Moedas

Peseta

by  Olivia Sousa

Conteúdo

A antiga moeda espanhola Peseta (Ptas, ₧) é uma das muitas moedas europeias substituídas pelo euro que passaram à história. A razão do seu nascimento foi a entrada de Espanha na União Monetária Latina, fundada pela Bélgica, Itália, França e Suíça em 1865. O "pequeno peso" foi um meio de pagamento durante mais de 130 anos. Neste artigo, convidamo-lo a descobrir factos interessantes sobre a moeda nacional de Espanha, a sua história e muito mais.

Adeus à peseta

Desenho de dinheiro espanhol

A peseta espanhola iniciou o seu percurso em meados do século XIX. Há duas hipóteses para interpretar a origem do nome da antiga moeda. Segundo a primeira, trata-se de um diminutivo da palavra catalã "pieza", que designa as moedas de prata desde o século XV. A Real Academia da Língua Espanhola considera que o nome provém da palavra "peso". Inicialmente, a peseta equivalia a 4,5 gramas de prata ou 0,2903 de ouro.

As primeiras pesetas foram cunhadas em 1869, em Madrid. Desde as primeiras emissões até às últimas, as pesetas apresentavam diferentes denominações, tamanhos e desenhos. Esta moeda era fabricada com vários metais, incluindo prata, cobre e níquel. Foram utilizadas quantidades de 1, 5, 10, 25, 25, 50, 100, 200 e 500 pesetas.

Notas de Pesetas

Notas de Pesetas

Foto da Internet

O primeiro papel-moeda surgiu quando foi concedido ao Banco de España o direito exclusivo de o emitir. As notas eram emitidas em denominações de 25, 50, 100, 500 e 1000 pesetas. Tradicionalmente, têm um desenho muito diversificado, relacionado com pessoas famosas ou ideais da sociedade, como a família, a justiça, a liberdade, etc.

Diseño del dinero español

Cada moeda e cada nota transportam consigo um pedaço único da história da peseta espanhola. Foram testemunhas de mudanças políticas, ideologias, modas e tendências, constituindo um tesouro valioso. O desenho do dinheiro antigo evoluiu em muitas direcções diferentes ao longo da sua vida.

Notas de banco

Em 01.07.1874, foram emitidas as primeiras pesetas de papel. Dado o seu elevado valor no século XIX, as notas estavam principalmente envolvidas em transacções financeiras bancárias, enquanto outras transacções comerciais eram realizadas com moedas.

Durante a Guerra Civil, a economia do país entrou em colapso e o seu sistema monetário ficou enfraquecido. Perante a falta de metal, começaram a ser impressas notas de 1, 2, 5, 10 e até 50 cêntimos. Na década de 1970, havia muitos milhões de notas de diferentes nomes em circulação, pelo que a peseta perdeu o seu valor real. A última série de notas foi emitida em 1992.

Notas de 5000 pesetas

Notas de 5000 pesetas

Foto da Internet

Quando o euro foi introduzido, existiam apenas quatro tipos de notas em circulação:

  • De 1 000, com o retrato do conquistador Hernán Cortés no anverso e uma imagem de outro conquistador do Império Inca, Francisco Pizarro, no verso.
  • 2 000 com o famoso botânico José Celestino Mutis no anverso e a porta principal do Jardim Botânico de Madrid como motivo no reverso.
  • A denominação de 5 000 apresenta uma imagem de Cristóvão Colombo na frente da nota. O verso é decorado com um instrumento astronómico.
  • A nota de 10 000 apresenta um retrato do Rei Juan Carlos I no fundo do Palácio de Linares. No verso, é apresentado um retrato do engenheiro naval Jorge Juan, o primeiro a medir a longitude do meridiano terrestre.

A frente de todas as notas desta série é horizontal, enquanto o verso é vertical.

Moedas metálicas

Antes da introdução do euro, a população utilizava oito tipos de moedas: 1, 5, 10, 25, 50, 50, 100, 200 e 500. As 25 pesetas tinham um buraco redondo e as 50 pesetas tinham a forma de uma flor espanhola. As moedas de 1, 10, 25, 25, 50 e 100 pesetas apresentam uma imagem do Rei Juan Carlos I. As moedas de 200 pesetas de 1990 e 1998-2000 exibem o casal real Juan Carlos I e o Príncipe Felipe. A moeda de valor mais elevado, a moeda de 500, apresenta imagens de Juan Carlos I e da Rainha Sofia.

A moeda de 1 foi produzida em alumínio. As moedas de 5, 10, 50 e 200 foram cunhadas em cuproníquel e as de 25, 100 e 500 em bronze-alumínio.

