Locais

Emirados Árabes Unidos

by  Olivia Sousa

Conteúdo

Um conto de fadas tornado realidade - são estas as palavras que descrevem o nível de vida num país que, há pouco mais de meio século, era apenas uma das muitas colónias britânicas. Nessa altura, o país era tão impotente que não podia dispor de forma autónoma das enormes reservas de petróleo existentes no seu território.

Desde então, muita coisa mudou. Atualmente, os EAU - Emirados Árabes Unidos - são um dos países mais ricos do mundo e o número de milionários em dólares bate todos os recordes: quase todos os centésimos residentes têm um capital com seis zeros na sua conta.

Algumas pessoas vêm para cá para trabalhar e ganhar dinheiro: não é sem razão que quase 85% dos 10 milhões de habitantes são migrantes. Outros vêm aqui para relaxar: o verão eterno, o sector turístico altamente desenvolvido e as excelentes infra-estruturas criam condições ideais para o lazer durante todo o ano.

Let's Go The Emirates

Informações gerais

Os Emirados Árabes Unidos são um exemplo brilhante de como pode viver um país que conseguiu libertar-se do controlo externo e assumir o controlo das suas próprias políticas económicas, culturais e religiosas.

História

Em tempos, coexistiram vários xeques (principados) no território dos actuais Emirados Árabes Unidos, que estavam sob a influência de potências europeias desde o século XVI. Em diferentes alturas, foram controlados por Portugal, pelos Países Baixos e pelo Reino Unido. Tal deveu-se à sua localização favorável e à possibilidade de extração de pérolas.

Embora a influência de todos estes países tenha sido longa e significativa, a Grã-Bretanha conseguiu estabelecer o controlo mais estável. Na década de 1720, o comércio britânico no Golfo Pérsico tinha crescido. Os britânicos queriam reforçar o seu poder naval para assegurar as rotas comerciais para a Índia e afastar os concorrentes europeus.

Na mesma altura, cresceu o poder da família al-Qasimi nas regiões norte e leste do Golfo Pérsico. Criaram uma grande marinha e um exército de quase 20.000 homens. Receando que este facto pudesse interferir com os seus planos, os britânicos lançaram uma série de ataques contra os al-Qasimi. Em 1820, a família foi derrotada.

Depois disso, os britânicos assinaram uma série de tratados com os Emirados, de 1820 a 1853. Segundo estes acordos, os xeques tinham de garantir a paz no mar e abster-se de construir grandes navios e fortificações ao longo da costa. No entanto, as guerras navais regulares entre tribos árabes continuavam a ser frequentes.

O tratado assinado em 1853 obrigava novamente os xeques a cessar completamente as hostilidades no mar e a observar um armistício naval absoluto. O envolvimento britânico limitou-se à segurança marítima, uma vez que os britânicos não queriam interferir nos assuntos internos dos xeques. Uma série de acordos entre os xeques e o Império Britânico levou a que a zona fosse designada por “Estados do Armistício” ou “Costa do Armistício”.

Os britânicos continuaram a governar a Costa do Armistício. Em 1892, foi celebrado um acordo exclusivo nos termos do qual as potências do Tratado não podiam vender, emprestar ou transferir terras para qualquer outro governo, nem estabelecer relações com qualquer governo estrangeiro sem o consentimento do Reino Unido. Em vez disso, os britânicos defendiam os Emirados de agressões estrangeiras por terra ou por mar.

O domínio britânico durou cerca de 75 anos, período durante o qual o seu interesse pela região aumentou e a sua política de não interferência nos assuntos dos Emirados mudou. A razão para tal foi a descoberta de grandes jazidas de petróleo no Médio Oriente, na década de 1930. Receando a interferência de outras potências estrangeiras, os britânicos asseguraram o controlo da atribuição de concessões petrolíferas e proibiram os estrangeiros de aceder a concessões bancárias.

Em 1966, tornou-se claro que o governo britânico já não podia continuar a governar e a defender o que são atualmente os Emirados Árabes Unidos. As forças britânicas estavam seriamente sobrecarregadas para defender os xeques. No início de 1968, os britânicos anunciaram a sua intenção de se retirarem do Golfo Pérsico até ao final de 1971.

