Equipas

Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO)

Durante mais de sete décadas, a Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO) tem sido um ator importante na segurança mundial. Neste artigo, analisaremos a sua história, expansão, operações e parcerias da Aliança, que ajuda a garantir a paz e a estabilidade em tempos de tensões internacionais crescentes. O Tratado do Atlântico Norte permite uma cooperação estreita entre Estados para evitar conflitos e a NATO facilita a defesa colectiva contra potenciais agressões.

by  Rodrigo Santos

UPD:
Conteúdo
NATO logo

Principais conclusões

  1. As origens da NATO remontam a 1949, quando doze membros fundadores se uniram para proteger a sua liberdade e promover a estabilidade na zona euro-atlântica.
  2. A NATO aumentou o número de membros de 12 países através de nove rondas de alargamento, mantendo uma política de "porta aberta" para a segurança na região.
  3. A Aliança trabalha com parceiros como a União Europeia e as Nações Unidas, presta apoio militar à Ucrânia, aplica medidas contra a agressão russa e reforça o seu flanco oriental para a defesa colectiva.

Origens e objectivos da NATO

Mapa dos membros da NATO, bem como dos "principais aliados não pertencentes à NATO" dos Estados Unidos.

Mapa dos aliados da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO)

wikipedia.org

No rescaldo da Segunda Guerra Mundial, o Tratado de Washington criou a NATO (Organização do Tratado do Atlântico Norte), que foi estabelecida em 1949 como forma de reforçar a estabilidade e a liberdade em toda a Europa. A aliança é governada pelo Conselho do Atlântico Norte e tem três responsabilidades principais: defesa colectiva, segurança comum e gestão de crises - tudo num esforço para contrariar as tentativas da União Soviética de impor a sua autoridade sobre os Estados da Europa de Leste, negando ao mesmo tempo os valores democráticos em todo o mundo.

Membros fundadores

Doze países, incluindo a Grã-Bretanha e os Estados Unidos, participaram na fundação da NATO. O objetivo desta aliança era assegurar a sua liberdade e garantir a estabilidade na zona euro-atlântica. Procuraram unir recursos para um objetivo comum, assente em valores democráticos partilhados e no respeito pela lei.

A França foi o exemplo de um destes países que aderiu por necessidade de defender as suas fronteiras, contribuindo com forças militares no âmbito de um acordo de defesa colectiva, visto como uma forma de reforçar a segurança contra potenciais acções hostis de actores externos.

República Federal da Alemanha

A República Federal da Alemanha teve um percurso complicado até à adesão à OTAN. Após a Segunda Guerra Mundial e a ocupação alemã, a República Federal da Alemanha procurou obter autonomia e respeito na política mundial.

Parte da aldeia de Oradour-sur-Glane, que nunca foi reconstruída após a Segunda Guerra Mundial

Parte da aldeia de Oradour-sur-Glane, que nunca foi reconstruída após a Segunda Guerra Mundial

Foto da Internet

A adesão à Organização de Defesa da União Ocidental era um passo necessário para obter a adesão à NATO, mas esta tentativa coincidiu com a proposta da França para uma Comunidade Europeia de Defesa e, infelizmente, não conseguiu obter o apoio necessário para a sua implementação. Finalmente, em 6 de maio de 1955, a República Federal tornou-se oficialmente membro da Organização do Tratado do Atlântico Norte - pondo fim à sua era de país ocupado após a Segunda Guerra Mundial.

O resultado excedeu todas as expectativas.

Defesa colectiva e artigo 5

O Tratado do Atlântico Norte contém o conceito de defesa colectiva - um princípio que é fundamental para a missão da NATO. Esta disposição assegura que qualquer ataque a um Estado membro constitui um ataque a todas as partes envolvidas e serve de dissuasão para potenciais agressores, garantindo assim a paz e a estabilidade em toda a Aliança.

O Artigo 5º só foi utilizado uma vez, em resposta aos ataques de 11 de setembro contra a América, o que ilustra a unidade entre os parceiros e o seu empenho nestes ideais comuns no seio da OTAN.

Expansão e alargamento da NATO

Um grupo de membros da NATO juntos num círculo

Um grupo de membros da NATO juntos num círculo

www.nato.int

A NATO tem registado um crescimento significativo a partir dos seus 12 Estados fundadores originais, aumentando para 31 Estados após nove rondas de alargamento. O alargamento não foi isento de controvérsia. Moscovo viu-o como uma violação das promessas dos EUA feitas após a reunificação alemã em 1990. A política de portas abertas mantém-se forte, com novos membros convidados se cumprirem requisitos que defendam os valores da NATO e reforcem a segurança em toda a Europa/área atlântica.

