Locais

Bélgica

by  Olivia Sousa

Conteúdo
Bandeira da Bélgica

Situada no noroeste do continente europeu, a Bélgica é um pequeno país. O seu nome oficial é Reino da Bélgica.

Informações gerais

Apesar da sua dimensão modesta, o Reino da Bélgica destaca-se no mapa europeu. Isto deve-se ao facto de ser considerado o centro político da Europa. A Bélgica tem uma população de aproximadamente 11.592.952 habitantes. A sua capital é a cidade de Bruxelas. O Reino da Bélgica é uma monarquia constitucional e é um dos Estados mais estáveis e financeiramente seguros da Europa. O país é membro da UE, da ONU e da NATO.

A Bélgica é considerada um Estado multinacional com uma representação religiosa, racial e nacional diversificada.

DICAS DE VIAGEM À BÉLGICA PARA OS PRIMEIROS A CHEGAR | 20+ coisas que deve saber antes de visitar a Bélgica + o que não deve fazer!

História da Bélgica

No início da nossa era, o território da Bélgica moderna era habitado pela tribo Belgae, de origem celta. Em 54 a.C., o território na parte norte da Gália foi capturado pelo exército de Júlio César. Após a queda do Império Romano do Ocidente, no século V, esta região tornou-se um refúgio para as tribos germânicas dos francos, que fundaram o seu reino na Gália. Estes fundaram o seu reino na Gália.

Nos séculos XIII-XIV, a França e a Grã-Bretanha lutaram pelo território da atual Bélgica. Na Idade Média, o Estado fazia parte do Ducado da Borgonha.

Em 1477-1556, Maria de Borgonha contraiu um matrimónio dinástico que integrou a Bélgica no Sacro Império Romano-Germânico.

De 1556 a 1713, o país foi governado pelos espanhóis. Uma batalha militar que durou oito anos levou à autonomia dos territórios belgas. O Estado separou-se dos Países Baixos protestantes.

E, de 1556 a 1713, voltou a ser considerado parte do Sacro Império Romano-Germânico. Nessa altura, o território da Bélgica moderna era designado por Países Baixos austríacos.

De 1792 a 1815, o país foi governado pelos franceses.

De 1815 a 1830, a Bélgica fez parte dos Países Baixos, de acordo com a decisão tomada no Congresso de Viena. A este respeito, é oportuno recordar a declaração de Johan van Deneks, chefe do departamento de segurança económica da Heineken: “Os belgas são os mesmos holandeses, só que mais pequenos. Os chamados pequenos holandeses”.

O Reino Unido dos Países Baixos com o Ducado do Luxemburgo, 1815

O Reino Unido dos Países Baixos com o Ducado do Luxemburgo

Captura de ecrã da Wikipédia

No entanto, nem todos os belgas ficaram satisfeitos com a adesão forçada aos Países Baixos. A parte francófona da população e os representantes do clero católico protestaram. Receavam o crescente domínio da língua neerlandesa e, sobretudo, da fé protestante.

Em setembro de 1830, ocorreram acontecimentos revolucionários na Bélgica, em resultado dos quais o país deixou de fazer parte do Reino dos Países Baixos e adquiriu um estatuto de independência. O Estado era considerado um reino neutro. Era chefiado pelo monarca Leopoldo I (que recebeu o estatuto real em 1831), representante da dinastia Saxe-Coburgo-Gotha.

No século XIX, a Bélgica conheceu um rápido desenvolvimento económico. Tornou-se o primeiro país da Europa continental a construir um caminho de ferro. Este importante acontecimento teve lugar em Mechelen-Brussel, em 1835.

No final do século XIX, o Reino da Bélgica tornou-se uma potência colonial. No período de 1885-1908, o Congo fazia parte das possessões do monarca belga Leopoldo II. Através da exploração desta colónia, o país acumulou capital e desenvolveu a indústria.

A Primeira Guerra Mundial causou grandes danos à Bélgica. A maior parte do país foi ocupada, mas uma parte mais pequena foi mantida pelas tropas britânicas e locais. Tratava-se da zona entre o Mar do Norte e o rio Isère.

Soldados numa trincheira, Bélgica

Soldados numa trincheira

Captura de ecrã da Wikipédia

Os combates levaram à destruição quase total da cidade de Ypres. Foi aqui que o gás tóxico cloro foi utilizado pela primeira vez na história da guerra.