Os sete xeques do tratado, juntamente com o Barém e o Qatar, tentaram formar uma federação dos Emirados Árabes Unidos. No entanto, os dois últimos países mudaram de ideias à última hora e decidiram criar os seus próprios Estados independentes.

Em 30 de novembro de 1971, os britânicos puseram termo ao acordo de armistício, pondo fim à era do domínio britânico na região. Consequentemente, em 2 de dezembro de 1971, surgiu um novo país no mapa mundial: os Emirados Árabes Unidos, inicialmente constituídos por seis xeques, aos quais se juntou um ano mais tarde o sétimo, Ra's al-Khaimah.

O Xeque Zayed hasteia a bandeira na Union House, no Dubai, a 2 de dezembro de 1971

O Xeque Zayed hasteia a bandeira na Union House, no Dubai, em 2 de dezembro de 1971, para assinalar a formação dos EAU

Foto: Al Ittihad

A recém-criada federação teve muita sorte: no início da década de 1970, os preços do petróleo registaram uma subida acentuada em todo o mundo. Os petro-dólares entraram nos Emirados, o que, juntamente com a política racional do governo, deu imediatamente um forte impulso à economia.

É de salientar que os Emirados Árabes Unidos não possuem apenas uma indústria petrolífera bem desenvolvida. O turismo e o sector financeiro são dois outros pilares em que a prosperidade e a independência do país assentam firmemente desde há meio século.

Geografia e clima

Os Emirados Árabes Unidos ocupam uma parte da Península Arábica. É a maior península do mundo, situada no Médio Oriente. O país está situado na costa do Golfo Pérsico e faz fronteira com a Arábia Saudita e Omã, e tem fronteiras marítimas com o Qatar e o Irão.

Esta federação é constituída por sete emirados, na realidade pequenas monarquias absolutas, cada uma governada pelo seu próprio emir:

  • Abu Dhabi (que serve de capital);
  • Ajman;
  • Dubai;
  • Fujairah;
  • Ras al-Khaimah;
  • Sharjah;
  • Umm al-Qaiwain.

O maior dos emirados é Abu Dhabi. É também a capital comum do Estado. O Emir de Abu Dhabi é também o Presidente dos EAU.

Abu Dhabi, em EAU

Abu Dhabi, EAU

Foto de luxuryescapes.com

Há poucas zonas habitadas nos Emirados, pois a maior parte do país é ocupada pelo deserto de Rub el-Khali, de onde provêm regularmente tempestades de areia que complicam muito a vida dos habitantes.

O clima dos Emirados Árabes Unidos é quente e seco. Os Verões são abrasadores, com 45-50°C, e nos meses de inverno, a temperatura diurna mantém-se a uns confortáveis 20-25°C. Por vezes, há geadas durante a noite (na maior parte do ano, as noites são geralmente frescas).

Dunas de areia sinuosas na orla do deserto - Rub Al Khali, em EAU

Dunas de areia sinuosas na orla do deserto, Rub Al Khali, EAU

Foto de windows10spotlight.com

O calor está a fazer os seus próprios ajustes à vida em todo o país. O ar condicionado é necessário não só em todas as divisões, mas também na rua: Todas as paragens de transportes públicos estão equipadas com ele. O custo da água, que é produzida principalmente em instalações de dessalinização da água do mar, também é significativo.

População, língua, moeda

Talvez não haja outro país no mundo como os EAU, onde a população autóctone representa apenas 15% da população total. Os restantes são expatriados de todo o mundo. A maioria vem do Sudeste Asiático: os imigrantes do Paquistão, Egipto, Índia e Bangladesh representam quase 60% da população. Tradicionalmente, vêm para cá para trabalhar em plataformas petrolíferas e noutros locais.

Trabalhadores estrangeiros num estaleiro de construção no Dubai, Emirados Árabes Unidos

Trabalhadores estrangeiros num estaleiro de construção no Dubai

Foto de japantimes.co.jp

A língua oficial é o árabe, mas a população local também é fluente em inglês.

Curiosamente, as autoridades do país são muito atenciosas para com os seus cidadãos. A política social local é invejada em todo o mundo: por exemplo, uma jovem família pode receber uma enorme prenda de casamento de 70.000 AED.

Os Emirados são um Estado islâmico e cerca de 76% da população professa o Islão. Este facto molda a sua mentalidade e modo de vida, mas as leis do país são bastante brandas para com os imigrantes e os turistas.

