Equipas

Street food Portugal

by  Olivia Sousa

UPD:
Conteúdo
Street food Portugal

Street food Portugal

A origem da comida de rua

A comida de rua há muito que é popular em todos os países do mundo como parte integrante da vida das grandes cidades. Os primeiros vendedores de comida de rua ofereciam peixe frito, pães cozidos, doces, bebidas, etc. na Grécia antiga, em Roma, nos países de Leste e, mais tarde, na Europa e na América. Atualmente, a comida de rua é o sector que prepara e serve alimentos e bebidas prontos a consumir em locais públicos, na rua, e os alimentos oferecidos são consumidos imediatamente.

Nos tempos antigos

Por exemplo, o peixe frito era uma comida de rua popular na Grécia antiga durante muito tempo, até que Teofrasto (sucessor de Aristóteles) proibiu o seu comércio. Há também provas de um grande número de vendedores de comida de rua descobertos durante as escavações da Pompeia, destruída pelo vulcão.

Na Roma Antiga, a comida de rua era também muito popular entre os pobres, cujas casas não tinham fogões ou lareiras. Nessa altura, a sopa de grão-de-bico era o prato mais comum e era vendida com pão e pasta de grão-de-bico.

Na China antiga, onde a comida de rua era normalmente reservada aos pobres, os cidadãos mais ricos não a desprezavam, enviando criados para a comprarem e levarem para casa à pressa.

A comida de rua mais popular dos astecas eram os tamales e a bebida atole. Os vendedores ofereciam cinquenta tipos de tamales com uma grande variedade de recheios: desde peru, coelho, marmota, rã e peixe a fruta, ovos e espigas de milho. A bebida atole, feita de grãos de milho, também era popular.

Tamale

Tamale

Foto da Internet

Um facto registado por um viajante florentino no século XIII é bastante interessante: o homem relata que, no Cairo, a população local usava roupas feitas de couro cru. Isto devia-se ao facto de poderem deitar-se nas ruas da cidade e saborear a comida comprada aos vendedores ambulantes. Entre os pratos mais apreciados estavam as espetadas de borrego, o arroz e os bolinhos de massa.

Regressados da Turquia renascentista, os cruzados relataram ter visto vendedores nas ruas a oferecer espetadas perfumadas de carne quente, bem como frango e borrego fritos, e bebidas.

Nos países europeus

Pão de gengibre e nozes, natas misturadas com milho, toucinho e outras carnes assadas em pequenos recipientes de cerâmica com brasas no interior podiam ser comprados a vendedores ambulantes no século XIX na Transilvânia.

As batatas fritas, ainda hoje populares, apareceram em Paris na década de 1840 como comida de rua. Na Londres vitoriana, era possível comprar e saborear sopa de rúmen e vísceras, vagens de ervilha com manteiga, peixe pequeno, camarão, etc., nas ruas da cidade.

Atualmente, a Europa oferece uma cena de fast food verdadeiramente diversificada que reflecte o sabor local e oferece diferentes opções para todos os orçamentos. Em particular, em Espanha, trata-se de uma enorme sanduíche avançada de bocadillos: carne, na maioria das vezes jamon, queijo, por vezes um ovo, um pouco de tomate ralado e alho, tudo temperado com azeite num pedaço de pão fresco e perfumado.

Em França, a melhor opção para um primeiro prato rápido é a bouillabaisse, uma sopa francesa estufada feita com várias variedades de peixe e legumes.

O pão e o queijo são dois ingredientes clássicos da comida de rua em Itália.

Uma doce e interminável fita de massa doce é o trdlo checo, um dos pratos de rua preferidos dos checos e dos turistas, que pode ser polvilhado com açúcar em pó, canela ou chocolate.

Na América

No período colonial americano, os vendedores ambulantes vendiam os chamados "potes de sopa de pimenta" com ostras, espigas de milho fritas, fruta e doces. Aliás, nessa altura, as ostras não eram uma iguaria e eram baratas, situação que se manteve até ao início do século XX, altura em que os preços da sua captura dispararam.

Os tacos de churrasco com peito de frango, macarrão com queijo e carne de porco grelhada criaram raízes em Portland, que não tem preconceitos alimentares.

Os argentinos também são apaixonados por comida de rua, e entre os pratos mais populares estão os choripanos, feitos com linguiça de chouriço grelhada e pão crocante, como o de marraquexe ou baguete, além de tortilhas de queijo.