Em abril de 1925, a Bélgica e os Países Baixos reviram o acordo de 1839, concluindo um novo acordo que anulava a neutralidade de longa data do reino belga. Este acordo incluía a desmilitarização do porto de Antuérpia.

Em 1940-1944, durante a Segunda Guerra Mundial, a Bélgica foi governada pelos alemães. Os funcionários do governo foram obrigados a fugir para o Reino Unido e o monarca Leopoldo III foi deportado para a Alemanha, onde assinou a lei de rendição no final de maio de 1940.

O regime militar alemão foi introduzido na Bélgica, chefiado pelo General von Falkenhousen.

O país foi libertado do domínio nazi pelas tropas britânicas em setembro de 1944. Em 11 de fevereiro de 1945, foi formado um governo, chefiado pelo socialista de direita van Acker.

Uma multidão saúda as tropas britânicas que entram em Bruxelas

Uma multidão saúda as tropas britânicas que entram em Bruxelas em 4 de setembro de 1944

wikipedia.org

O dia 4 de abril de 1949 é considerado uma data importante na história do Reino da Bélgica. Neste dia, o país aderiu à NATO.

Em 1957, passou a fazer parte da Comunidade Económica Europeia (CEE).

Em 31 de julho de 1993, o monarca Balduíno faleceu e foi sucedido por Alberto II, que era o irmão mais novo do antigo rei.

Em 2001, o príncipe herdeiro Philip e a sua mulher deram à luz o primeiro herdeiro que deu continuidade à linhagem familiar.

Em 2003, Guy Verhofstadt ganhou as eleições legislativas.

No mesmo ano, a Bélgica tornou-se o segundo país do mundo a permitir por lei o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Os Países Baixos foram o primeiro país a tomar esta decisão.

No início de 2006, o Reino da Bélgica assumiu a presidência da OSCE.

No final de 2008, o Primeiro-Ministro Yves Leterme demitiu-se devido ao escândalo relacionado com a venda da grande empresa financeira Fortis. Foi substituído por Herman van Rompuy, que lidera o Partido Democrata Cristão Flamengo.

No verão de 2010, realizaram-se eleições legislativas antecipadas, mas o governo não chegou a ser formado. A Bélgica passou 450 dias sem governo, o que constitui um recorde mundial.

Em 6 de dezembro de 2011, o novo governo, chefiado por Hélio di Rupo, foi empossado pelo monarca.

Geografia

A Bélgica está dividida em três zonas geográficas:

  • litoral;
  • média;
  • terras altas.

A zona costeira é a mais baixa e é formada principalmente por dunas e pólderes.

A zona média é a mais fértil e plana.

A zona alta é uma região com numerosas florestas, a parte menos povoada do país, que atrai turistas.

A superfície total do Reino da Bélgica é de 30.528 quilómetros quadrados. Tem como vizinhos os Países Baixos a norte, a Alemanha a leste, o Luxemburgo a sudoeste e a França a sul e a oeste.

A noroeste, o país é banhado pelas águas do Mar do Norte.

Clima na Bélgica

O clima no reino da Bélgica é ameno e pertence ao tipo marítimo. Em julho, a humidade aumenta acentuadamente e a temperatura média varia entre +18 graus.

Os Invernos neste país podem ser descritos como chuvosos e frescos, devido ao sopro constante dos ventos vindos do mar. A neve raramente cai na Bélgica, mas pode esquiar se quiser, embora tenha de se deslocar às Ardenas, uma zona alta. Nas planícies, há anos que não cai neve.

Língua e moeda

Até 2002, o país tinha duas moedas: o franco belga e o euro. Gradualmente, a moeda europeia substituiu completamente a primeira.

O euro

Euro

Foto de Immo Wegmann no Unsplash

É de salientar que, em cada região do reino belga, os residentes falam a sua própria língua. Na parte sul do país, o francês é utilizado, embora os habitantes locais possam mudar para o inglês se necessário, embora com relutância. Poucas pessoas nesta região falam a língua de Shakespeare a um nível decente. Na Flandres, a língua flamenga é honrada, sendo o seu antepassado um dos dialectos holandeses.