A maior cidade dos EAU não é a capital: Abu Dhabi, com 603 000 habitantes, ocupa apenas o terceiro lugar nesta classificação, enquanto o Dubai, onde vivem cerca de 3 milhões de pessoas, está em primeiro lugar. A segunda maior cidade é Sharjah, com uma população de 1,3 milhões de habitantes.

A moeda nacional dos EAU é o dirham dos EAU (AED), com uma taxa de câmbio de 1:0,27 para o dólar americano. A taxa de câmbio para o euro é de 1:0,28.

Sharjah, em Emirados Árabes Unidos

Sharjah, Emirados Árabes Unidos

Foto de lonelyplanet.com

Como chegar lá

Os Emirados Árabes Unidos são um excelente local para viagens de lazer e de negócios e, por isso, há muito que existem ligações de transportes com este país do Médio Oriente.

A única forma de chegar ao país é de avião.

Normalmente, é possível chegar às cidades a partir do aeroporto de metro, autocarro ou táxi. Em média, uma viagem de táxi custa 20 dólares. O metro é mais barato. Alguns hotéis também oferecem serviços de transporte.

Alojamento

Se quer muito sol, exotismo e condições absolutamente confortáveis, então uma viagem aos Emirados Árabes Unidos é perfeita para si. Embora não se trate de uma escolha económica, vale a pena, porque vai ficar com muitas impressões e prazer.

Claro que, para resolver todos os problemas de alojamento, alimentação e excursões, a forma mais fácil é contactar um operador turístico. Mas quem é que disse que as viagens independentes são piores? Só precisa de conhecer e ter em conta algumas das características de umas férias nos Emirados - e a escolha de alojamento, restaurantes e entretenimento é enorme.

A lotação dos hotéis nos Emirados Árabes Unidos é cíclica - depende da época e do calendário de feriados islâmicos. Isto também afecta os preços. Pensa-se que a melhor altura para visitar as estâncias turísticas dos EAU é entre finais de setembro e abril: o calor já passou e o mar está quente.

No entanto, de setembro a abril, o custo das excursões e dos quartos de hotel é muito mais elevado do que noutras épocas do ano. Além disso, os preços dependem da distância dos hotéis em relação às praias. No entanto, mesmo na época alta, é possível encontrar hotéis muito baratos.

Segundo os turistas, é possível encontrar alojamento bom e barato na zona de Deira, no Dubai. Trata-se, na sua maioria, de hotéis de cadeia - Ibis, City Max e outros. As férias em Sharjah também são interessantes: os apartamentos e as praias locais são famosos pelos seus preços acessíveis com um serviço de qualidade.

Outra opção é Ras Al Khaimah. O arquipélago artificial de Al Marjan, no emirado mais a norte dos EAU, recebe dezenas de milhares de turistas todos os anos. Atualmente, a ilha alberga 45% de todos os quartos de 5 estrelas do emirado, através de cadeias hoteleiras locais e internacionais, como a Rixos, a Hilton e outras.

Ilha de Marjan, Ras Al Khaimah

Ilha de Marjan em Ras Al Khaimah

Foto de thenationalnews.com

Aqui estão algumas boas opções de hotéis:

  • O Majlis Grand Mercure Residence Abu Dhabi é um hotel metropolitano de 5 estrelas com piscinas exteriores, health clubs e restaurantes no local. Todos os quartos estão equipados de acordo com os requisitos de um apartamento de hotel superior. O acesso Wi-Fi e o estacionamento são gratuitos.
  • O Pullman Sharjah é um luxuoso arranha-céus de 5 estrelas em Sharjah. Os quartos com um design elegante e mobiliário caro estão equipados com todos os requisitos para quartos. As comodidades incluem uma piscina, um centro de fitness, um spa e um restaurante. O estacionamento e o acesso Wi-Fi são gratuitos.
  • O Crystal Plaza Hotel é um hotel de 3 estrelas com uma localização conveniente nos subúrbios de Sharjah, perto do mar e das atracções turísticas. Dispõe de quartos elegantes com camas confortáveis e outro mobiliário. O hotel tem um restaurante e um centro de fitness. Está disponível um serviço de transporte de/para o aeroporto.
  • O Al Nakheel Hotel Apartments é um hotel de 3 estrelas em Ras Al Khaimah. Com boas condições de vida, cada quarto tem uma casa de banho e uma cozinha com uma máquina de café. A Internet e o estacionamento são gratuitos.
  • O Grand Sina Hotel é um hotel de uma estrela em Deira, no Dubai. Os quartos com camas confortáveis, roupa de cama limpa e casas de banho podem acomodar várias pessoas. Existe um restaurante no rés do chão. O hotel fica perto de restaurantes e atracções.