E, claro, os cachorros quentes, que se tornaram parte da vida não só dos americanos, mas também um prato favorito em todo o mundo para um lanche barato e rápido.

Vendendo cachorro-quente nos EUA na rua

Vendendo cachorro-quente nos EUA na rua

Foto da Internet

A propósito, embora associemos este prato aos Estados Unidos e nos riamos da parte do "cão" que é utilizada nos cachorros-quentes, na verdade, a ideia de servir uma salsicha com um pão foi inventada na Alemanha, cinco anos antes da descoberta da América. A receita foi levada para lá por imigrantes alemães.

Nos países de Leste

Trazido para o Japão por imigrantes chineses há cerca de cem anos, o ramen (sopa de massa) era originalmente uma comida de rua para trabalhadores e estudantes, mas depressa se tornou um "prato nacional" e até adquiriu variações regionais.

Na China, uma comida de rua popular é o gyoza - bolinhos chineses (ou melhor, bolinhos de massa) que são cozidos, cozidos a vapor ou fritos. Dependendo da região, o recheio pode ser de carne, marisco ou legumes.

Em geral, a comida de rua é um atributo integral de qualquer país asiático.

Os restaurantes populares "proletários" assemelham-se a um caldeirão gigante com óleo no qual se fritam alguns tipos de bebechas, enquanto à sua volta há cadeiras com mesas onde os clientes se sentam e devoram imediatamente os pratos.

Na Tailândia, a maior parte da comida de rua é feita de arroz. A sopa de massa de arroz, a salada de papaia e o frango com pasta de caril verde são os pratos mais populares entre os vendedores locais.

Na Índia, os doces orientais são vendidos em todas as esquinas, seduzindo os transeuntes com o seu aroma de fazer crescer água na boca e a sua variedade impressionante.

Características da comida de rua

A comida de rua é aquela que pode ser comprada e consumida na rua ou em locais públicos, como feiras, mercados ou festivais. A comida de rua é geralmente preparada e servida no local.

A comida de rua pode ser muito diversificada e incluir pratos de diferentes cozinhas de todo o mundo. Mas está, sem dúvida, associada a comida saborosa e barata, disponível para um lanche rápido. Os camiões de comida com cores vivas e as bancas de comida de rua já não são uma surpresa e são populares tanto entre os habitantes locais como entre os turistas que querem experimentar comida autêntica.

Apesar da sua aparente popularidade, a comida de rua tem as suas vantagens e desvantagens, que podem variar consoante a cidade, as condições e as características culturais.

Vantagens da comida de rua:

Sabor e autenticidade

Os pratos de comida de rua podem ser muito saborosos e autênticos, representando a cultura gastronómica de diferentes cozinhas de todo o mundo

Disponibilidade e rapidez

A comida de rua é geralmente mais acessível e mais rápida de preparar do que num restaurante, o que a torna ideal para as pessoas que procuram algo para comer em viagem

Variedade

A variedade da comida de rua pode satisfazer diferentes gostos e preferências, e há frequentemente novos produtos que agradam aos amantes da comida de rua

Ambiente

A comida de rua pode criar uma atmosfera comunitária, especialmente em festivais ou feiras, e juntar as pessoas

Desvantagens da comida de rua:

Higiene e segurança

Existem riscos associados à higiene e segurança da comida de rua, especialmente se não forem respeitadas certas normas e padrões

Conforto limitado

A comida de rua é frequentemente servida sem mesas e cadeiras, o que pode limitar o conforto do consumidor enquanto come

Condições climatéricas

Dependendo das condições climatéricas locais, pode ser desconfortável comer comida de rua à chuva ou ao frio intenso.

Custo e porções

Em alguns casos, a comida de rua pode ser mais cara do que pratos semelhantes em restaurantes normais e as porções podem ser mais pequenas

Disponibilidade limitada

Em certas regiões ou em certas alturas do dia, o acesso à comida de rua pode ser limitado

É claro que a maior parte do que os vendedores de rua oferecem não parece sofisticado ou original, mas isso não significa que a comida não perca o seu sabor único e o seu aroma atrativo.

De acordo com a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura, 2,5 mil milhões de pessoas no mundo compram comida de rua todos os dias.

Tendências globais da comida de rua

Embora a comida de rua não seja um fenómeno novo, surgem sempre novas tendências, de acordo com as preferências dos consumidores. No entanto, existem três macrotendências globais que justificam e apoiam a comida de rua como um modelo de negócio de sucesso.