A população de Bruxelas fala flamengo e francês. Os habitantes da capital continuam a preferir a segunda opção. No leste do país, perto de Liège, o alemão é considerado a língua favorita.

Como lá chegar?

Existem várias formas de ir de Portugal para a Bélgica, incluindo avião, comboio, autocarro e carro. Vamos dar uma vista de olhos a cada uma delas, juntamente com os custos e tempos de viagem aproximados:

  1. Avião:

    Tempo de viagem: Um voo direto de Lisboa para Bruxelas demora normalmente cerca de 2,5 a 3 horas.

    Custo: O custo dos bilhetes de avião pode variar consoante a companhia aérea, a sazonalidade e o momento da reserva. Normalmente, o preço pode variar entre 100 e 300 euros para uma viagem de ida.

  2. Comboio:

    Tempo de viagem: Viajar de Lisboa para Bruxelas de comboio demora normalmente cerca de 20-24 horas, com transferes.

    Custo: Os bilhetes de comboio podem custar entre 150 e 300 euros por trajeto. Os preços podem variar consoante o tipo de comboio e a classe de serviço.

  3. Autocarro:

    Duração da viagem: A viagem de autocarro pode demorar cerca de 30 a 36 horas, com transbordos.

    Custo: Os bilhetes de autocarro são normalmente os mais baratos, mas podem ser a forma mais longa de viajar. Os preços podem começar a partir de 100 euros por trajeto.

  4. Automóvel:

    Tempo de viagem: A duração da viagem de carro depende dos pontos exactos de partida e chegada, bem como das condições da estrada. Normalmente, pode demorar cerca de 20-30 horas.

    Custo: O custo da viagem de carro inclui o combustível, as portagens e o alojamento durante as paragens periódicas. Pode variar entre 500 e 1000 euros ou mais por trajeto.

Antes de escolher uma forma de viajar, é importante ter em conta o tempo, a conveniência, o orçamento e as suas preferências. Tenha também em conta que estes custos e tempos de viagem são aproximados e podem variar em função de vários factores.

Hotéis

Os viajantes estão interessados não só em saber como chegar à Bélgica, mas também onde ficar. Aqui estão alguns hotéis populares com o custo médio por noite:

  1. Vintage Hotel Brussels - 166 euros.
  2. Van Der Valk Hotel Gent - 209 euros.
  3. Thon Hotel Bristol Stephanie - 265 euros.
  4. Novotel Brussels City Centre Hotel - 201 euros.
  5. Ibis Brussels Centre Gare Midi - 172 euros.

O Vintage Hotel Brussels está localizado em Bruxelas e é um pequeno mas muito acolhedor boutique hotel. Cada quarto tem uma casa de banho privativa, uma televisão de ecrã plano e acesso Wi-Fi gratuito. A Galerie La Forest Divonne está localizada perto do hotel. Este hotel é escolhido por muitos viajantes, considerando-o uma das melhores opções em termos de relação qualidade/preço.

Vintage Hotel Bruxelas, Bélgica

Vintage Hotel Bruxelas

captura de ecrã de vintagehotel.co.uk

O Van Der Valk Gent Gent é um hotel de 4 estrelas localizado a 5 minutos de carro do Jardim Botânico da Universidade de Ghent, que é considerado um paraíso natural. O Museu Municipal de Arte Moderna fica a 1,5 km. Os hóspedes podem utilizar os serviços de banho turco, banho de vapor e sauna.

O Thon Bristol Stephanie é um hotel de 4 estrelas localizado na capital belga, na famosa avenida comercial Avenue Louise, a 600 metros do metro. O hotel tem um restaurante que serve cozinha francesa sazonal. Todos os quartos são insonorizados e têm televisões com tecnologia Smart TV. O acesso Wi-Fi gratuito e a sauna de infravermelhos estão disponíveis para os hóspedes. Existe um parque de estacionamento vigiado com uma estação de carregamento para veículos eléctricos nas imediações do hotel. O Museu Casa Victor Horta fica a 900 metros e o Museu Magritte está a 1,5 km.

O Novotel fica apenas a 5 minutos a pé da Grand Place. Os hóspedes são acomodados em quartos modernos e o hotel tem um spa e centro de fitness, uma piscina interior com hidromassagem, um banho turco e uma área de relaxamento. Os hóspedes podem utilizar o acesso Wi-Fi gratuito e encomendar comida e bebidas para os seus quartos 24 horas por dia.