Estados membros da NATO

País de origem

Data de adesão

Número total de

de forças armadas

(milhares)

Número de FA

por 1000

habitantes

Despesas por sector

administração pública

Sector público administrativo

em percentagem do PIB

Despesas com as FA

per capita

(USD)


Albânia

1 de abril de 2009.

20

6,17

1,47

55


Bélgica

4 de abril de 1949.

34

3,94

1,05

504


Bulgária

29 de março de 2004.

68,45

7,85

1,46

121


Reino Unido

4 de abril de 1949.

187,97

3,14

2,49

908


Hungria

12 de março de 1999.

33,4

3,31

0,83

122


Alemanha

9 de maio de 1955.

200,77

3,45

1,35

602


Grécia

18 de fevereiro de 1952.

177,6

16,6

1,72

551


Dinamarca

4 de abril de 1949.

22,88

4,24

1,41

818


Islândia

4 de abril de 1949.

0

0

0,13

37


Espanha

30 de maio de 1982.

177,95

3,49

0,86

267


Itália

4 de abril de 1949.

230,35

3,42

1,69

529


Canadá

4 de abril de 1949.

62,3

1,61

1,24

530


Letónia

29 de março de 2004.

5,5

2,13

0,92

138


Lituânia

29 de março de 2004.

13,51

3,53

0,97

101


Luxemburgo

4 de abril de 1949.

0,9

1,92

0,60

402


Macedónia do Norte

27 de março de 2020.

8

 

6

200


Países Baixos

4 de abril de 1949.

53,13

3,24

1,27

612


Noruega

4 de abril de 1949.

29,1

4,68

1,40

1405


Polónia

12 de março de 1999.

105

4,22

1,91

241


Portugal

4 de abril de 1949.

44,9

4,25

1,29

442


Roménia

29 de março de 2004.

93,6

4,31

1,29

116


Eslováquia

29 de março de 2004.

26,2

4,05

1,12

183


Eslovénia

29 de março de 2004.

9

1,21

1,18

274

Estados Unidos da América

4 de abril de 1949.

1477

4,76

4,35

2008


Turquia

18 de fevereiro de 1952.

726

8,99

2,31

234


Finlândia

4 de abril de 2023.


França

4 de abril de 1949.

259,05

4,27

1,80

924


Croácia

1 de abril de 2009.

51

6,63

1,70

214


Montenegro

5 de junho de 2017.

1,9

 

1,3

50


República Checa

12 de março de 1999.

57,05

5,57

1,08

202


Estónia

29 de março de 2004.

5,51

4,13

2,00

Alargamento após a Guerra Fria

No final da Guerra Fria, a NATO procurou aumentar a sua presença em termos de segurança nos países da Europa Central e Oriental que anteriormente faziam parte do Pacto de Varsóvia. Em 1999, a República Checa, a Hungria e a Polónia foram admitidas na NATO. Este foi um marco significativo no período pós-Guerra Fria. Este alargamento foi prolongado quatro anos mais tarde, quando mais sete países aderiram à Aliança, como a Bulgária, a Estónia, a Letónia, a Lituânia, a Roménia, a Eslováquia e a Eslovénia.

A entrada destes novos Estados membros do antigo bloco soviético suscitou na Rússia preocupações quanto à sua própria segurança, devido à influência crescente que o Ocidente poderia exercer sobre a região da Europa Oriental. Apesar da oposição do governo russo aos planos de expansão da NATO, a promoção da estabilidade e o cultivo dos valores democráticos em toda a região têm vantagens significativas.

Posições recentemente adquiridas

À medida que o empenhamento da OTAN numa "política de porta aberta" continua, a Aliança está a evoluir e a adaptar-se para enfrentar as ameaças emergentes. Com a recente admissão do Montenegro (2017), da Macedónia do Norte (2020) e da Finlândia (2023), estes novos membros trazem novas capacidades que reforçam a defesa colectiva de todos os membros da Aliança. Com a sua admissão, a estabilidade na região euro-atlântica foi reforçada, demonstrando o empenhamento da NATO num desenvolvimento bem sucedido. A perspetiva de uma expansão continuada continuará a ser parte integrante da nossa visão da paisagem de segurança global em mudança.

Struktura dowodzenia i operacje NATO

Grupo de Comando e Estado-Maior Especial da NATO

Grupo de Comando e Estado-Maior Especial da NATO

natoschool.nato.int

A estrutura de comando militar da NATO, com os seus elementos militares e estratégicos, proporciona uma resposta unificada e eficaz a potenciais ameaças ou dificuldades. A parte militar do comité é crucial para sincronizar as operações, tarefas e missões da NATO - garantindo a segurança contra ameaças às fronteiras territoriais de todos os Estados membros, bem como a salvaguarda da paz.