Novos produtos

Com o desenvolvimento da economia, bem como o aumento do nível de competitividade o mercado da comida de rua está a assistir a novas ofertas de comida rápida quase todos os dias. Os consumidores habituam-se rapidamente ao sortido, pelo que, quando é oferecido um novo produto, a probabilidade de compra aumenta significativamente.

Os jovens modernos, que são os principais compradores de comida de rua, estão sempre prontos a experimentar, e os novos pratos de comida de rua não são exceção. Além disso, as deliciosas "novidades" sempre estiveram e continuam na moda, e isto não se aplica apenas às praças de alimentação.

Mesmo pequenas alterações nos pratos, como um novo molho, ou um tipo diferente de salsicha, ou um ingrediente adicional, continuam a alterar o sabor e a acrescentar novidade ao prato.

PROVANDO COMIDAS DE RUA EM PORTUGAL

Imediatamente e aqui

O poder das palavras "imediatamente" e "aqui" pode ser comparado à eterna tentação da gratificação instantânea. Os consumidores actuais, especialmente os jovens, têm cada vez menos paciência para esperar, vivem a uma velocidade diferente, ao que parece. No entanto, a própria sociedade encoraja esta procura incessante de instantâneos, informações, comunicações, prazeres e bónus a que temos direito. O prazer gastronómico de um lanche rápido e saboroso oferecido pela comida de rua não é exceção.

O ritmo da vida

A comunicação, os hábitos e o ritmo da vida humana mudaram radicalmente nas últimas décadas e aceleraram significativamente. As mulheres e os homens já não estão presos a um lugar, por exemplo, onde há um telefone fixo para fazer uma chamada, ou uma televisão em casa para ver um jogo de futebol a uma determinada hora, ou para procurar conhecidos casuais em bibliotecas, cinemas...

Com a proliferação da Internet, dos telemóveis, de outros meios e aparelhos de comunicação e entretenimento, a comunicação comercial tornou-se concisa, cómoda e fragmentada, porque:

  • o consumidor moderno vê o seu programa de televisão preferido no iPad em qualquer lugar, transporte, trabalho;
  • lê as notícias diárias na Internet sem esperar pelo noticiário da noite;
  • planeia reuniões e a sua vida num computador pessoal, portátil ou telemóvel;
  • pode declarar o seu amor através de uma mensagem nas redes sociais ou messengers, ou por mensagem de texto;
  • namoriscar, conhecer outras pessoas no second life e no hi5, ou em linha em sítios de encontros, etc.
Comida de rua

Comida de rua

Foto da Internet

Estas tendências são observadas em todo o mundo e estão a impulsionar a evolução da comida de rua, alargando a gama de produtos e reduzindo os tempos de serviço.

Aspectos culturais e económicos da comida de rua

As diferenças culturais, de estratificação social e históricas conduziram a diferentes modelos de comida de rua e formas de comércio em diferentes países do mundo. Por exemplo, no Bangladesh, praticamente não há mulheres a trabalhar como vendedoras de rua, enquanto na Nigéria e na Tailândia são sobretudo as mulheres que oferecem comida de rua nas ruas e nas feiras da cidade.

Nas Filipinas, existe um culto do consumo alimentar, que também afecta a comida de rua. A razão é que, neste país, comer "ao ar livre, no mercado, na rua ou no campo" não é de todo diferente e não contradiz a cultura de comer dentro de casa ou em casa, onde existem locais especiais para as refeições.

Em termos de factores económicos, por exemplo, na região de Dar es Salaam, na Tanzânia, os vendedores ambulantes contribuíram para o desenvolvimento da agricultura local. Uma vez que a comida de rua é bastante popular na região, os vendedores precisam de cada vez mais produtos, que os agricultores locais começaram a produzir. Como resultado, o número de pequenas explorações agrícolas aumentou, as hortas expandiram-se e as agro-indústrias e pequenas empresas floresceram.

Nos Estados Unidos, os vendedores de comida de rua estão associados à rápida expansão da cidade de Nova Iorque. Os proprietários de empresas de comida de rua alargaram a sua mobilidade, oferecendo aos cidadãos não só a venda de comida nas ruas, mas também a venda de comida pronta a comer para levar ou a criação dos seus próprios restaurantes compactos.

No entanto, no México, o aumento do número de vendedores ambulantes é visto como um sinal de deterioração das condições económicas, onde a venda de comida na rua é a única oportunidade de emprego para os trabalhadores não qualificados que migraram das zonas rurais para as grandes cidades.