Alugar uma casa nos Emirados Árabes Unidos é fácil - há muitas ofertas. Obviamente, é mais barato, e se se preocupa com comodidades como um centro de fitness ou uma piscina, esta opção é ideal para si. Serviços como o Airbnb ou o Booking.com oferecem muitas opções diferentes de proprietários fiáveis.

30 Curiosidades que no Sabías sobre Emiratos Árabes Unidos

Algo para ver?

Sabe o que é um luxo árabe? É o ouro vendido ao quilo e uma verdadeira estância de esqui no meio do deserto. Seria um trabalho longo e meticuloso enumerar todas as maravilhas que os Emirados impressionam os turistas de todo o mundo.

Uma montanha artificial de 280 pés de altura situada e que inclui um parque de neve adjacente, Dubai

Uma montanha artificial de 280 pés de altura situada no Dubai e que inclui um parque de neve adjacente

Foto de thesun.co.uk

Vamos destacar alguns dos pontos turísticos mais impressionantes - vamos lá!

Burj Khalifa

O edifício mais alto do mundo não foi construído algures nos Estados Unidos: o famoso Empire State Building perdeu este estatuto em 1970. Agora, o Burj Khalifa está em primeiro lugar - um monstro de 163 andares com uma altura de 828 metros, construído no Dubai em 2010.

A torre em forma de estalagmite alberga inúmeros escritórios, lojas, restaurantes e apartamentos de luxo. Outra razão para a visitar são as vistas deslumbrantes do Dubai a partir das plataformas de observação.

Burj Khalifa, Dubai

Burj Khalifa

Foto de visitdubai.com

Mercado do ouro do Dubai

De novo o Dubai - e mais uma vez um encanto que raia o choque. As jóias feitas de ouro branco, amarelo e até rosa vendidas em Deira parecem uma caverna cheia de tesouros de um conto árabe.

O ouro é mais barato aqui do que noutros países porque os Emirados não têm imposto de importação de ouro e os impostos sobre as jóias são muito baixos. Os preços dependem da cotação do ouro no dia. Os que não são indiferentes ao brilho dos metais preciosos vêm aqui de todo o mundo. Os residentes também vêm aqui muitas vezes, sobretudo noivas e noivos que procuram conjuntos de jóias de ouro importantes para os seus entes queridos.

Uma loja no Dubai Gold Souk

Fazer compras no Mercado do Ouro do Dubai

Foto de middle-east-online.com

Mesquitas

Cada mesquita dos Emirados Árabes Unidos é uma verdadeira obra-prima da arquitetura islâmica. São tradicionalmente construídas com as pedras mais caras, folhas de ouro e tapetes luxuosos.

A Grande Mesquita Sheikh Zayed é um milagre branco como a neve, construída em Abu Dhabi por iniciativa do primeiro presidente dos Emirados Árabes Unidos, que está aqui sepultado. Esta é a maior mesquita dos Emirados Árabes Unidos e uma das maiores do mundo: mais de 40.000 pessoas podem rezar aqui ao mesmo tempo. O interior da mesquita está coberto de tapetes que cobrem uma área de 5.627 metros quadrados e é iluminado por sete candelabros com milhares de cristais Swarovski.

É uma das poucas mesquitas abertas não só a muçulmanos, mas também a turistas de outras religiões.

Para ver a Mesquita Sheikh Zayed com os seus próprios olhos e ficar a olhar com uma admiração silenciosa, pode apanhar um autocarro ou um táxi. Horário normal de funcionamento: de sábado a quinta-feira, das 09:00 às 22:00. Na sexta-feira, dia de oração congregacional, a mesquita está aberta das 09:00 às 12:00 e reabre das 15:00 às 22:00. O horário também muda durante o Ramadão e alguns feriados públicos. A entrada é gratuita.

