costa atlântica, no concelho de Sintra, em Portugal. É conhecida pelas suas vistas inigualáveis, arquitetura tradicional e praia atraente.

A principal atração das Azenhas do Mar é a sua localização na costa rochosa, com vista para o oceano. A aldeia impressiona pela sua pitoresca e inesquecível vista panorâmica sobre o mar. Aqui pode desfrutar de vistas deslumbrantes, ricas em pores-do-sol carmesim e águas azuis profundas do oceano.

A arquitetura tradicional das Azenhas do Mar é também digna de atenção. Os edifícios têm paredes brancas que contrastam com os telhados azuis, e as ruas estreitas contribuem para o ambiente, onde se pode caminhar lentamente e apreciar a cor deste lugar pitoresco.

Para além disso, as Azenhas do Mar oferecem uma praia confortável que atrai os turistas. A praia tem uma lagoa de areia rodeada de rochas, o que a torna um local ideal para relaxar e praticar desportos aquáticos.

Existem vários restaurantes nas Azenhas do Mar onde se pode saborear marisco fresco e outros pratos portugueses.

Uma visita às Azenhas do Mar permitir-lhe-á desfrutar da natureza, da cultura e da tranquilidade que esta bela região de Portugal oferece.

Azenhas do Mar, Sintra

Azenhas do Mar

Foto da Internet

Transportes

Como chegar a Sintra

Chegar a Sintra é muito fácil e pode ser feito de várias formas: comboio, carro, táxi. A viagem demora cerca de 40 minutos.

De comboio

A estação de Sintra pode ser alcançada de comboio, utilizando os serviços da CP - Caminhos de Ferro Portugueses, que partem de várias estações em Lisboa, de 15 em 15 minutos: Santa Apolónia, Oriente, Campolide e Rossio.

De autocarro

Os transportes públicos circulam regularmente de Lisboa para Sintra: autocarros Scotturb. O escritório da Scotturb situa-se em frente à estação e está aberto das 9:00 às 20:00, com uma pausa para almoço das 13:00 às 14:00.

Elétrico

O percurso histórico de 14 km do elétrico parte da Praia das Maçãs, a estância balnear mais ocidental da Europa, e termina a cerca de um quilómetro do centro de Sintra, na Ribeira de Sintra, situada junto ao Palácio Real.

A linha é servida por eléctricos restaurados que foram fabricados no início do século XX pela Sintra Tram (tel: +351 219238500).

Os eléctricos circulam de hora a hora e a duração da viagem é de 45 minutos.

Táxis

Os táxis podem levá-lo a qualquer lugar em Sintra, mas são o meio de transporte mais caro. Uma tarifa de táxi de Lisboa para Sintra começa a partir de 40 EUR.

Aeroporto mais próximo

O aeroporto mais próximo de Sintra é o Aeroporto da Portela, em Lisboa, que se situa a cerca de 30 quilómetros a leste de Sintra. É o maior aeroporto internacional de Portugal e serve de ponto de entrada para muitos voos internacionais e domésticos.

Existem várias formas de chegar a Sintra a partir do Aeroporto de Lisboa:

  • pode utilizar os táxis, que proporcionam uma transferência conveniente diretamente para Sintra. O tempo de viagem depende das condições da estrada, mas normalmente demora cerca de 30-40 minutos;
  • existem linhas de autocarro directas do aeroporto para a Estação do Rossio ou para estações de metro onde pode apanhar um comboio para Sintra;
  • aluguer de automóveis. O aeroporto tem uma série de empresas internacionais de aluguer de automóveis onde pode rapidamente arranjar um aluguer.

Encontre voos no Skyscanner.

Para bilhetes de comboio na Europa, utilize a Trainline.

Transportes nacionais

A principal praça de táxis encontra-se na estação de comboios ou em frente à estação de correios de Sintra-Vila. Quanto aos automóveis, há muitos na cidade aos fins-de-semana e feriados, pelo que o verdadeiro problema é encontrar um lugar de estacionamento. Todos os lugares de estacionamento no centro da cidade estão ocupados, pelo que a única saída é encontrar um lugar de estacionamento mais afastado do centro da cidade e depois ir a pé até ao centro da cidade.