Saúde e segurança

Contrariamente às preocupações sobre os riscos para a saúde e segurança da comida de rua, especialmente se as normas e regulamentos não forem seguidos, o nível de infeção é bastante baixo. Este facto é demonstrado por estudos comparativos com as taxas de envenenamento nos restaurantes.

No Reino Unido, por exemplo, a FSA oferece directrizes de segurança alimentar abrangentes para vendedores, comerciantes e outros retalhistas no sector da comida de rua. Outras formas eficazes de melhorar a segurança alimentar incluem programas de compras mistério, formação e incentivos aos fornecedores ou testes técnicos.

Em 2002, a Organização Mundial de Saúde recolheu amostras de 511 alimentos de rua no Gana e concluiu que o número de micróbios na maioria deles não excedia os limites aceitáveis, enquanto outra amostra de 15 alimentos de rua em Calcutá mostrou que eram "nutricionalmente equilibrados".

No final da década de 1990, as Nações Unidas e outras organizações começaram a reconhecer que os vendedores ambulantes eram uma forma eficaz de fornecer alimentos ao público e, em 2007, a ONU recomendou a adição de nutrientes e suplementos à comida de rua, acreditando que este tipo de comida é o mais popular atualmente.

Características da cozinha portuguesa

Portugal é um dos países mais ricos da Europa no que respeita à diversidade e aos sabores à mesa, embora durante muitos séculos a cozinha nacional tenha sido moldada por pescadores e camponeses. É por isso que a maior parte dos pratos são fartos e fáceis de preparar, consistindo principalmente em marisco, carne e legumes. No entanto, a influência dos romanos e dos árabes também se faz sentir. Em particular, os romanos acrescentaram alho e especiarias exóticas aos pratos portugueses, enquanto os árabes acrescentaram arroz, amêndoas, plantações de limões, figos e pêssegos.

Pratos de peixe e marisco

Os pratos de peixe e marisco estão entre os pratos mais populares da cozinha portuguesa. São variados, fartos, saborosos e acessíveis.

Bacalhau à Brás

Bacalhau à Brás

Bacalhau à Brás

Foto da Internet

O primeiro lugar é, naturalmente, ocupado pelo prato que tem o nome do Senhor Brás, que foi quem o começou a cozinhar. Trata-se do Bacalhau à Brás - bacalhau salgado seco com grão-de-bico, ou como variação com batatas fritas, azeitonas, cebolas, ovos e ervas aromáticas.

Arroz de Marisco

O arroz com marisco, cujo nome nacional é Arroz de Marisco, é um prato muito popular em Portugal, que inclui amêijoas, caranguejos, camarões e lagostas. O arroz é normalmente servido diretamente na panela enquanto ainda está a ferver.

Polvo à Lagareiro

O Polvo à Lagareiro é um prato especial e exótico. O animal de alto mar é generosamente regado com azeite e temperado com cebola e alho. A guarnição é feita com batata a murro, um puré de batata ligeiramente cru, cozido no forno.

Caldeirada de peixe

A caldeirada de peixe é um prato de peixe feito com qualquer peixe e marisco que tenha à mão. O prato clássico é composto por pelo menos quatro variedades de vida marinha.

Porco à Alentejana

Porco à Alentejana é carne de porco misturada com marisco. Este é um prato que originalmente era cozinhado apenas no sul de Portugal - a região do Alentejo. Atualmente, é cozinhado em todo o país, com colorau e louro, e servido com salsa frita.

Pratos de carne

Os portugueses adoram os diferentes tipos de carne e as formas como são cozinhados e servidos, tal como o peixe.

Cozido à portuguesa

Cozido à portuguesa

Cozido à portuguesa

Foto da Internet

O cozido à portuguesa é um prato tradicional nacional composto por três tipos de carne: porco, vaca, frango e vários tipos de enchidos fumados, servido com cenouras ou couves. O arroz é o acompanhamento.

Feijoada

Este prato tem uma origem interessante, pois durante a colonização dos países africanos, os escravos trazidos para Portugal comiam o que os seus senhores brancos desdenhavam: miudezas, entranhas, orelhas e... feijão. A feijoada nasceu dessas tradições. Atualmente, é uma mistura de enchidos picantes, eventualmente com adição de carne de porco, bem como couve, feijão e arroz. Aliás, dependendo da região, este prato pode conter ingredientes ligeiramente diferentes do tradicional.

Frango piri-piri

Quem gosta de comida picante vai adorar frango marinado com molho piri-piri angolano. Este prato chama-se Frango piri-piri. O molho é feito com muito alho, malagueta, raspa de limão e especiarias que lhe dão um sabor ardente. Nos restaurantes, o prato é servido com batatas fritas ou arroz.