Mesquita do Xeque Zayed em Abu Dhabi

Mesquita Sheikh Zayed em Abu Dhabi

Foto de cnn.com

Há outra mesquita no Dubai que os turistas não muçulmanos podem visitar gratuitamente - Jumeirah. Aplicam-se aqui regras semelhantes: as visitas guiadas têm lugar diariamente (exceto à sexta-feira) às 10:00 e às 14:00. Jumeirah está localizado no distrito com o mesmo nome, não muito longe da praia, no lado leste.

A Mesquita de Jumeirah é a única mesquita do Dubai aberta a não muçulmanos

A Mesquita de Jumeirah, Dubai

Foto de cntraveler.com

Fortalezas e fortes

São memórias de batalhas e guerras que se travaram no território do futuro império do petróleo há vários séculos. As fortalezas e os fortes foram construídos em oásis que necessitavam de proteção contra ataques inimigos. Para a sua construção foram utilizados vários materiais, alguns dos quais bastante exóticos, como a pedra de coral, o gesso e a madeira africana.

Os locais de interesse a visitar incluem: o Forte Al Jahili (Al Ain), o Forte Ajman (Ajman), o Forte Al Fahidi (Dubai), o Castelo Masfoot (Ajman) e o Forte Dibba Al Hisn.

Forte de Al Jahili (Al Ain), Abu Dhabi, EAU

Forte de Al Jahili (Al Ain), Abu Dhabi

Foto de wikipedia.org

Ilha Sir Bani Yas

Uma viagem ao parque nacional, criado na ilha por ordem do Xeque Zayed bin Sultan Al Nahyan, é um verdadeiro acontecimento para quem não é indiferente à vida selvagem. O parque é o lar de muitas espécies de animais nativos da Península Arábica, incluindo tartarugas marinhas em perigo de extinção, gazelas da areia, ovelhas berberes, társios árabes e órix, bem como predadores e necrófagos em liberdade, como chitas e hienas listradas.

Anantara Sir Bani Yas Island Al Yamm Villa Resort, Emirados Árabes Unidos

Anantara Sir Bani Yas Island Al Yamm Villa Resort

Foto de visitabudhabi.ae

Embora a investigação e a conservação sejam uma parte significativa do desenvolvimento contínuo do parque, os visitantes podem desfrutar de passeios de caça, trilhos naturais, ciclismo de montanha e piqueniques.

O parque pode ser acedido de carro e depois de barco a partir de Jebel Dhanna (com uma escolha de táxis aquáticos pedestres e embarcações de desembarque de automóveis), ou diretamente de barco ou avião.

Parque Nacional Sir Bani Yas, Emirados Árabes Unidos

Parque Nacional Sir Bani Yas

Foto de visitabudhabi.ae

Safari de jipe no deserto

Este entretenimento é apenas para aqueles que querem fazer cócegas nos seus nervos. Os condutores, como é óbvio, são exclusivamente locais que conhecem a zona e todos os meandros da condução por dentro e por fora.

A areia pesada e solta está repleta de perigos - pode cair facilmente num buraco que se forma a qualquer momento no meio do seu caminho. Os caminhos percorridos na areia desaparecem quase imediatamente e só Deus sabe para onde ir a seguir. Mas o seu condutor pôs-se deliberadamente ao volante - ele safa-se de qualquer problema.

O risco de acidentes é também muito reduzido. Se sofre de enjoos, não se esqueça de tomar comprimidos antes de partir para o deserto. Num jipe, somos realmente atirados para trás e, por vezes, parece uma montanha russa. Além disso, tenha cuidado para não bater com a cabeça ou com as mãos nos vidros do carro. Esta é praticamente a única forma de se magoar.

Safari no deserto do Dubai, Emirados Árabes Unidos

Safari no deserto do Dubai

Foto de viajeleve.net

Um cachecol, um chapéu e uns óculos de sol são absolutamente indispensáveis para evitar a areia. Além disso, como a maioria dos desertos do mundo, pode ficar bastante frio quando o sol se põe. Não se esqueça de trazer uma camada extra de roupa para a noite.

Os safaris de jipe duram normalmente até uma hora e terminam com passeios de camelo, dança do ventre e jantar em aldeias beduínas. Os safaris realizam-se de manhã e à noite; o custo depende do que está incluído no programa.

