Pessoas

Vasco da Gama

Vasco da Gama foi um eminente navegador português que descobriu o caminho marítimo para a Índia. Como foi a primeira e a segunda viagem às costas indianas, atravessando o Cabo da Boa Esperança.

by  Rodrigo Santos

UPD:
Vasco da Gama

Vasco da Gama

Vasco da Gama é uma personalidade bastante famosa, conhecido como um descobridor notável e um colonizador sangrento. Os seus feitos de vida são grandes e contribuiu muito para a história e geografia portuguesas. Gama teve sete filhos, entre os quais seis filhos e apenas uma filha. Em diferentes épocas históricas foi representado em moedas e notas de banco. Este facto confirma mais uma vez a importância de Vasco da Gama para a história. O navegador foi sepultado em Mosteiro dos Jerónimos, onde existe até um Museu Marítimo que lhe é dedicado. Vasco da Gama dedicou quase toda a sua vida a novas descobertas. Quase todas as suas viagens foram bem sucedidas, embora tenham sido acompanhadas de muitas dificuldades.

Início da sua vida e educação

O futuro navegador nasceu na pequena cidade costeira de Sinish, a 22 de novembro de 1469. A sua família pertencia a uma antiga família aristocrática. O pai de Vasco era um ávido viajante. Aparentemente, esta paixão foi-lhe transmitida por herança.

O navegador teve uma excelente educação. Na sua infância e adolescência, estudou várias disciplinas que lhe seriam úteis no futuro - matemática, navegação, astronomia e inglês. Depois de terminar os estudos e entrar para a Ordem de Santiago, Vasco participou em batalhas.

Desde criança que sonhava em viajar pelos mares e, já adulto, realizou plenamente esse sonho.

Vasco da Gama a sair do porto de Lisboa, Portugal

Vasco da Gama a sair do porto de Lisboa, Portugal

SCREENSHOT

Procura de um caminho marítimo para a Índia

Muitos anos antes do nascimento de Vasco da Gama, Portugal, o seu país natal, tinha como objetivo traçar um caminho para a Índia. Naqueles anos, a existência do "estado das especiarias" já era conhecida, mas não existia uma rota marítima comprovada e mapeada. Por esse motivo, os habitantes do continente europeu eram obrigados a pagar somas avultadas por mercadorias provenientes de terras indianas.

O facto de Portugal ter uma posição geográfica específica também desempenhou um papel importante. Estava situado a uma certa distância das rotas comerciais europeias. No entanto, tinha uma atitude favorável em relação à localização da Índia.

As primeiras tentativas de estabelecer uma rota para as terras da Índia foram efectuadas em 1415. Durante oitenta anos, os viajantes portugueses entraram várias vezes em águas meridionais e chegaram mesmo a visitar o equador. Mas, nessa altura, não conseguiram encontrar a Índia.

Os maiores feitos neste sentido podem ser atribuídos a Bartolomeu Dias. Foi o primeiro a circum-navegar toda a África. Graças a esta viagem, conseguiu provar que o continente africano não termina no pólo sul. Naqueles anos, pensava-se que era assim. Durante esta viagem, foram efectuadas importantes descobertas meteorológicas e geográficas. Díaz, por exemplo, registou o modelo de navio necessário para explorar o hemisfério sul.

Em 1488, foi efectuada outra descoberta importante, o Cabo da Boa Esperança. Ao mesmo tempo, os viajantes circum-navegavam o continente africano e encontravam-se no Oceano Índico. Depois, tiveram de regressar porque os marinheiros insistiam em voltar para trás devido à falta de provisões alimentares. Guiado pelas descobertas e realizações de Dias, o monarca D. João II começou a pensar numa nova expedição. A partir desta altura, iniciaram-se em Portugal os preparativos para uma das mais importantes excursões à costa do Índico da sua história.

Antecipando a grande viagem, foram projectadas quatro naus. Como era costume, foram equipadas com numerosos canhões. O monarca afectou a esta viagem os aparelhos de navegação mais modernos da época, com mapas. Para além dos marinheiros e dos capitães, foram enviados para a expedição intérpretes, um observador de estrelas, um escriba e um escrivão da igreja.

É de salientar que alguns dos membros da tripulação eram criminosos condenados. Os seus serviços foram utilizados para tarefas perigosas e para fins de informação.

Travessia do Cabo da Boa Esperança

A travessia do Cabo da Boa Esperança foi conduzida por Vasco da Gama. Durante esta excursão, os navegadores fizeram muitas descobertas e também enfrentaram muitas dificuldades.

Um facto interessante! Na primeira viagem à Índia, Vasco da Gama partilhou o título com um irmão mais velho chamado Paulo.

As aventuras marítimas dos descobridores no caminho foram realmente emocionantes.

A expedição começou no verão de 1497. Os navios contornaram as Canárias e passaram pelo norte de África. Depois, durante três meses, estiveram em águas oceânicas, viajando para sul.