Linhas de autocarro

Existem duas carreiras de autocarros turísticos na própria cidade: 434 Circuito da Pena e 435 Villa Express 4 Palácios. São circulares, passando por todas as principais atracções, tendo como ponto de partida e chegada a estação ferroviária de Sintra.

Consulte aqui os horários e o seu funcionamento e paragens.

Aluguer de bicicletas

O aluguer de bicicletas é uma opção segura de transporte. Pode recorrer a este serviço contactando o Caminho do Castelo através do endereço: Rua Consiglieri Pedroso, 15. Horário de funcionamento: 10:00-19:00.

Alojamento

Hotéis de luxo em Sintra

Sintra é uma famosa cidade turística que atrai viajantes de todo o mundo. A combinação da atração turística da cidade, a popularidade como uma estância moderna e moderna com um passado histórico significativo, bem como o crescimento do sector do turismo e a concorrência, leva à presença de um grande número de hotéis na região. Isto dá aos visitantes a oportunidade de escolher o alojamento que melhor se adapta às suas necessidades, para todos os gostos e orçamentos.

Em média, os hotéis de três estrelas em Sintra custam a partir de 1000 euros por noite e os hotéis de quatro estrelas a partir de 1300 euros por noite. Se está à procura de algo especial, um hotel de cinco estrelas em vscns pode ser encontrado por uma média de 2000 EUR por noite (com base nos preços do Booking.com). Aqui estão alguns hotéis populares em Sintra:

Arribas Sintra Hotel

Endereço: Av. Alfredo Coelho, 28, 2705-329 Sintra, Portugal.

O hotel mais ocidental da Europa está localizado na vasta costa de Sintra, mesmo na Praia Grande. Fica a 15 minutos de carro do centro histórico, a 40 minutos do Aeroporto de Lisboa e existem sete campos de golfe num raio de 18 quilómetros.

Após um restyling em 2023, o hotel oferece 60 quartos, cada um com uma varanda privada com vista para o Oceano Atlântico, bem como uma piscina de 100 metros, uma das maiores piscinas de água salgada da Europa.

Os hóspedes podem desfrutar das suas refeições no restaurante Arribas Terrace, sob a direção do Chef David Kercher. Para aqueles que procuram um snack ligeiro ou apenas querem apreciar as vistas com uma bebida, existe uma óptima alternativa - o Café Arribas. Cinco salas de reuniões, todas com luz natural, estão disponíveis para reuniões e eventos, acomodando até 180 pessoas. O hotel também providencia estacionamento e estações de carregamento para veículos eléctricos.

O hotel tem uma pontuação de reserva de 9,4.

Sintra Boutique Hotel

Endereço: Rua Visconde De Monserrate nº48, 2710-591 Sintra, Portugal.

Este popular boutique hotel está localizado no centro da histórica cidade de Sintra. Dispõe de quartos e suites com vistas para a Cidade Velha e para o Parque Natural Sintra Cascais. Tem um jardim paisagístico onde os hóspedes podem relaxar no bar do pátio.

Os modernos e espaçosos quartos estão equipados com televisões de ecrã plano e foram concebidos individualmente. Cada quarto tem uma casa de banho privativa com produtos de higiene pessoal gratuitos. Também está disponível acesso Wi-Fi gratuito.

O Sintra Boutique Hotel dispõe de um restaurante premium que serve cozinha portuguesa moderna com ingredientes locais. O pequeno-almoço está disponível por um custo adicional.

O concierge pode organizar visitas guiadas privadas para os hóspedes, incluindo excursões a palácios, museus e passeios em locais naturais. O Parque Natural de Sintra fica a 5 minutos de carro e a Praia Grande a 20 minutos de carro.

A Estação Ferroviária de Sintra fica a 10 minutos a pé. O Aeroporto Internacional de Lisboa fica a 25 minutos de carro.

A pontuação de booking é elevada, com 9,1 pontos. Avaliação dos hóspedes para excelente localização: 9,7 pontos.

Hotel Nova Sintra

Endereço: Largo Afonso De Albuquerque N.º 25, 2710-519 Sintra, Portugal.

O Hotel Nova Sintra dispõe de um amplo terraço para banhos de sol com vistas para a Serra de Sintra e de um pátio romântico à sombra de árvores altas.

