Locais

Sé de Lisboa

Catedral de Lisboa em Portugal o que é interessante, que tipo de arquitetura tem. A história da sua construção, factos interessantes.

by  Rodrigo Santos

UPD:
Conteúdo
Sé de Lisboa

A Sé Catedral de Lisboa é também designada por Catedral do Patriarcado de Lisboa. É considerada uma guardiã da história, pois ilustra uma grande série de acontecimentos da vida de Portugal e da sua capital. É um dos marcos mais importantes de Lisboa.

A catedral tem vários nomes, um dos quais é Maria Maior de Lisboa e outro é Se de Lisboa. Os portugueses chamam-lhe frequentemente Se, sublinhando que a majestosa catedral é tão cidadã da cidade como os habitantes locais. A catedral já passou por muitas coisas, tendo sido erguida no local de um templo construído pelos romanos e utilizado como mesquita.

A catedral principal de Lisboa é uma das 10 principais atracções turísticas recomendadas. É perfeitamente visível de qualquer rua da capital. Para os portugueses, é um edifício icónico que cativa todos, sem exceção, com a sua aparência majestosa.

Nome

Se de Lisboa

Data de fundação

1150

Estilo arquitetónico

Românico, Gótico, Barroco

Tipo de edifício

Catedral

História da Sé de Lisboa

Santa Maria Maior foi construída no local de um templo erguido pelos antigos romanos. Depois de os visigodos terem trazido o cristianismo para Lisboa, o templo foi transformado em catedral, e nela foi equipada a residência do patriarca da cidade. No século XII, tudo mudou novamente na vida da catedral. As terras portuguesas caíram sob o domínio dos mouros, que decidiram transformar o templo numa mesquita.

As excursões a Maria Maior dão-lhe a conhecer a história do país, durante a qual o governo mudou, esteve sob o poder de diferentes conquistadores estrangeiros.

Os serviços cristãos na catedral foram retomados após a restauração da diocese em 1147, quando o monarca Afonso Henriques, juntamente com o seu exército e cruzados, reconquistou Lisboa aos mouros. Decidiu erigir uma nova catedral no local da mesquita. O rei sentia que Portugal precisava de um símbolo de poder e autonomia.

O arquiteto Mestre Roberto trabalhou no projeto, combinando com sucesso as características de uma fortaleza (a fachada sul é coroada por duas torres) e de um templo.

As obras da catedral foram concluídas na primeira metade do século XIII. Pouco tempo depois, D. Afonso mandou trazer para Lisboa as relíquias de São Vicente, considerado o padroeiro da cidade.

De acordo com a ideia original, a catedral deveria ser um monumento à família real, um túmulo e um guardião dos costumes e da fé cristã.

Sé de Lisboa 1893

Sé de Lisboa 1893

Foto da Internet

Não só Mestre Roberto trabalhou no projeto da catedral, como também foi assistido por outros arquitectos. O templo foi reconstruído e completado várias vezes. O seu aspeto moderno combina os estilos gótico, neoclássico e normando. Esta combinação única não só não estraga o exterior do edifício, como, pelo contrário, lhe confere um aspeto único.

De cem em cem anos, a arquitetura sofreu alterações e foi complementada com novas características. Tornou-se mais cómoda para os peregrinos que vinham venerar as relíquias de São Vicente. A catedral era muito apreciada pelos habitantes locais. Uma das suas torres foi decorada com um relógio com o qual os portugueses podiam ver as horas. Algumas imperfeições arquitectónicas aliadas ao ecletismo conferem-lhe um aspeto mais acolhedor.

A catástrofe natural de 1755 provocou graves danos na catedral, que teve de ser objeto de várias reconstruções. O aspeto arquitetónico do edifício combina vários estilos. A catedral é frequentemente designada como a guardiã da cidade, vigiando-a do alto das suas torres-fortaleza. O aspeto do edifício dá aos habitantes locais uma sensação de segurança.

A Sé de Lisboa é um edifício em forma de cruz latina com três naves, um transepto, uma capela-mor e um deambulatório. O lado oriental da catedral está ligado ao mosteiro. A sua fachada principal assemelha-se a uma fortaleza. Esta semelhança é conseguida através de duas torres que ladeiam a entrada e de dentes nas paredes. Algumas pessoas consideram este aspeto ameaçador. Outras catedrais em Portugal, construídas na mesma época, têm um aspeto semelhante. Há vários séculos atrás, eram utilizadas como base quando atacadas por tropas inimigas durante um cerco.

O primeiro período de existência da Catedral de Lisboa data de meados do século XII - primeiro quartel do século XIII, é designado por românico. Desde essa altura, a fachada ocidental, que tem uma janela em rosácea, está perfeitamente preservada (teve de ser reconstruída a partir de fragmentos no século XX). O portal principal, o portal lateral norte e a nave central pertencem ao mesmo período. Os portais têm capitéis escultóricos de motivo românico.

Finalizando Sé de Lisboa

Finalizando Sé de Lisboa

Foto da Internet

A nave coberta por uma abóbada cilíndrica e a galeria superior em arco, denominada triforium, conferem ao edifício um aspeto específico. Os raios de luz penetram pelos vãos das janelas em rosácea da fachada ocidental. Os corredores laterais da nave também têm janelas, mas são bastante estreitos.

A planta geral do edifício é muito parecida com a da Sé Velha de Coimbra, que foi construída na mesma altura. Uma das capelas tem um portal românico em metal.