O ibis Brussels Centre Gare Du Midi está localizado em frente à Estação Ferroviária do Sul da capital belga, de onde partem os comboios Thalys e Eurostar. O acesso Wi-Fi gratuito está disponível e a receção está aberta 24 horas por dia. Todos os quartos são modernos e têm uma casa de banho privativa com um chuveiro.

ibis Brussels Centre Gare Du Midi, Bélgica

ibis Brussels Centre Gare Du Midi

captura de ecrã de ahstatic.com

O restaurante do hotel está decorado em estilo bistro e serve cozinha internacional tradicional. O bar tem uma grande seleção de bebidas, incluindo cerveja belga.

Acampar na Bélgica

À chegada à Bélgica, os viajantes ficam alojados não só em hotéis, mas também em parques de campismo. Vamos destacar alguns desses locais.

Nome do parque de campismo

Preço

Camping de Chenefleur

207,5-428,5 euros

Camping Floreal La Roche-en-Ardenne 1

98-335 euros

Parque de campismo Sandaya Parc La Clusure

151-212 euros

Parque de campismo Ardennen Bertrix

189-377,5 euros

Parque de campismo Hohenbusch

232-540 euros

Os preços são por semana, com uma taxa turística suplementar de 1-2 euros.

O Camping de Chenefleur é um parque de campismo de dimensão média com 243 lugares. Existe um passeio marítimo com uma praia a 50 metros de distância.

Camping de Chenefleur, Bélgica

Camping de Chenefleur

captura de ecrã de chenefleur.be

O Camping Floreal La Roche-en-Ardenne 1 é um grande parque de campismo com 338 campos e acesso Wi-Fi disponível em quase todos os locais. Estão disponíveis serviços de animação para os viajantes que decidam ficar aqui.

Parque de campismo Floreal La Roche-en-Ardenne 1, Bélgica

Parque de campismo Floreal La Roche-en-Ardenne 1

captura de ecrã de florealgroup.be

O Camping Sandaya Parc La Clusure é um grande parque de campismo com 428 campos e um passeio marítimo e uma praia a 50 metros. Os benefícios adicionais incluem acesso Wi-Fi.

Parque de campismo Sandaya Parc La Clusure, Bélgica

Parque de campismo Sandaya Parc La Clusure

captura de ecrã de eurocampings.co.uk

O Ardennen Camping Bertrix é um dos maiores parques de campismo da Bélgica, com 510 parcelas, ideal para os veraneantes, incluindo famílias com crianças.

Parque de campismo das Ardenas Bertrix

Ardennen Camping Bertrix

captura de ecrã de bestcamp.co.uk

O Camping Hohenbusch é um parque de campismo de média dimensão com 182 campos em Liege-Burg-Reuland, que tem uma localização conveniente.

Parque de campismo Hohenbusch, Bélgica

Parque de campismo Hohenbusch

captura de ecrã de campinghohenbusch.be

Os sítios mais bonitos da Bélgica

Há muitos lugares bonitos na Bélgica e a maior parte deles pode ser vista gratuitamente. O país tem praias com belas paisagens, museus e monumentos arquitectónicos. Aqui estão os locais mais populares recomendados para os viajantes.

Antuérpia

Antuérpia é uma bela cidade situada na província com o mesmo nome. Pertence à região histórica da Flandres, na parte norte do país. Fica a cerca de 15 km da fronteira com os Países Baixos. Antuérpia situa-se nas margens do rio navegável Scheldt, que desagua no Mar do Norte. É considerado um dos maiores portos comerciais do mundo.

Antuérpia, Bélgica

Antuérpia

Foto de Ernest Auger no Unsplash

Este é um dos mais importantes centros de comércio de pedras preciosas do mundo, nomeadamente de diamantes. Os diamantes são lapidados aqui. Antuérpia tem um grande número de lojas de joalharia.

Pode começar a fazer compras logo na Estação Central. Durante a Idade Média e o Renascimento, a cidade foi o lar de artistas, arquitectos e escritores talentosos. Desde o final do século passado, tem sido um centro de moda de vanguarda, competindo com Paris, Londres e Nova Iorque.