Novembro não foi um mês fácil para toda a expedição. Os navios foram apanhados por uma violenta tempestade. Os danos foram tão graves que os navios precisaram de ser reparados. A reparação foi efectuada numa das baías africanas. Nessa altura, os casos de escorbuto tornaram-se mais frequentes entre a tripulação. Naquela altura, um grande número de pessoas morria da doença. Entre os marinheiros que tentavam chegar à Índia, também houve vítimas.

Um navio ficou tão danificado que não pôde ser reparado. Os portugueses decidiram queimar o navio. A sua tripulação foi distribuída pelos três navios sobreviventes.

Durante os meses seguintes, os portugueses navegam ao longo das costas de África. Pararam duas vezes para reparações e para reabastecer de alimentos. O resto da viagem decorreu sem incidentes, mas só até certo ponto.

Fevereiro de 1498 é um mês difícil para os marinheiros portugueses. Duas escaramuças esperavam-nos: uma com os árabes e outra com os moçambicanos. Os portugueses conseguiram esmagar os navios dos primeiros, tendo a tripulação sido parcialmente capturada. Quanto aos segundos, os europeus não ficaram satisfeitos com a sua atitude inóspita. Por esse motivo, os portugueses bombardearam as costas vizinhas de Moçambique.

No final da primavera, os navios europeus chegam pela primeira vez às costas do Índico. Trata-se de um acontecimento histórico importante, que se realizou graças à persistência dos portugueses. Desembarcaram na cidade portuária de Calicute.

Os indianos acolheram os europeus como convidados de honra. Até lhes deram autorização para abrir um pequeno porto para fins comerciais. Os produtos da Europa não eram procurados na "terra das especiarias". Em breve, os viajantes regressaram à sua terra natal.

O caminho de regresso passava pelas costas africanas. Os viajantes passaram por momentos difíceis, foram atacados por piratas, os membros da tripulação foram infectados com doenças perigosas. Apenas um terço da expedição chegou a Lisboa, e apenas dois navios. Um deles foi queimado pelos portugueses durante o trajeto devido às numerosas vítimas mortais.

Apesar das muitas baixas, a viagem foi considerada um grande sucesso. Os objectivos estabelecidos foram alcançados. Os viajantes estabeleceram um caminho marítimo para a Índia. Na própria "terra das especiarias", venderam bastantes mercadorias. As receitas não só cobriram todos os custos da viagem, como também os portugueses tiveram lucro.

O rei de Portugal ficou muito satisfeito com os resultados da expedição e, sobretudo, com o capitão Vaska da Gama.

Mapa de viagem de Vasco da Gama

Mapa de viagem de Vasco da Gama

SCREENSHOT

Segunda viagem à Índia e exploração lendária

Vaska da Gama desempenhou um papel fundamental na exploração e expansão da influência portuguesa na Índia.

No início de 1502, o monarca decidiu novamente encarregá-lo da viagem às terras da Índia. Desta vez, foi planeada uma expedição ainda maior. Participaram nela cerca de 20 navios. Metade deles era comandada pelo "Almirante do Oceano Índico".

Os viajantes chegaram ao seu destino muito mais depressa do que da última vez. Chegaram às costas da Índia em outubro de 1502. A partir das histórias sobre esta expedição, torna-se claro porque é que Vasco da Gama ficou conhecido como um colonizador sangrento.

Ao chegarem à Índia, os portugueses começaram a massacrar os habitantes locais e a destruir a cidade. Pode ler mais sobre essas atrocidades no livro do escritor Gaspar Correira "Lendas da Índia". Os membros da expedição, liderada por Vasco da Gama, cortaram membros e cabeças de índios. Um dos momentos que o escritor descreveu foi o seguinte:

800 habitantes da Índia, privados das mãos e com os pés atados, foram amontoados num navio, após o que cometeram fogo posto, lançando-os ao mar

Para cúmulo, os portugueses também abriram fogo contra o navio.

Todas as suas execuções dos nativos foram muito cruéis. E prolongaram-se por vários meses. No outono de 1503, os conquistadores regressaram à sua terra natal.

Durante as duas décadas seguintes, a política dos portugueses para com os índios foi muito dura. O próprio Vasco da Gama foi conselheiro no processo de colonização.

Regresso e legado

O capitão da expedição que abriu o caminho marítimo para a Índia recebeu o título em 1524. Ficou conhecido como vice-rei da Índia. Tenciona visitar o país mais uma vez. A influência de Vasco da Gama na investigação geográfica e nas expedições marítimas é enorme.

Este homem era muito ambicioso por natureza. Não só queria viajar e fazer novas descobertas, mas também receber uma recompensa digna pelas suas actividades. De regresso da primeira expedição à Índia, Vaska da Gama pediu para ser nomeado senhor feudal de Sinish. A cidade era então governada pela Ordem de James. Da Gama era membro desde a sua juventude. A Ordem opõe-se a esta nomeação. O monarca de Portugal toma o partido do viajante. Da Gama considera tal atitude ofensiva e decide ir para a Ordem de Cristo.