Comandos militares e estratégicos

O Comandante Supremo Aliado da Europa exerce controlo sobre dois grandes comandos da NATO: o Quartel-General em Bruxelas e o Comando Aliado para a Transformação (ACT), sedeado em Norfolk, Virgínia. Estes comandos mantêm a autoridade para a utilização das forças da NATO em tempos de conflito, bem como a direção de operações, missões e tarefas relacionadas com o envolvimento militar. O papel operacional do ACT é reforçar as capacidades dos seus membros, enquanto o Comando de Operações da Aliança (ACO), que está estacionado no SHAPE em Casteau, Bélgica, dirige o planeamento e a execução de várias agendas definidas pelos aliados da OTAN.

Operações dirigidas pela NATO

Ao longo da sua história, a OTAN tem assumido o comando de diversas operações, demonstrando a sua capacidade de enfrentar questões de segurança internacional. Exemplos proeminentes incluem a Força Internacional de Ajuda à Segurança (ISAF) no Afeganistão, com o objetivo de restabelecer a paz e desenvolver as forças de defesa afegãs, e a intervenção de 2011 na Líbia, com o objetivo de defender os civis de acordo com a Resolução 1973 do Conselho de Segurança da ONU.

Estas missões demonstram o empenho da NATO em proteger a democracia e a tranquilidade além-fronteiras, bem como a flexibilidade suficiente face à mudança, como a instabilidade ou as insurreições que ocorrem à sua volta.

Strategia wysuniętej obecności i wzmocnienia NATO

Mapa da estratégia avançada de presença e reforço da NATO

Mapa da estratégia avançada de presença e reforço da NATO

csis.org

Para lidar com qualquer ameaça ou desafio emergente, a OTAN estabeleceu um plano estratégico que inclui grupos de combate multinacionais e VJTFs (Very High Readiness Joint Task Force). Através destes esforços, a NATO pode responder rapidamente a potenciais agressões. Esta presença assinala o seu empenhamento na segurança dos Estados membros e demonstra unidade e firmeza na proteção dos valores fundamentais.

Grupos de Combate Multinacionais

Imagem de um grupo de combate multinacional em ação, com as forças da NATO visíveis

Imagem de um grupo de combate multinacional em ação, com as forças da NATO visíveis

adaptinstitute.org

A força unificada da NATO é evidenciada pela integração de oito grupos de combate multinacionais na sua estrutura de comando. Destacadas em diversos Estados membros da OTAN na Europa Oriental, estas forças desempenham um papel essencial no reforço da presença avançada e na dissuasão da agressão, ao mesmo tempo que oferecem capacidades de segurança e defesa aos mesmos Estados anfitriões.

Como fator de dissuasão intimidante para potenciais inimigos, estes grupos de combate garantem a segurança contínua de todos os Estados membros da Aliança, ajudando assim a manter a estabilidade na região.

Força de Intervenção Combinada de Reação Rápida e de Prontidão Muito Elevada

A Força de Reação Reforçada da OTAN (NRF) está equipada com uma VJTF, uma "força de orientação" de cerca de 20.000 efectivos, incluindo 5.000 forças terrestres. Esta capacidade permite o reforço rápido das tropas destacadas e serve de garantia a todos os Estados membros de que a sua segurança será defendida em qualquer caso de agressão. A adaptabilidade e a robustez desta resposta rápida demonstram o empenhamento da OTAN em manter a paz em toda a região euro-atlântica. Estar preparado para crises emergentes reforça a força e a fiabilidade da Aliança face a desafios futuros.

Parcerias e cooperação da NATO

Mapa das parcerias e da cooperação da NATO

Mapa das parcerias e da cooperação da NATO

wikipedia.org

Sendo uma aliança dedicada à defesa colectiva, a OTAN também trabalha ativamente com os seus parceiros para resolver questões de segurança mútua e promover a paz mundial. Através do programa Parceria para a Paz, a confiança entre países não pertencentes à NATO é reforçada, bem como os laços entre a organização e a União Europeia (UE) e as Nações Unidas (ONU), que promovem respostas conjuntas a questões de segurança global.

Parceria para a paz

O programa da Parceria para a Paz (PfP) foi criado em 1994 para aumentar a confiança e a cooperação entre os países da NATO e os países não pertencentes à NATO e para lhes permitir empenharem-se na reforma militar. A PfP tem sido bem sucedida ao ajudar os parceiros a desenvolverem as suas capacidades, ao mesmo tempo que promove a democracia nos sistemas de defesa, contribuindo para uma maior estabilidade global ao reduzir as ameaças potenciais. Trata-se de uma estrutura sem membros que desempenha um papel fundamental na colmatação de lacunas. Liga os antigos países do Pacto de Varsóvia e outros Estados não europeus à NATO, numa tentativa de atenuar as preocupações da Rússia quanto à expansão da aliança através de alianças político-militares em toda a região.