Os quartos do Nova Sintra foram recentemente renovados. Estão decorados num estilo original, com mobiliário antigo e camas com dosséis decorativos, e incluem uma televisão com canais por satélite. Está disponível acesso Wi-Fi gratuito.

Os quartos oferecem vistas para a montanha.

O pequeno-almoço é servido no pátio ou no terraço para banhos de sol. A propriedade também tem uma pequena sala de estar que funciona como um átrio e um restaurante que serve pratos tradicionais portugueses.

A villa fica a 1 km do centro histórico da cidade e a 5 km do Palácio da Pena. Lisboa fica a 30 minutos de carro. O aluguer de automóveis está disponível na propriedade.

Esta localização é particularmente popular entre os casais, que a classificaram com 9,6 para uma viagem em conjunto. A pontuação de booking é de 9,3.

Storytellers Villas

Endereço: Rua do Marquês de Viana nº 25 S. Pedro de Sintra, 2710-516 Sintra, Portugal.

O Storytellers Villas está localizado no coração de Sintra, a 2 km do Complexo do Palácio e Parque da Quinta da Regaleira e a 1,4 km do Palácio Nacional de Sintra. Dispõe de comodidades para churrascos. O Castelo dos Mouros fica a cerca de 1 km e o Palácio Nacional da Pena a 1,7 km. O Castelo e Jardim dos Condes de Edlé fica a 6 km da propriedade, enquanto o Palácio de Monserrate está a 7 km.

Os quartos do Storytellers Villas têm uma casa de banho privativa.

Todas as manhãs é servido um pequeno-almoço continental.

A classificação dos hóspedes para a excelente localização na booking é de 9,3 pontos.

Vila Gale Sintra

Endereço: Rua da Fonte da Granja, 2710-635 Sintra, Portugal.

O Vila Galé Sintra é um hotel de cinco estrelas localizado na Várzea de Sintra, apenas a uma curta distância de carro do centro da cidade de Sintra. Oferece um conceito inovador de tratamento de bem-estar concebido para famílias e para aqueles que procuram melhorar a sua saúde.

Os quartos e suites do Vila Galé Sintra estão cuidadosamente decorados para proporcionar o máximo conforto. Todos os quartos estão equipados com ar condicionado, mini-bar, cofre, televisão de ecrã plano por cabo, acesso Wi-Fi gratuito e uma casa de banho com chuveiro, secador de cabelo e produtos de higiene pessoal gratuitos.

Ambos os restaurantes do Vila Galé Sintra servem refeições gourmet ligeiras a partir de um menu ou de opções de buffet de baixas calorias. Também estão disponíveis opções de refeições saudáveis e equilibradas.

O Spa Satsanga dispõe de uma piscina interior panorâmica aquecida, sauna, banheira de hidromassagem, banho turco, ginásio, área de fitness e uma variedade de tratamentos e rituais.

Outras comodidades incluem um salão de beleza, serviço de lavandaria, garagem, piscinas exteriores para adultos e crianças, biblioteca, carrossel para crianças, clube infantil NEP com trampolim, receção 24 horas, seis salas de conferências e um espaçoso salão de eventos.

O Vila Galé Sintra fica a 33 km do Aeroporto Internacional de Lisboa e a 25 minutos de carro de praias como a Praia das Masas, Adraga e Agenças do Mar. Atracções como a Quinta da Regaleira, o Palácio da Pena e o Castelo dos Mouros estão a 10 km.

Esta localização especial é popular entre os casais, que a classificaram com 8,3 para uma viagem em conjunto. A pontuação para booking é de 8,4.

Hotel Sintra Jardim

Endereço: Largo Sousa Brandão 1, 2710 - 506 Sintra, Portugal.

Este hotel ocupa uma residência com 150 anos, no meio de um jardim com uma piscina, e está localizado no coração de Sintra. Oferece vistas para o Castelo dos Mouros de Sintra. Todos os quartos apresentam uma decoração simples. Alguns quartos têm uma casa de banho exclusiva com azulejos coloridos.

Com cores suaves e pisos de madeira, os quartos do Sintra Jardim estão equipados com uma secretária e televisão por satélite. Alguns quartos têm um balcão francês, enquanto outros oferecem vistas para o exuberante jardim.