A segunda viagem à Índia sob o seu comando foi a mais atroz. Imediatamente após o seu regresso, não lhe foram atribuídas quaisquer honras, limitando-se a um aumento da sua pensão. O título de conde e terra só lhe foi concedido 16 anos mais tarde. Na expedição seguinte, da Gama foi acompanhado pelos seus filhos, dois dos seis. O principal objetivo da viagem era regular os colonizadores. Mas os portugueses não foram capazes de governar a Índia, devido à ganância excessiva e à falta de experiência. Da Gama recebe então o honroso título de vice-rei. Quando chega aos seus novos domínios, resolve os problemas de gestão da forma mais dura possível.

A Índia e Portugal estavam em conflito há vários anos. Os europeus enviam todos os anos expedições para as águas meridionais. Os índios reagiram à dureza atacando regularmente as caravelas portuguesas.

Vasco da Gama e a viagem para a Índia | Nerdologia

Legado e memória

A dureza de Vasco da Gama na Índia não diminui os seus feitos. O legado deste navegador é de facto grande, tanto para Portugal como para a história mundial. Em sua honra foram erguidos inúmeros monumentos e outras estruturas.

No Portugal moderno, o notável navegador é homenageado ainda hoje. Os turistas incluem ativamente nos seus itinerários visitas a locais associados a ele.

Durante duas expedições, Vaska da Gama conseguiu cumprir todas as tarefas que o seu país natal enfrentou durante séculos. Sob o seu comando, foi aberta a rota comercial das Índias. Trata-se de um grande mérito, que dificilmente será esquecido com o passar do tempo.

Em honra de Vasco da Gama, foram erguidos dois fortes portugueses em África, em Moçambique e Sofala.

A memória do Vice-Rei da Gama mantém-se viva até hoje. É que foi em grande parte graças a ele que Portugal colonizou a Índia. Os seus métodos de conquista de terras estrangeiras não são os mais correctos e bem sucedidos, mas, apesar disso, em honra de D. Gama foram erigidos muitos objectos. Por exemplo, uma cidade em Goa, na Índia.

Mas, acima de tudo, esses objectos estão, naturalmente, na terra natal do navegador - em Portugal.

Como exemplo, um complexo de arranha-céus localizado em Lisboa. Trata-se de um arranha-céus, no qual está localizado o hotel. A torre tem uma altura de 145 metros. É a maior estrutura de Lisboa, com exceção dos pilares das pontes.

O complexo, que se assemelha a uma caravela, foi construído em 1998, nas vésperas da Exposição Mundial. O tema principal era a celebração dos 500 anos da descoberta do caminho marítimo para a Índia por um famoso navegador português.

A estrutura feita de tubos de ferro simbolizava uma vela com um mastro. E a longa estrutura com três andares sobre a água na sua base era o casco do navio. A uma altura de 120 metros, foi aberto um restaurante com uma vista magnífica. Por baixo, havia uma plataforma de observação. Esta parte da estrutura assemelhava-se a um "ninho de pássaro" - um ponto de observação a partir do topo do mastro do navio.

Uma cratera lunar tem também o nome do navegador português. Uma medalha atribuída por descobertas geográficas, um monumento cenotáfio em Lisboa e um clube de futebol no Brasil foram baptizados em sua honra.

E também uma ponte em Lisboa - e uma das atracções mais populares da capital portuguesa. A ponte é uma combinação de graça arquitetónica e funcionalidade. Transporta uma autoestrada de seis faixas e tem uma capacidade diária de 52 000 automóveis e camiões. Existem ainda duas faixas de reserva para o caso de aumentos múltiplos da carga de tráfego. A estrutura de betão armado tem 17,2 km de comprimento e 30 metros de largura.

Vasco da Gama é uma personalidade notável, os seus serviços para a história mundial são grandes. Abriu o caminho marítimo para a Índia, na baía de Santa Helena. O viajante português inscreveu o seu nome na história para sempre.

PERGUNTAS FREQUENTES

Em que dia é que Vasco da Gama chegou à Índia?

Vasco da Gama chegou à Índia a 20 de maio de 1498.

Quanto tempo durou a viagem de Vasco da Gama à Índia?

A viagem de Vasco da Gama à Índia durou aproximadamente dois anos, de 1497 a 1499.

Quando e onde morreu Vasco da Gama?

Vasco da Gama morreu a 24 de dezembro de 1524 em Cochim, Kerala, Índia.

O que é que Vasco da Gama descobriu?

Vasco da Gama descobriu um caminho marítimo da Europa para a Índia através do continente africano, abrindo uma nova rota para o comércio entre os dois continentes.

O que é que Vasco da Gama fez em 1498?

Em 1498, Vasco da Gama chegou à cidade de Calicute (Kozhikode), na Índia, estabelecendo uma nova ligação comercial entre a Europa e a Índia e abrindo novas perspectivas para o comércio europeu.