1 peseta 1944

1 peseta 1944

Foto da Internet

Emissão de pesetas e política monetária

A moeda nacional foi criada por decreto governamental com o objetivo de fortalecer a economia, facilitar o comércio e estabelecer um sistema financeiro estável. A primeira emissão foi de 2 milhões de notas e manteve-se até 1935. A desvalorização subsequente levou a que as moedas de prata começassem a ser vendidas "a peso" como metal precioso. O comércio cresceu de tal forma que o governo retirou as moedas de circulação, substituindo-as por notas de papel equivalentes.

A Guerra Civil levou a economia do país a um declínio quase total. O Banco Nacional decidiu imprimir pesetas de papel em vez de cunhar metal, uma vez que não tinha oportunidade de o obter. Após a crise financeira da década de 1970, a Espanha começou a sufocar com o excesso de papel-moeda. Em apenas quatro anos, o número de notas em circulação aumentou de 700 milhões para mil milhões. As pessoas levavam consigo maços inteiros de notas, porque a maior denominação ainda era 1 000. Assim, o governo introduziu as notas de 5.000 e, posteriormente, de 10.000 pesetas.

10.000 pesetas

10.000 pesetas

Foto da Internet

A peseta espanhola na vida quotidiana

Os espanhóis utilizavam o dinheiro antigo para comprar bens e serviços, pagar salários, facturas e outras transacções financeiras. A moeda estava estreitamente ligada ao ouro, o que criava confiança e promovia o comércio externo, contribuindo também para melhorar a situação financeira de Espanha após um longo período de instabilidade. No século XX, sofreu várias reformas e desvalorizações relacionadas com mudanças políticas e económicas, incluindo a Guerra Civil e a ditadura de Franco.

O euro substituiu a peseta, nomeadamente para que os rendimentos dos ricos fossem seis vezes mais modestos. A verdade é que o dinheiro é importante. E a evolução do sistema monetário espanhol recorda-nos que ganhar dinheiro é apenas metade da história - tomar decisões financeiras sensatas é também crucial.

Durante o seu período de vida, as pesetas tornaram-se um símbolo da nacionalidade espanhola e um ator forte na cena mundial. A chegada do euro veio abrir uma nova página na história económica do país, mas o legado das moedas nacionais será sempre recordado pelo seu contributo para o desenvolvimento de Espanha.

A entrada do euro e o adeus à peseta

Ao aderir à zona euro, a Espanha foi obrigada a abandonar a sua moeda. A substituição da moeda foi efectuada em duas fases:

  • Em 01.01.1999, a moeda deixou de ser a moeda nacional e foi designada "massa na era do euro".
  • A partir de 01.01.2002, o euro passou a fazer parte da vida quotidiana.

O advento da moeda única europeia reduziu os riscos de flutuações cambiais e tornou o comércio com Espanha mais estável e atrativo para os investidores estrangeiros.

Numismática e colecionismo

Embora as pesetas já não sejam a moeda atual, muitas delas continuam a ter um elevado valor entre os numismatas. Por exemplo, os coleccionadores interessam-se pelas moedas da Guerra Civil Espanhola. Durante este período histórico, cada um dos exércitos emitiu o seu próprio dinheiro (havia 15 tipos no total). Algumas destas peças tornaram-se verdadeiros tesouros, que podem atingir os 250 000 euros. Os coleccionadores recorrem a sítios Web especializados, como Todocolección ou Sellosonline, e a leilões famosos, como Sotheby's e Bonhams, para comprar e vender as moedas mais procuradas.

1 peseta 1966

1 peseta 1966

Foto da Internet

Património cultural

A história da peseta reflecte períodos de rápido desenvolvimento e instabilidade da economia espanhola, mudanças políticas e regimes estatais. Tornou-se um símbolo nacional e um património cultural. É de salientar que os espanhóis são muito sensíveis à sua antiga moeda. Por exemplo, em Estepona, a cidade do sul do país, foi construído um monumento em honra da peseta.

Utilização moderna

A utilização moderna do dinheiro do passado limita-se sobretudo ao interesse numismático. Atualmente, não pode ser utilizado para comprar bens e serviços em Espanha. O prazo para a sua troca terminou em 30 de junho de 2021. E a antiga moeda do reino dos Pirinéus tornou-se uma peça de coleção.

Conclusão

A entrada em circulação do euro põe termo à era da peseta, contos escritos e estampados em notas e moedas ao longo de inúmeros séculos. No entanto, apesar de a antiga moeda já não ser utilizada, esta parte da história espanhola, que representa períodos de posse colonial, conflitos civis e desenvolvimento económico, não caiu no esquecimento, sendo cuidadosamente preservada pelos coleccionadores.