Arroz de Pato

O Arroz de Pato é um arroz estaladiço cozido no forno com pato. Nalgumas regiões, adicionam-se rodelas de chouriço ao prato.

Francesinha

Um prato que não deixará ninguém indiferente é a sandes de carne da Francesinha. Consiste em várias camadas de fatias tostadas de pão torrado e estaladiço, com deliciosos bifes de presunto, porco e vaca, cobertos com queijo derretido e molho de cerveja picante. Este prato é popular no norte de Portugal, na cidade do Porto.

Doces

Os portugueses também são apreciadores de doces, que se tornaram uma marca registada deste país, e pode prová-los tanto em restaurantes como na rua. Em particular, são as seguintes sobremesas:

  • O mundialmente famoso Pastel de Belém (pâtel de belém) é uma cesta de massa folhada com creme de leite no interior, e é uma sobremesa obrigatória quando se viaja para Portugal.
  • O Pão de Ló é um pão de ló macio e arejado, especialmente popular durante as férias. Pode encontrá-lo em quase todas as pastelarias.
Pão de Ló

Pão de Ló

Foto da Internet
  • A Queijada é um cesto com um delicado recheio de queijo.
  • O bolo-rei Bolo Rei com uma surpresa no interior é normalmente consumido no Natal. O seu nome invulgar deve-se à sua forma de coroa e aos frutos cristalizados adicionados à massa, que se assemelham a pedras preciosas.

A propósito, quase todas as refeições em Portugal são tradicionalmente acompanhadas por vinho. O mais popular e exclusivo é o Vinho Verde, o chamado "vinho verde".

Em Portugal, a comida de rua não é menos popular do que em estabelecimentos de restauração, cafés ou restaurantes e, em alguns casos, pode ser apenas uma versão ligeiramente simplificada de pratos tradicionais. No entanto, existem também ofertas únicas de comida de rua que milhões de portugueses e turistas apreciam todos os dias. Assim, nas ruas de Lisboa, Porto, Amadora, Vila Nova de Gaia, Braga, Coimbra, Setúbal, entre outras, pode experimentar estas iguarias:

  • Bifana é uma sandes portuguesa feita de carne de porco picada, bem temperada com alho, louro e outras especiarias. É normalmente servida num pão. O mais interessante é a forma como a carne de porco é preparada: primeiro é cortada em fatias finas e depois frita em gordura de porco durante 8 horas!
  • O Pregu é uma grande sandes de carne de vaca. Exteriormente, pode dizer-se que se parece com uma Bifana, mas na realidade não há nada em comum, uma vez que a carne para este lanche é cozinhada na grelha ou ao lume, servida em pão diferente. Também se pode encontrar a Prega sem pão, sendo neste caso servida num prato com batatas fritas, arroz ou salada.
  • Sardinhas Assadas é uma sardinha assada, a principal iguaria portuguesa de verão. Tanto as sardinhas marinadas como as sardinhas fritas são consumidas com pão ou batatas cozidas. Esta é talvez uma das mais famosas comidas de rua em Portugal. E as lembranças com este peixe podem ser encontradas em qualquer ponto do país. É especialmente popular durante a celebração do Dia de Santo António em Lisboa.
  • Choco Frito (lula frita). O molusco gigante é primeiro marinado, polvilhado com farinha e frito até ficar dourado. É servido com limão e vários molhos.
  • Peixe Frito, geralmente feito de peixe fresco picado numa massa delicada, é frito até ficar dourado.
  • Pão são sandes com camarão frito, muitas vezes servidas num pão ou numa baguete estaladiça.
  • As castanhas são um prato mais natalício ou de inverno. Surgem pequenos quiosques nas ruas onde as castanhas com sal são assadas diretamente em fogo aberto. Tradicionalmente, eram um acompanhamento e um substituto do pão há muitos séculos.
Um vendedor de castanhas na cidade do Porto

Um vendedor de castanhas na cidade do Porto

Foto da Internet

São os pratos gastronómicos mais populares entre os portugueses e os turistas, que os habitantes locais se permitem comer "na rua". Na verdade, isto deve-se ao facto de que comer neste país é um ritual sagrado, e é preciso comer sentado e devagar. É claro que ninguém cancelou as bancas de rua com fast food, mas é habitual encontrar um local conveniente para comer comida comprada na rua. No entanto, os festivais de comida de rua tornaram-se populares entre os portugueses e os visitantes do país.