O que comer?

Fazendo parte da cozinha da Arábia Oriental, a cozinha dos EAU tem semelhanças com as cozinhas dos países vizinhos, como Omã e Arábia Saudita, bem como a influência de várias cozinhas do Médio Oriente e da Ásia. Há dezenas de restaurantes em cada esquina que oferecem pratos de todo o mundo.

No entanto, nos Emirados Árabes Unidos, como em qualquer país islâmico, é necessário ter em conta as peculiaridades locais que estão diretamente relacionadas com as regras religiosas. Em primeiro lugar, os pratos à base de carne de porco não são servidos em todo o lado. Nos hotéis, o pequeno-almoço inclui frequentemente carne de vaca, borrego ou frango em vez de carne de porco. Se houver carne de porco, esta estará claramente identificada como tal. Alguns supermercados podem vendê-la numa secção separada.

Em segundo lugar, viajar para os Emirados Árabes Unidos durante o mês sagrado do Ramadão (abril-maio - é preciso seguir cuidadosamente o calendário islâmico) tem as suas particularidades. Os muçulmanos não podem comer ou beber antes do pôr do sol, pelo que não o devem fazer fora do hotel ou de casa. Também pode comer em alguns restaurantes e cafés que tenham cortinas ou persianas. A maioria dos locais está fechada durante o dia. No entanto, depois do pôr do sol, os empregados de mesa correm literalmente para servir as multidões de visitantes esfomeados.

As bebidas alcoólicas são normalmente servidas apenas em restaurantes e bares de hotéis. Todas as discotecas e clubes de golfe estão autorizados a vender álcool. Isto aplica-se a todos os emirados, exceto Sharjah, que é o único emirado que segue estritamente a lei islâmica.

O que provar nos Emirados Árabes Unidos? Claro, a carne. Os pratos de carne de vaca, borrego e frango surpreendem pela sua sofisticação, aroma e sabor. Experimente o guzi - borrego tenro cozinhado em lume brando com legumes e nozes.

Guzzi de borrego condimentado com arroz e legumes

Guzzi de borrego com arroz condimentado e arroz

Foto do sítio Web thehintofrosemary.com

Esta carne é servida numa travessa grande com arroz e guarnecida com ovos cozidos, cebolas estaladiças, limões e outros elementos complementares.

O Machboos, um prato de arroz nacional, é preparado de forma semelhante. Em geral, trata-se de um prato de arroz composto por carne, legumes e especiarias, disposto em camadas e cozinhado lentamente no forno. No entanto, cada família tem a sua própria receita de machbu, e até a mistura de especiarias pode variar.

Os amantes de peixe apreciarão o samak mashwi: trata-se de peixe grelhado com limão, azeitonas e especiarias numa marinada especial.

As sopas dos Emirados são muito ricas e satisfatórias: grão-de-bico, feijão, ervilhas e batatas são frequentemente adicionados ao caldo.

Os petiscos na mesa dos Emirados são frequentemente representados por mezze. Trata-se de pequenas tigelas e pratos com pedaços de carne e queijo, molhos, saladas e legumes. Não deixe de provar o hummus - puré de grão-de-bico cozido com tahini (pasta de sésamo), azeite e especiarias.

Mezze em Abu Dhabi

Mezze

Foto de timeoutabudhabi.com

Os doces orientais são a sobremesa perfeita. Muitos deles já nos são familiares - lukum, halva, tâmaras. No entanto, há sobremesas menos conhecidas (mas não menos deliciosas): Aish El Saraiya (pudim de pão), Luqaimat (bolas de massa estaladiça), Batheetha (bolas de pasta de tâmaras). Acompanhe tudo isto com um Şərbət, uma bebida de fruta diabolicamente doce, ou uma chávena de café ou chá forte.

Tarte de queijo Aish el Saraya com natas

Tarte de queijo com natas Aish el Saraya

Foto de thenationalnews.com

Os Emirados Árabes Unidos são o local ideal para todos aqueles cuja alma anseia por maravilhas, luxo e a beleza radiante da vida. Aqui, como em nenhum outro lugar, torna-se subitamente claro: todos os sonhos se tornam realidade - basta querer muito.