O pequeno-almoço é servido todas as manhãs na sala de jantar com janelas de estilo chalé. Uma variedade de bares e restaurantes pode ser encontrada no centro de Sintra, a 10 minutos a pé.

Os hóspedes podem relaxar e ler um livro no jardim tranquilo com piscina. Para os hóspedes mais jovens, há ténis de mesa e um pequeno parque infantil.

O Sintra Jardim dispõe de estacionamento privado no local. Também estão disponíveis serviços de lavandaria e de engomadoria.

Classificação dos hóspedes para a excelente localização: 9,2. A pontuação da booking é de 8,9.

Opções de alojamento económico

Happy Holiday Sintra

Endereço: R. Dr. Alfredo da Costa n 7, 2710-524 Sintra, Portugal

Localizado em Sintra, a 8 minutos a pé do Palácio Nacional, o Happy Holiday Sintra disponibiliza acomodações anti-alérgicas, um jardim, acesso Wi-Fi gratuito em toda a propriedade e comodidades para churrascos. A propriedade fica a minutos de outros locais históricos. No Happy Holiday Sintra, todos os quartos estão equipados com uma secretária, uma televisão de ecrã plano, roupa de cama e toalhas.

Os funcionários da receção são bilingues em inglês e português e podem fornecer aos hóspedes conselhos práticos sobre a área.

Este local é especialmente popular entre os casais - eles classificaram-no com 9,8 para uma viagem em conjunto, de acordo com a booking.

Casa Azul Hostel

Endereço: Rua Capitão Mário Alberto Soares Pimentel, nº 5, 2710-589 Sintra, Portugal

O Casa Azul Hostel fica a 17 minutos a pé do Palácio de Sintra e a 3,8 km do Parque da Quinta da Regaleira.

Dispõe de quartos familiares e dormitórios. Existe uma cozinha partilhada, um salão partilhado e um local para armazenar bagagens. Os quartos do Casa Azul Hostel incluem uma casa de banho partilhada com um chuveiro e um secador de cabelo, bem como roupa de cama e toalhas separadas. Estão disponíveis acesso Wi-Fi e estacionamento gratuitos.

Os funcionários da receção falam diferentes línguas (inglês, espanhol, francês e italiano) e terão todo o gosto em fornecer aos hóspedes quaisquer conselhos que necessitem.

O aeroporto mais próximo é o Aeroporto de Lisboa, a 29 km. Está disponível um serviço de transporte para o aeroporto, mediante pagamento.

Classificação na booking para a excelente localização: 9,5 pontos.

Sintra Small Hostel

Endereço: Rua Dr. Leão De Oliveira, 16, 2710-490 Sintra, Portugal -

O Sintra Small Hostel está localizado a 1,2 km do centro histórico e pitoresco de Sintra. Este hostel temático apresenta exposições permanentes sobre artigos domésticos tradicionais portugueses e fica a 5 minutos de carro do Castelo dos Mouros. O Sintra Small Hostel está alojado num edifício do século XIX que foi renovado, mas mantém muitas das suas características originais.

A casa de hóspedes tem 4 quartos, alguns com vista para a montanha.

O Sintra Small Hostel tem vários restaurantes num raio de 50 metros. A maioria deles é especializada em pratos tradicionais portugueses. Há uma variedade de lojas e cafés tradicionais nas proximidades.

O famoso Palácio Nacional da Pena fica a 4 minutos de carro do alojamento. O Aeroporto Internacional de Lisboa fica a 23 minutos de carro.

A propriedade recebeu notas altas de hóspedes recentes no Booking pela sua excelente localização: 8,3 pontos.

Oasis Backpackers Hostel Sintra Surf

Endereço: Avenida do Atlântico S/N Antiga Colónia de Ferias da CP, 2705-288 Sintra, Portugal.

O Oasis Backpackers Sintra Surf Hostel and Glamping está localizado numa antiga casa de férias para trabalhadores ferroviários portugueses. Dispõe de uma cozinha partilhada, de um salão, de um parque infantil, de redes de descanso para relaxar e de um campo de voleibol.

Existe um supermercado, um bar de cocktails, um bar de degustação, uma casa de panquecas, uma gelataria e uma cervejaria artesanal no local.