O centro histórico da cidade de Antuérpia situa-se na margem direita. À esquerda, encontra-se o moderno bairro de Linkeruwer. Oferece uma boa vista da via navegável e dos edifícios antigos. Acima deles ergue-se a torre da catedral, que representa a prosperidade da cidade no século XVI, bem como a Torre Borenbond, que é considerada o primeiro arranha-céus do Reino da Bélgica a ser construído em estilo Art Deco.

A Cidade Velha está ligada a Linkereweer pelo túnel de Santa Ana, com 572 metros de comprimento, que foi construído sobre o rio Escalda em 1933. São utilizadas escadas rolantes de madeira para descer ao túnel.

Túnel de Santa Ana, Antuérpia

Túnel de Santa Ana

Foto de Liselotte De Bee no Unsplash

Antuérpia preservou antigas muralhas de pedra na zona do cais. E o edifício mais antigo da cidade é o mini-castelo das Muralhas, construído no século XIII e fortemente reconstruído no século XIX.

Outras atracções de Antuérpia incluem o Museu MAS no Rio. Está localizado num edifício chamado Torre de Babel.

Costa flamenga

A região flamenga da Bélgica tem cinco províncias do norte e quase todos os residentes falam holandês. Os turistas vêm aqui pelo sol, mar e praias. A área total da Flandres é de 13.522 km², o que corresponde a cerca de 44% de todo o território do Reino da Bélgica.

Existem muitas cidades turísticas na costa, as mais famosas das quais são:

  • De Panne
  • Nieuwpoort
  • Ostende
  • De Haan
  • Knokke Heist
Knokke Heist, Bélgica

Knokke Heist

captura de ecrã de tripadvisor.co.uk

Toda a costa está repleta de hotéis, alguns dos quais parecem castelos, moradias modernas, casas pequenas mas muito bonitas. Os eléctricos circulam ao longo da costa flamenga, parando em todas as povoações com ligações ferroviárias.

Entre Ostende e Westende, o elétrico vai diretamente para a zona da praia. A estrada que corre ao longo do mar e que tem quatro faixas de rodagem paralelas é designada por Estrada Real.

Em Ostende, a extensão da faixa de praia é de 9 km. Está coberta de areia fina. Não só os belgas, mas também cidadãos de outros países vêm aqui passar férias. A residência de verão do monarca belga situa-se aqui e a estância é designada como o “Rei das Cidades Costeiras”.

Um rapaz a mijar em Bruxelas

O Rapaz Mijão é o principal símbolo do Reino da Bélgica e da sua capital. O nome deste monumento já se tornou um nome familiar. Veste-se regularmente com um fato especial. O guarda-roupa do mijão inclui mais de 700 fatos.

Existem outras fontes de mijo em Bruxelas, mas esta é especial. Pessoas de outros países já ouviram falar dela e há muitas histórias sobre a origem deste monumento. Uma das lendas mais fabulosas fala de um rapaz travesso que não hesitou em aliviar-se no alpendre da casa de uma fada. A dona da casa ficou furiosa e, como castigo, transformou o rapaz numa estátua que está sempre a urinar.

Bruxelas, Bélgica

Bruxelas

Foto de Bibhash (Polygon.Cafe) Banerjee no Unsplash

Há outras versões, uma das quais está associada a um feito. Alegadamente, foi assim que o rapaz apagou os pavios dos obuses colocados pelo inimigo dentro da cidade. Foi feita uma estátua com uma fonte em memória do herói.

Os investigadores estão inclinados a acreditar que o rapaz que urina deve o seu aparecimento ao escultor Jerome Duquenois, seu pai. O cliente é desconhecido. O mais provável é que o monumento tenha sido feito em 1619, embora, segundo outra versão, isso tenha acontecido em 1388. O seu aspeto moderno surgiu definitivamente no século XVII, graças a Duquesne.

O nome do brincalhão belga é Julien, e a sua roupa é escolhida com muito cuidado. Todos podem participar na mudança de roupa do rapaz. Muitas vezes, veste-se com os trajes nacionais dos países que têm relações amigáveis com a Bélgica.

Bruxelas, Bélgica

Bruxelas

Foto de Marius Badstuber no Unsplash

É de salientar que, nos feriados, a “torneira” de Julien não deita água, mas sim cerveja ou cidra. A degustação destas bebidas é gratuita para os turistas que se encontram nas proximidades, e todos podem participar nas celebrações juntamente com os belgas.