No final do século XIII, o monarca D. Dinis mandou construir um claustro de estilo gótico. Esta parte do edifício foi severamente danificada por um cataclismo natural em 1755.

À entrada da catedral, foi construída uma capela funerária pelo rico comerciante Bartolomeu Joanes, no início do século XIV. O seu lugar de repouso final e os seus restos mortais ainda se conservam no interior.

Em plena Sé de Lisboa

Em plena Sé de Lisboa

Foto da Internet

Um pouco mais tarde, sob o reinado de D. Afonso IV, foi erguida uma abside românica, substituída pela capela-mor em estilo gótico. Esta era rodeada por um ambulatório e capelas dispostas radialmente. O monarca e os membros da sua família foram sepultados na capela-mor. A sua última morada e o próprio edifício foram destruídos por um terramoto em 1755. O ambulatório sobreviveu e é um exemplo do autêntico gótico português. O primeiro andar do ambulatório tem uma abóbada nervosa e uma série de aberturas de janelas que iluminam a sala com luz natural.

No seu recinto encontram-se três destacados túmulos góticos de meados do século XIV. Num deles repousa Lopo Fernandez Pacheco, um famoso fidalgo que serviu o monarca Afonso IV. É representado deitado com uma espada nas mãos, guardado por um cão. A esposa do fidalgo, Maria de Vilalobos, é representada por cima do seu último túmulo a ler o Livro de Horas. Noutro túmulo, repousa uma princesa desconhecida. Cada um deles é decorado com um brasão de armas.

No século XVII, foi construída uma bela sacristia barroca e, depois de 1755, a capela-mor foi modernizada num estilo neoclássico combinado com o estilo rococó. Machado de Castro, o principal escultor português do final do século XVIII, criou os magníficos presépios. Encontram-se na capela gótica de Bartomoleu Joanes. Na primeira metade do século XX, foram retiradas as camadas neoclássicas do exterior e do interior da catedral. Graças a este facto, o edifício adquiriu um aspeto mais "medieval".

Após o terramoto de 1755, a catedral foi reactivada, embora isso não tenha acontecido de imediato. O desastre destruiu a sua torre sul, bem como o panteão que albergava os restos mortais do monarca D. Afonso. Durante o restauro, adquiriu características barrocas. O restauro demorou muito tempo, sendo visíveis os sinais de degradação durante mais de cem anos.

Na primeira metade do século XX, o arquiteto Augusto decidiu recuperar o aspeto gótico original do edifício, e as suas torres foram adornadas com pináculos. O mestre de arquitetura seguinte, Antoni Oudo Couto Abreu, retirou os pináculos, dando ao edifício características românicas.

As obras de restauro só ficaram concluídas em 1940.

O revestimento do edifício utilizou técnicas únicas em Portugal. A parede da pia batismal é decorada com azulejos representando Santo António, outro santo padroeiro de Lisboa.

O templo possui um museu com colecções de vários utensílios, incluindo pratas e estatuetas. Aqui podem ver-se trajes caros usados pelos assistentes do templo e todo o tipo de relíquias.

Catedral da Sé de Lisboa • Portugal | BeSisluxe Tours

Numerosos detalhes arquitectónicos e elementos decorativos foram preservados desde a construção do edifício.

Os visitantes têm ainda a oportunidade de ver as camadas subterrâneas do edifício: a antiga rua romana, os restos de edifícios da era mourisca. Também aí se podem admirar os achados originais dos arqueólogos. Esta é uma oportunidade para ver como era Lisboa há séculos atrás, quando era governada primeiro pelos romanos, depois pelos visigodos e finalmente pelos mouros.

O Templo Deambulatorium é um valioso exemplo da arquitetura gótica em Portugal. Um dos seus "pontos altos" são os grandes vitrais que representam os santos padroeiros da cidade, Vicente e António. A rosácea da entrada principal também é lindíssima, com vitrais em vez de vidro comum.

Os inúmeros pormenores do interior do templo podem ser vistos durante horas. O edifício tem uma grande área, na sua decoração foram utilizados diferentes tipos de arte aplicada. Durante a excursão, recomenda-se que percorra todas as salas, que dedique tempo a examinar as capelas, as pinturas e o armazém do tesouro. E também ficar parado durante alguns minutos para sentir toda a sua grandeza, a atmosfera de tranquilidade.

Como chegar à Catedral de Lisboa?

A catedral está localizada na capital de Portugal, no endereço: Travessa de Santo Antinio da Sé, 4.

Deve orientar-se na praça do Largo da Sé.

Pode chegar lá de metro - a estação mais próxima chama-se Terreiro do Paco.

Além disso, o autocarro número 737 e o elétrico 12E, 28E vão até à catedral.

Horário de abertura da Catedral de Lisboa

A catedral está aberta todos os dias das 9h00 às 19h00, exceto aos domingos e segundas-feiras, dias em que encerra às 17h00.

Custo da visita à Catedral de Lisboa

A entrada na Catedral de Lisboa é gratuita, mas quem o desejar pode fazer um donativo - que é bem-vindo.

Paga é a entrada para o pátio gótico, mas o custo é simbólico e custa apenas 2,5 euros.

Foto da Sé Catedral de Lisboa

Uma visita à Sé de Lisboa é um encontro com a história. Uma excursão pelo seu território será interessante para todos os que se interessam pela arquitetura antiga.

Sé de Lisboa
Sé de Lisboa
Sé de Lisboa
Sé de Lisboa