Os hóspedes podem alugar bicicletas e pranchas de surf. São organizadas aulas diárias de surf e de ioga, bem como sessões de massagens para os turistas.

Este local é especialmente popular entre os casais - eles classificaram-no com 8,6 para uma viagem em conjunto, de acordo com a booking.

WOT Sintra Sarrazola

Endereço: Avenida Doutor Brandão de Vasconcelos, 2705-182 Sintra, Portugal

O WOT Sintra Sarrazola está localizado a 11 km do Palácio Nacional de Sintra. Dispõe de um jardim, de estacionamento privado gratuito, de um salão partilhado e de um terraço. O acesso Wi-Fi gratuito está disponível em toda a propriedade. O Palácio da Pena pode ser visitado a uma distância de 13 km.

O WOT Sintra Sarrazola dispõe de quartos com uma casa de banho privativa, que está equipada com um chuveiro ou banheira com produtos de higiene pessoal gratuitos. Os quartos estão equipados com uma televisão de ecrã plano e ar condicionado, e alguns quartos têm uma varanda. No WOT Sintra Sarrazola, cada quarto está equipado com roupa de cama e toalhas.

O WOT Sintra Sarrazola fica a 14 km do Castelo dos Mouros.

A propriedade recebeu 8,2 pontos no Booking pela sua excelente localização.

Assim, o custo médio de alojamento em Sintra é de 100-108 €.

Tipo de alojamento

Preço médio

O custo de um hotel de duas estrelas é de aprox:

66 €

O custo de um hotel de três estrelas é de aprox:

68€

O custo num hotel de quatro estrelas é de aprox:

110€

O custo num hotel de cinco estrelas é de aprox:

125€

Locais para comer em Sintra: o que e onde comer

A cozinha nacional de Portugal tem um sabor rico e variado, e isso também se aplica à cidade de Sintra, onde, juntamente com paisagens pitorescas e belas vistas, existem muitos restaurantes que oferecem deliciosos pratos nacionais.

Cozinha nacional

Para sentir o sabor da cozinha local, os turistas devem experimentar o Bacalhau, um dos pratos mais populares da cozinha portuguesa. Há muitas receitas para cozinhar este prato, mas uma das mais populares é o Bacalhau com Batatas. O bacalhau também é cozinhado com azeite, cebola, batata-doce, pimentos e qualquer outro ingrediente. Diz-se que em Portugal há uma receita de bacalhau para cada dia do ano.

O Cozido à Portuguesa é um prato tradicional português que consiste numa mistura de carne (normalmente porco, galinha e chouriço) e legumes cozinhados num caldo. Este é um ótimo exemplo da cozinha tradicional portuguesa que pode ser encontrado nos restaurantes de Sintra.

O que fazer sem a famosa sobremesa portuguesa Pastel de Nata: pequenos bolos recheados com creme à base de natas, ovos e açúcar. São normalmente servidos com uma pitada de canela e açúcar em pó. Esta sobremesa é um verdadeiro orgulho nacional de Portugal.

Estes pratos representam apenas algumas das muitas iguarias que podem ser encontradas nos restaurantes e outros estabelecimentos de restauração em Sintra, bem como desfrutar dos deliciosos vinhos e cervejas locais.

Os preços nos estabelecimentos de restauração de Sintra podem variar consoante o tipo de estabelecimento.

Tipo de restaurante

Preço médio

Refeição num restaurante económico, café, cafetaria para uma pessoa

15-20 €

Refeição para duas pessoas num restaurante da categoria de preço médio

a partir de 50 euros e mais

McMeal no McDonald (ou fast food semelhante para uma pessoa)

10-12 €

Se gosta de cozinha italiana, o almoço num restaurante italiano em Sintra vai custar-lhe 12-20 €. O almoço numa pizzaria em Sintra custa dinheiro: 17-20 €. O almoço num restaurante mediterrânico custa: 25-35 €. A cozinha mexicana tem muitos fãs. O almoço num restaurante mexicano custa 15-20 €.

Os cinco melhores restaurantes populares em Sintra

Se estiver a viajar em Portugal e visitar Sintra, visite os restaurantes, cafés, pubs e cafés locais para provar o sabor gastronómico nacional. Oferecemos alguns restaurantes populares, cafés em Sintra.