Relações com a União Europeia e as Nações Unidas

Trabalhando em conjunto, a aliança da OTAN, a União Europeia e as Nações Unidas têm feito progressos significativos em matéria de segurança global. A cooperação entre estas organizações tem sido essencial para enfrentar os desafios actuais, protegendo simultaneamente os direitos humanos, a democracia e o direito internacional.

Através de operações conjuntas e de outras iniciativas de cooperação, demonstram um empenhamento partilhado na manutenção da paz em todo o mundo. Estes esforços combinados aumentam a capacidade organizacional individual e reforçam o empenhamento geral nos valores democráticos, no humanitarismo e na justiça em todo o mundo.

Tensões com a Rússia e a resposta da NATO

A expansão da NATO desde 1949 Tensões entre a Rússia e a NATO.

Nos últimos anos, assistiu-se a um aumento das tensões entre a Rússia e os Estados membros da NATO em resultado do seu comportamento hostil em relação a outras nações nas regiões transatlânticas. Este comportamento inclui a ocupação da Crimeia, o apoio a movimentos separatistas no leste da Ucrânia e a participação em operações militares na Síria, bem como ataques cibernéticos e campanhas de desinformação dirigidas a vários países sob a jurisdição da NATO.

Para combater eficazmente estes problemas, a NATO tomou medidas proactivas, como o reforço da defesa ao longo das suas fronteiras orientais através do reforço dos exercícios, da criação de centros de comando e da criação de uma força de reação rápida.

Reforçar o flanco oriental

Em resposta às manobras ameaçadoras da Rússia, a NATO decidiu reforçar a sua presença na frente oriental. Ao aumentar a sua força militar e as suas capacidades de defesa nesta região, a Aliança está a fazer uma declaração forte para manter a liberdade e a segurança intactas para todas as partes envolvidas. As forças adicionais funcionam como um fator de intimidação para potenciais agressores, ao mesmo tempo que simbolizam o empenho inabalável da OTAN em manter a paz, proteger os valores democráticos e assegurar a estabilidade nestas áreas.

Portugal na NATO

Portugal, sendo um dos membros fundadores da OTAN, desempenha um papel significativo na aliança, contribuindo para a segurança regional e internacional. Um aspecto importante da participação de Portugal na OTAN é a sua localização geoestratégica no oeste da Europa, o que confere um valor estratégico aos seus portos e bases navais, especialmente no contexto do Oceano Atlântico.

Portugal participa ativamente em exercícios militares e operações da OTAN, demonstrando seu compromisso com os princípios da defesa coletiva e cooperação internacional. Por exemplo, Portugal fez uma contribuição importante para a segurança internacional, enviando centenas de seus militares para missões da OTAN em várias regiões do mundo. Em particular, as forças portuguesas participaram de missões no Afeganistão e nos Balcãs.

O país também investe recursos significativos em defesa como parte de seus compromissos com a OTAN. De acordo com dados da OTAN, os gastos de Portugal com defesa foram cerca de 1,4% do seu PIB em 2021, refletindo seus esforços para atingir a meta de 2% do PIB estabelecida pela OTAN. Neste contexto, Portugal também investiu na modernização de suas capacidades militares, incluindo a aquisição de equipamento militar de última geração e o aprimoramento de sua infraestrutura.

Apoio à Ucrânia

Chegada dos tanques alemães Leopard-2 à Ucrânia

Tanques Leopard-2 alemães chegam à Ucrânia

Foto da Internet

Para combater a agressão russa e proteger a soberania da Ucrânia, a NATO alargou a assistência militar para melhorar as suas capacidades de defesa. Esta é uma demonstração do empenhamento da Aliança em defender o direito internacional, protegendo simultaneamente os valores democráticos e concedendo autonomia a todos os países sem hostilidade estrangeira. Estas iniciativas de reforço reflectem este compromisso ao abraçar princípios como a liberdade face à opressão externa, para que cada nação possa determinar de forma independente o seu próprio destino.

Resumo

A Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO) tem sido parte integrante da manutenção da paz e da estabilidade na Europa desde a sua criação em 1949. A Aliança defende fortes valores democráticos, conduz uma defesa colectiva e mantém uma parceria estratégica que lhe permite responder eficazmente às ameaças à segurança pela força, quando necessário. A NATO é uma parte vital do complexo ambiente global de hoje, tornando claro que a unidade no seio da organização desempenha um papel fundamental na garantia da proteção e segurança dos seus estados membros.