A estátua do rapaz mijão está situada perto da Grand Place, no cruzamento das ruas Bath e Oak.

Bruges

A antiga cidade de Bruges tem uma história interessante, com edifícios da era medieval preservados quase na sua forma original. Esta povoação é um importante centro económico da região. Os turistas vêm aqui para mergulhar na história. Na capital da Flandres, os viajantes podem ver um conjunto único que serve de referência à Idade Média. Trata-se de uma combinação espantosa de características inerentes à arquitetura antiga.

Bruges, Bélgica

Bruges

Foto de Libby Penner no Unsplash

O pequeno centro histórico é o lar de muitas atracções:

  • igrejas antigas;
  • o pitoresco conjunto da praça do mercado com a magnífica câmara municipal e a torre de vigia do Belfort;
  • um maravilhoso bairro com canais e edifícios antigos.

Os turistas são atraídos pelas ruas acolhedoras e pelo espírito da antiguidade.

A cidade parece ter saído de um conto de fadas: tudo aqui parece uma marioneta. Recomenda-se começar um passeio pela cidade a partir da Praça do Mercado, entrando mais profundamente na cidade para mergulhar na atmosfera do passado. Não deixe de dar um passeio ao longo dos canais, pois a cidade parece diferente a partir da água. Há também mais de dez museus em Bruges que também valem a pena visitar.

Existem também outras atracções dignas de nota na Bélgica:

  1. Grutas de Han
  2. Hallerbosch
  3. Liège
  4. Dinant
  5. Parque Natural de Hoge Venen

10 melhores sítios para visitar na Bélgica

Gastronomia

Quase todos os viajantes que visitam a Bélgica querem experimentar os pratos locais. A cozinha deste país é uma miscelânea. Inclui pratos holandeses, alemães e franceses. É complementada por tradições culinárias regionais: comida rústica, porções enormes (servidas na Flandres). A maioria dos restaurantes com estrelas Michelin na Bélgica situa-se nesta região.

Na Valónia, a ênfase é colocada na escola de culinária francesa, e aqui pode saborear o presunto e os queijos das Ardenas.

As batatas fritas são consideradas o rei da mesa local. Esta iguaria é servida como acompanhamento e como prato independente. Particularmente populares são as batatas fritas com mexilhões, regadas com molho picante ou cerveja.

Belgische "Stoofvlees met frieten"

Os belgas também gostam muito de sopas de legumes com natas e gema de ovo.

Respeitam igualmente os diferentes tipos de carne:

  • coelho estufado em cerveja ou natas;
  • carne de vaca à moda flamenga;
  • almôndegas de Liège;
  • faisão de Brabante.
Faisão de Brabante, prato belga

Faisão de Brabante

captura de ecrã de recipes.co.uk

Estes pratos são servidos em quase todos os cafés locais. Os habitantes da costa apreciam muito o marisco e o peixe, que são frequentemente cozinhados em cerveja.

Os belgas comem apenas legumes da época cultivados nos campos locais. Gostam não só de batatas, mas também de espargos, couves-de-bruxelas, couve-rábano e feijão.

E quanto às sobremesas - as confeitarias belgas são o sonho de qualquer guloso. Vendem dezenas de tipos de chocolate, pralinés, todo o tipo de bolos, os famosos cuberdons de Gante (a sua composição específica torna-os difíceis de transportar, e estas iguarias só podem ser provadas na Bélgica) e waffles.

Waffles de Bruxelas, Bélgica

Waffles de Bruxelas

Pinterest

A cerveja é considerada a bebida mais popular, e é quase impossível prová-la fora do país. É de salientar o álcool belga único, Genebra, que é considerado o antepassado do gin. É um produto nacional e, para além da Bélgica, também é produzido nos Países Baixos, na Alemanha e em várias províncias francesas. Contém bagas de zimbro e várias especiarias.

Os belgas também respeitam o vinho, especialmente o vinho branco.

A Bélgica é um país que atrai turistas de muitos países diferentes, incluindo os Países Baixos. Há definitivamente algo para ver no país, e há muitos lugares interessantes no território deste país. Não admira que este país seja considerado um dos melhores sítios para viver na Europa. Planeie a sua viagem com antecedência para ver o máximo possível.