Tira Tapas

Este restaurante serve cozinha mediterrânica e portuguesa. Em particular, pode pedir deliciosas tapas, abalone e migas, regadas com sangria. Muitos visitantes gostam de sobremesas: bolo de coco, cheesecake ou bolo de chocolate para o café. A localização conveniente do Tira Tapas torna-o fácil de chegar por qualquer meio de transporte.

Morada: Calçada S. Pedro 28, São Pedro de Sintra, Sintra, Portugal

Tel: +351 910 219 864

Incomum

Este restaurante está situado perto da Câmara Municipal de Sintra. O Incomum oferece uma cozinha mista: vieiras grelhadas, risoto com molho de cogumelos selvagens e sopa de cogumelos. As sobremesas mais populares são o parfait delicado, o tiramisu suculento e o pudim arejado. Entre as bebidas, o vinho do Porto, o vinho da casa e a cerveja são populares.

Morada: R. Dr. Alfredo da Costa 22, Sintra, Portugal

Tel: +351 910 219 864

Sítio Web: www.incomumbyluissantos.pt

Cantinho de São Pedro

Aqui pode pedir cozinha portuguesa, e muitos clientes do restaurante recomendam experimentar o delicioso diabo do mar, as bochechas de porco e o entrecosto. O Cantinho de S. Pedro também serve sobremesas deliciosas: profiteroles delicados, panquecas doces e cupcakes arejados. Experimente a sangria, o delicioso licor ou o café aromático.

Morada: Praça Dom Fernando II 18, Sintra, Portugal

Tel: +351 967 033 520

Tascantiga

Um restaurante acolhedor onde pode saborear pratos tradicionais portugueses, como o bacalhau com puré de batata ou a cabrita com couve. O restaurante é famoso pelo seu ambiente autêntico e pela sua comida deliciosa.

Endereço: Escadinhas da Fonte da Pipa 2, Sintra, Portugal

Tel: +351 21 924 3242

Bacalhau na Vila

Os clientes habituais referem que o restaurante serve uma deliciosa sopa de cogumelos, pastilhas e tapas com peixe. Entre as sobremesas, são populares os apetitosos donuts, o bolo de chocolate e a tarte de amêndoa. Aqui pode saborear uma boa sangria branca, vinho da casa ou vinho branco. Os visitantes também notam que os preços do Bacalhau na Vila são bastante acessíveis, bem como o seu interior agradável e ambiente acolhedor. A localização conveniente do restaurante faz com que seja fácil chegar até ele através de qualquer meio de transporte.

Endereço: Arco do Terreirinho 3, Sintra, Lisboa, Portugal

Tel: +351 21 924 3326

Estas são apenas algumas recomendações, mas existem muitos outros sítios excelentes para comer em Sintra. Também é recomendável visitar os cafés e padarias locais para experimentar as sobremesas e doces locais.

Lazer

Sintra é tão versátil que tem algo para todos, independentemente dos interesses e preferências do viajante.

Turismo cultural

Sintra é conhecida por um grande número de atracções que sobreviveram até aos dias de hoje e que pertencem ao Património Mundial da UNESCO. Uma visita obrigatória para os viajantes são as excursões ao Palácio da Pena, que é uma das estruturas arquitectónicas mais famosas e reconhecidas em Portugal; o Palácio Nacional de Sintra, localizado no coração da cidade e um dos exemplos mais importantes da arquitetura mourisca em Portugal; Palácio Nacional de Queluz, que é um exemplo da luxuosa arquitetura barroca; Quinta da Regaleira, que é uma combinação única de estilos gótico, românico, renascentista e mourisco, entre outros. Uma visita a estes locais permite-lhe ver uma arquitetura única, apreciar a cultura e mergulhar na rica história de Sintra e de Portugal como um todo.

Fim de semana romântico

Se estiver de visita a Sintra por um ou dois dias e estiver à procura de romance, tente organizar um passeio de carruagem puxada por cavalos, que faz lembrar os velhos tempos dos aristocratas portugueses.

Praias

Sintra tem muitos locais para pequenas excursões e relaxamento. Aqui pode visitar várias praias, como a das Maças, a Praia Grande e a Praia da Adraga, ou ir até ao Cabo da Roca, que é o ponto mais ocidental da Europa continental.