COMIDAS DE RUA DE PORTUGAL: É MELHOR A QUE A BRASILEIRA?

Associação de Street food Portugal

Em Portugal, a comida de rua é uma realidade que muitas pessoas não querem reconhecer, mas a cultura da comida de rua existe, pelo que este facto não pode ser ignorado. Além disso, estudos mostram que o potencial de mercado do sector da comida de rua em Portugal é superior a 2,5 milhões de euros e, de acordo com a dinâmica, pode crescer até 20% ao ano. Esta tendência afecta todo o negócio da restauração, bem como a economia e as receitas orçamentais das cidades.

É por isso que houve a necessidade de criar a associação Street food portugal em Portugal.

Objetivo e funções da associação de street food em Portugal

O objetivo desta estrutura é proteger os direitos dos vendedores de comida de rua, representá-los em Portugal e no estrangeiro, bem como promover a comida de rua portuguesa a nível nacional e internacional, desenvolver, aprofundar e estudar as tendências da comida de rua, o que contribui para a prosperidade deste sector particular da economia.

Além disso, uma das funções da associação, que regula e fiscaliza a street food, é sensibilizar para esta área de atividade como um aspeto importante para o desenvolvimento económico das cidades e estimular o empreendedorismo local.

Entre as principais funções desempenhadas pela associação Street food portugal encontram-se as seguintes:

Normas de segurança e qualidade

Desenvolver e implementar normas de segurança e qualidade para a street food, de forma a garantir a proteção dos consumidores e o controlo da qualidade dos produtos

Licenciamento e registo

Estabelecer procedimentos de licenciamento e registo para os vendedores de comida de rua, a fim de controlar as suas actividades e garantir o cumprimento da regulamentação

Inspecções e auditorias

Realização de inspecções e auditorias regulares para verificar se os vendedores de comida de rua cumprem as normas e os requisitos estabelecidos

Educação e formação

Fornecer informação e apoio educativo aos vendedores de comida de rua sobre segurança, higiene, armazenamento e outros aspectos da sua atividade

Resposta a queixas e infracções

Tratamento das queixas dos consumidores ou de outras partes interessadas relativamente a violações das normas e tomada de medidas correctivas

Cooperação com as autoridades locais

Interação com as autoridades locais e os organismos reguladores para garantir que a comida de rua cumpre os regulamentos e requisitos locais

Implementação de novas tecnologias

Promover a utilização de novas tecnologias e inovações no sector da comida de rua para melhorar os padrões de qualidade, segurança e serviço ao cliente

Desenvolvimento do sector

Desenvolvimento de programas e iniciativas para apoiar o desenvolvimento do sector da comida de rua, incluindo o apoio a pequenas empresas e o estímulo à inovação culinária

Festivais de comida de rua em Portugal

Durante vários anos consecutivos, o turismo tem sido uma prioridade para muitas economias mundiais, gerando receitas constantes para os orçamentos governamentais. O turismo gastronómico no mundo está a ganhar popularidade entre diferentes categorias de turistas. Os maiores festivais gastronómicos do mundo são os seguintes Bacon Fest (Sacramento, EUA), Food and Wine Festival (Melbourne, Austrália), Peixe em Lisboa (Portugal), Fiesta del Marisco (O Grove, Espanha), Brussels Food Truck Festival (Bruxelas, Bélgica), Pizzafest (Nápoles, Itália), Salon du chocolat (Paris, França), Ribfest Toronto (Canadá), Foodies Festival Brighton (Reino Unido) e muitos outros.

Estes eventos são de grande importância para a cidade e para o país no seu conjunto, uma vez que não só apresentam aos turistas o património gastronómico da região, como também os ajudam a conhecer as características culturais, históricas, sociais, económicas e arqueológicas da região.

Sob os auspícios da Associação Street food Portugal, foram também realizados festivais em várias cidades portuguesas, tendo os participantes nos eventos recebido reconhecimento e prémios merecidos.

Entre os eventos populares de street food, destacam-se os seguintes: Troia Street Food Festival, Feira de São Mateus - Viseu, Festival F - Faro, Portugal de Menos a Menos - Mem Martins e outros.

Contactos

Luis Rato - Presidente

Telefone: +351 935094928

e-mail: luisrato@luisrato.pt

Jose Borrallo - Vice-Presidente

Telefone: +351 910956384

e-mail: jose.borralho@gmail.com

E-mail geral: geral@streetfoodportugal.pt