Gastro-turismo

Existem muitos restaurantes e cafés em Sintra onde se pode saborear a cozinha tradicional portuguesa, pratos de peixe e marisco, doces locais como folhados e queijadas. Vale a pena visitar a região vinícola de Colares ou a pitoresca aldeia das Azenhas do Mar, à beira da falésia.

Lazer ativo

Sintra oferece actividades ao ar livre, como golfe, equitação e ciclismo. Em Sintra, pode desfrutar de actividades ao ar livre num ambiente natural.

É garantido que se vai divertir e viver novas experiências!

Eventos culturais em Sintra

Sintra é palco de uma variedade de festivais e eventos ao longo do ano. Aqui ficam alguns deles:

Festival de Sintra

Este festival de música realiza-se todos os anos em julho e agosto. Oferece uma grande variedade de concertos de música clássica, ópera e outros géneros. Os espectáculos têm lugar em locais de destaque, como o Palácio da Pena, o Palácio dos Mouros e outros edifícios históricos.

A data do festival deste ano está a ser confirmada.

Sítio Web: http://www.festivaldesintra.pt

Redes sociais: https://www.facebook.com/festivaldesintra

Sintra Edu Green STEAM

A Câmara Municipal de Sintra vai acolher a segunda edição do Sintra Edu Green STEAM, que terá lugar no Centro Lúdico de Massamá e no Real Sport Clube de Massamá, no dia 25 de maio de 2024.

Este evento reunirá equipas de alunos do ensino profissional das escolas secundárias do concelho de Sintra e equipas de alunos do ensino básico para demonstração de invenções tecnológicas e corridas de carros movidos a energia solar.

O objetivo deste projeto é sensibilizar para a educação ambiental e para o desenvolvimento sustentável, realçar a importância das fontes de energia alternativas e sustentáveis e proporcionar actividades pedagógicas inovadoras.

Este projeto, que é apoiado pela Câmara Municipal de Sintra em colaboração com os Agrupamentos de Escolas do Concelho de Sintra, conta com o apoio do Agrupamento de Escolas Professor Agostinho da Silva, Real Sport Clube de Massamá, Centro de Formação Novafoco e SMAS de Sintra.

Detalhes no site: Cm-sintra.pt

Também popular é o Festival das Artes de Sintra, que se realiza durante o verão e atrai tanto o talento local como artistas conhecidos de todo o mundo. O Festival de Música de Câmara de Sintra é também um evento bem conhecido no final do verão. Músicos e agrupamentos famosos participam neste evento, interpretando obras-primas da música clássica.

O Festival de Jazz de Sintra reúne os amantes da música jazz durante alguns dias em setembro. Oferece actuações de músicos de jazz conhecidos e jovens talentosos, mostrando diferentes estilos e improvisações.

Dicas para viajantes

O que precisa de saber sobre os cafés em Portugal:

Os restaurantes estão abertos para almoço das 12h00 às 13h00 e para jantar das 19h00 às 22h00. É claro que os restaurantes turísticos estão abertos 24 horas por dia, 7 dias por semana, mas se quiser sabores e gastronomia locais, tenha em atenção os horários.

Os cafés e restaurantes locais são pequenos e poderá ter de fazer fila para entrar. Por isso, é melhor reservar com antecedência ou chegar cedo.

Os aperitivos que são servidos antes das refeições estão incluídos na fatura. Todas as queijadas, pãezinhos com manteiga deliciosa, patés não são um elogio gratuito do chefe, mas algo para o qual terá de acrescentar mais alguns euros à sua refeição.

Melhor altura para visitar Sintra

A melhor altura para ir a Sintra é a primavera (abril e maio). No verão, é muito concorrido e os preços são elevados. O outono (setembro e outubro) também é uma boa altura. O fluxo de turistas já está a diminuir e o tempo ainda é propício a longos passeios ao ar livre.

A proximidade do oceano e a proteção proporcionada pelas serras fazem com que Sintra tenha um clima fresco e ligeiramente húmido, mesmo no pico do verão. Mas os Invernos são húmidos, chuvosos e ventosos. Não é aconselhável vir nesta altura do ano. As únicas vantagens durante este período são os preços baixos dos quartos de hotel e as excursões aos museus.